A admissão em uma ala segura deve ser decidida pelo tribunal, não pelo representante legal

O Ministério da Saúde colocou em discussão pública uma proposta de alteração à Lei da Saúde Mental que, segundo o proponente, visa eliminar a inconstitucionalidade comprovada das disposições relativas ao internamento de pessoas com perturbações mentais em regime de internamento . Os comentários ao projeto podem ser enviados até o dia 18 de novembro, segundo publicação no portal E-democracia.

arquivo Svet24

De acordo com a decisão do Tribunal Constitucional, a proposta de lei prevê ainda a obrigatoriedade do Ministério do Trabalho, Família, Assuntos Sociais e Igualdade constituir uma rede de tutelados de forma a albergar pelo menos 12 pessoas por 30.000 habitantes.

Os juízes constitucionais consideraram que o regime legal existente para a admissão de pessoas com transtornos mentais em uma instituição de segurança não é consistente com os princípios constitucionais da proteção da liberdade pessoal e da proteção da personalidade e dignidade humanas. O Tribunal Constitucional ordenou à DZ que eliminasse a inconstitucionalidade no prazo de nove meses. Esse prazo expirou em março de 2020.

Se a pessoa não concordar com a admissão, o tribunal decide

A proposta de alteração, elaborada pelo ministério, suprime assim as disposições, e com isso o representante legal deixaria de poder dar consentimento para admissão no departamento protegido da instituição de solidariedade social em vez da pessoa que aí está internada. É assim que o tribunal deve decidir em todos os casos em que uma pessoa não concorda em ser internada em uma enfermaria segura ou é claro por seu comportamento que revogou seu consentimento.

Uma rede de departamentos seguros

De acordo com a decisão do Tribunal Constitucional, a proposta de lei prevê a obrigação do Ministério do Trabalho, Família, Assuntos Sociais e Igualdade constituir uma rede de tutelados de forma a albergar pelo menos 12 pessoas por 30.000 habitantes.

O projeto de lei também estabelece o dever das instituições de assistência social de formar unidades protegidas. O objetivo de tal arranjo é fornecer tratamento terapêutico protetor e adequado para pessoas que serão colocadas em enfermarias seguras por decisão judicial.

De acordo com a emenda proposta, o Ministério também estabeleceria uma rede de enfermarias protegidas de acordo com as necessidades da população e verificaria regularmente, pelo menos a cada dois anos, a ocupação das enfermarias protegidas. Se a utilização da capacidade em tipos individuais de departamentos protegidos for superior a 90% em dois anos consecutivos, o ministério procederá à complementação da rede de provedores de departamentos protegidos. Segundo o proponente, isso evitaria o risco de ocorrência ou prorrogação de tempos de espera para internação em enfermarias seguras e de internação inadequada de pessoas por ordem judicial.

psiquiatria

profídia

É assim que o tribunal deve decidir em todos os casos em que uma pessoa não concorda em ser internada em uma enfermaria segura ou é claro por seu comportamento que revogou seu consentimento.

Procedimento para detenção em ala segura

O projeto de lei também prevê um procedimento especial para internação em regime de internação se a pessoa já estiver internada em instituição de assistência social, e um prazo diferente para notificar o tribunal sobre a admissão de uma pessoa para tratamento contra sua vontade em casos de emergência. Neste caso, o diretor da instituição de proteção social será obrigado a informar o tribunal competente sobre a admissão da pessoa no prazo máximo de 24 horas.

Com a proposta, harmonizam-se também as disposições da lei com as disposições do Código da Família, que, alterado em abril de 2019, deixou de prever o instituto da privação da capacidade empresarial. Estão regulamentadas as regras para o caso de internamento de menor ainda com menos de 15 anos em regime de tutela especial, sendo que a lei permite ainda aos menores uma maior capacitação e cooperação no tratamento, conforme já consagrado na regulamentação em matéria de cuidados de saúde.

A proposta de alteração define ainda um novo procedimento de internamento em regime de internamento antes de decisão judicial em casos de urgência, quando a pessoa já se encontre alojada numa instituição de solidariedade social. Isso elimina a deficiência existente, devido à qual, na prática, uma pessoa foi previamente internada em uma enfermaria sob supervisão especial de um hospital psiquiátrico antes de ser internada em uma enfermaria segura.

Ainda, segundo o proponente, a deficiência é eliminada quando o tribunal decide por uma pessoa que já se encontrava colocada num departamento sob tutela especial em processo regular e não em processo de urgência. Este último destina-se a pessoas que já tenham sido admitidas na instituição, pelo que o processo perante o tribunal é relativamente curto. Em vez do procedimento regular para deter uma pessoa em um departamento protegido, o procedimento perante o tribunal é alterado de um procedimento regular para um procedimento de emergência, porque para a proteção dos direitos humanos é importante garantir que os procedimentos perante o tribunal sejam tão curto possível.

Segundo o proponente, a alteração da lei também elimina a deficiência da lei atual, que não especificava a conclusão do tratamento supervisionado quando uma pessoa era internada em hospital psiquiátrico ou instituição de assistência social. No entanto, também está sendo eliminada uma lacuna em relação à implementação de controles administrativos sobre a implementação das disposições da Lei de Cuidados de Saúde por prestadores de serviços de assistência social e prestadores de tratamento na comunidade.

Paulino Leitão

"Especialista em cerveja. Leitor orgulhoso. Especialista em comida profissional. Praticante de zumbis. Explorador."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *