O dia começou com uma grande revelação. O livro tinha uma outra forma. O título constava agora na sua capa e a mensagem repetida na língua infernal tinha sido substituída por toda uma série de conceitos básicos de alquimia.

Reunindo-se com os restantes membros da Ordem, e antes de avançarem com a busca, Shruikan pediu para falar a sós com Ander. Revelou-lhe a súbita alteração do livro e prontamente chegaram à conclusão que o encantamento visava estabelecer uma comunicação secreta entre os dois. Trocaram mais uma série de ideias sobre o que iria ter lugar e, em suma, iriam fazer a busca na companhia da respectiva ordem legal, tomando as devidas precauções com soldados prontos a intervir caso as hostilidades ganhassem forma.

Foram notificados que as patrulhas matinais tinham chegado e que não havia nada de novo a reportar.

Reunindo a equipa constituída por Ander, Lia, Tholok, Shruikan e Dominic, avançaram até à casa de Amadeus que lhes abriu a porta assim que revelaram a sua presença. O despacho foi-lhe mostrado e rapidamente os deixou entrar para levarem a cabo a respectiva busca.

Trataram de revistar a habitação de Amadeus de uma ponta à outra, passando pelo seu escritório (e onde Shruikan aproveitou para se apoderar de alguns livros), a sua extensa biblioteca e o seu quarto, onde constava o artefacto que Shruikan tinha previamente recolhido para Amadeus. Uma vez que Amadeus não tinha qualquer credencial que lhe permitisse guardar este tipo de artefactos, Ander confiscou-o sob o pretexto que seria devolvido quando esse parâmetro fosse cumprido. Amadeus aceitou, removendo as várias protecções arcanas que guardavam o Fragmento de Alandhur.

Por último, desceram até à despensa, ficando os que já por ali tinham passado surpresos ao ver que não havia nenhuma parede invisível. Ander examinou o local, e depois de estudar a parede com atenção, perguntou a Amadeus há quanto tempo é que começara a combinar métodos arcanos com alquimia. A resposta foi mais que afirmativa. Com a curta conversa que se seguiu, Amadeus revelou que tinha outras oito divisões ocultas, e, face à presente situação, também teriam que ser examinadas. Começando por esta, tratou de dissipar a camada que ocultava a invisibilidade, fazendo a parede derreter de uma forma bastante familiar para alguns membros do grupo.

Numa questão de segundos, estavam de novo naquela sala, cujas paredes também derreteram, revelando o local onde os corpos estavam. Nada mais estava à vista a não ser aquela mesa de pedra. Ander continuou o seu interrogatório, culminando na pergunta pelo número de pessoas que ele tinha morto, visto que, apesar de todo o cuidado depositado nela, a mesa ainda tinha manchas de sangue. Para a surpresa de todos, Amadeus indicou indirectamente que ninguém tinha morrido ali. Prontamente, Ander tratou de confrontar Amadeus com a gravidade da situação e de que ele iria ser acusado de homicídio e/ou de necromancia pelas várias práticas que ele ali tinha levado a cabo, contando com ele para cooperar de livre e espontânea vontade na investigação que se seguiria.

Contudo, antes que pudesses detê-lo, uma outra figura surgiu, do mesmo sítio onde o outro guarda tinha sido encontrado inconsciente, uma figura humanoide numa detalhada e pesada armadura de aço, com a cara tapada com um capacete.

Claramente eles tinham abusado da hospitalidade de Amadeus.

Published
Categories Tales of Dosluvi
Views 74