Muitas questões assolavam a mente de Shruikan, mas a prioridade agora era descobrir onde é que ele e Dominic estavam. Revistar a casa onde apareceram não proporcionou quaisquer respostas, ficando rapidamente claro que elas tinham que ser procuradas no exterior. Esperando por uma altura de menor afluência de pessoas nas ruas, saíram.

Enquanto tentavam misturar-se com a pequena multidão, Shruikan reparou que os demais olhavam para ele de uma forma estranha, afastando-se a um passo acelerado assim que os seus olhares se cruzavam. Temendo o pior, Shruikan e Dominic apressaram-se na direcção da sede da guilda, mas foram prontamente impedidos por um grupo de guardas, que tinha com eles um anão e um meio-orc de brasões de Bahamut ao peito, figuras que lhes eram bastante familiares. Um confronto teve lugar, e apesar de um dos soldados ter perdido a vida, Shruikan não conseguiu passar ileso, sendo deixado inconsciente.

Os sentidos vieram e com eles a visão clara de que estava numa prisão… e que a Mão de Vecna não estava ligada a ele. Tratando de arrombar as grades, os dois trataram da fuga, tomando a vida de vários guardas e aterrorizando outros tantos. Por fim, perto da saída, depararam-se com aquelas mesmas duas figuras, e um novo confronto teve então lugar, confronto este que, apesar da exaustão de ambas as partes, culminou com a vitória de Shruikan. Ainda procurou questionar uma das vítimas sobre o paradeiro da Mão, mas tudo o que recebeu foi uma cuspidela na cara.

Cá fora, o pânico estava instalado, e, como se já não tivesse problemas suficientes, Shruikan tinha agora que recuperar a Mão de Vecna.

Published
Categories Tales of Dosluvi
Views 266