Após acordar e se prepara para um novo dia, Shruikan tratou de, mais uma vez, procurar falar com Dyrk, desta vez para lhe pedir acesso aos esgotos. Ao sair para o procurar, descobriu que ele não estava no seu escritório, mas sim às portas dele, à sua espera. Não levantou objecções à utilização dos esgotos, muito pelo contrário, mas também deixou claro que se alguma coisa acontecer à guilda graças aos seus planos, as coisas não iriam correr bem para Shruikan. Concordando, Shruikan partiu, pedindo apenas as direcções para a saída.

Os esgotos estavam desertos, e não foi propriamente difícil seguir as indicações. Foi só uma questão de tempo até Shruikan se visse perante um generoso penhasco. Olhando em volta, não eram visíveis quaisquer tipos de acessos. A única forma de sair dali seria trepando. Agarrando-se à pedra húmida, Shruikan começou a descer e, para além dos sustos, não tardou a chegar ao areal. Acompanhando a costa que o levaria até à aldeia portuária de Shivar, e há medida que o tempo passava, o areal ia sendo consumido pelo mar. Shruikan tinha que tomar uma decisão, subir a estrutura montanhosa que tinha ao seu lado, ou continuar o percurso a nado num mar que começava a aumentar em intensidade. Agarrando-se às rochas, começou a subir. Aqui a superfície estava muito mais escorregadia, pelo que o progresso era lento, algo que apenas era agravado pelo embater das ondas na rocha. Uma dessas ondas, de altura generosa, atingiu Shruikan, e o impacto foi demasiado forte para que ele se pudesse manter seguro. Agora a acompanhar as ondulações do mar, restava-lhe apenas a última opção.

Lutando contra o mar, Shruikan tratou de fazer progresso, e, apesar de vários sustos e do cansaço que começava a pesar no seu corpo, conseguiu chegar a terra firme. Estava exausto, ofegante, e mais morto que vivo.

Tratou de avançar até que se viu diante de uma estrada. Perante o grande movimento que se fazia sentir, Shruikan tratou de avançar e, aproveitando o seu estado debilitado, cair intencionalmente sobre um grupo de quatro caminhantes. Surpresos e preocupados, trataram de o socorrer. Cuidados foram prestados e, enquanto os questionava sobre o destino da sua viagem, Shruikan veio a saber que se tratava de um grupo de músicos. Uma demonstração rapidamente teve lugar, e enquanto notas músicas animavam quem por ali passava, Shruikan não podia parar de pensar não só no facto de não se lembrar da última vez que tinha ouvido música, como também de quanto dinheiro tinha conseguido subtrair quando caiu sobre eles.

Published
Categories Tales of Dosluvi
Views 239