A comissão do Parlamento Europeu apoiou a entrada da Croácia em Schengen



Foto: EPA

A decisão final deve ser tomada pelo Conselho da UE em dezembro.

A Comissão das Liberdades Cívicas, da Justiça e dos Assuntos Internos do Parlamento Europeu apoiou hoje o parecer de que a Croácia está disposta a aplicar todas as disposições do acervo de Schengen. Ao mesmo tempo, instou o Conselho da UE a adotar uma decisão de adesão da Croácia e alertou que o respeito pelos direitos fundamentais nas fronteiras externas deve ser constantemente avaliado.

A comissão aprova o relatório com 45 votos a favor, oito contra, cinco deputados se abstiveram de votar. Entre outras coisas, os deputados pediram à Croácia que informe o Parlamento Europeu e o Conselho da UE sobre o seu plano de ação para a gestão das fronteiras externas da UE e sua implementação, e especialmente sobre o mecanismo independente de monitoramento das ações dos policiais.

“Os deputados deram luz verde à Croácia para entrar em Schengen, com avisos claros sobre a gestão da fronteira externa, violência contra refugiados e um apelo à Comissão Europeia para monitorizar a situação em detalhe”, acrescentou. disse o eurodeputado da Eslovénia após a votação Matjaž Nemec (S&D/SD), que foi também o negociador do grupo político de socialistas e social-democratas para a elaboração do parecer.

Conforme anunciado pelo alemão, a comissão apoiou o apelo à Comissão Europeia sobre a sua iniciativa de reavaliar a conformidade da Croácia com a legislação europeia relativa à gestão da fronteira externa. Vários anos se passaram desde a última avaliação e, desde então, a mídia e as organizações não governamentais revelaram práticas controversas no tratamento de desertores, seu retorno forçado ilegal à Bósnia e Herzegovina e até a violência das autoridades de fronteira croatas contra os desertores. “A Croácia deve enfrentar essa mancha abertamente e eliminá-la”, o alemão enfatizou.

“Durante o processo de consideração da abordagem da Croácia a Schengen, nós, no Parlamento Europeu, devido à grande pressão do lado croata, corremos, talvez desnecessariamente e injustamente, para a Romênia e a Bulgária, que estão na sala de espera de Schengen há mais de onze anos“, alertou o alemão.

O que acontecerá com a Romênia e a Bulgária?

Tal como decorre do documento apresentado pelo relator da comissão, o deputado português Paulo Ranger (PPE), tendo em conta os resultados dos procedimentos de avaliação e reexames realizados por grupos de peritos, não existem obstáculos à adesão da Croácia a Schengen.

Estas conclusões dos peritos já foram confirmadas pela Comissão Europeia e pelo Conselho da UE. A Croácia provou que está disposta a aplicar satisfatoriamente todas as disposições da ordem jurídica de Schengen, está escrito no projeto de parecer do Parlamento Europeu, que insta o Conselho da UE a adotar uma decisão sobre a entrada da Croácia no Schengen.

Numa reunião dos ministros do Interior da UE, a decisão deve ser tomada com o consentimento de todos os membros do espaço Schengen.

Embora não deva haver mais reservas quanto à adesão da Croácia a Schengen no próximo ano na UE, como alertam fontes em Bruxelas, podem surgir complicações se o Conselho da UE votar em um pacote, ou seja, em conjunto sobre a adesão da Croácia e Romênia e Bulgária.

Na semana passada, o parlamento holandês foi o governo do primeiro-ministro Marko Rutte instado a vetar a adesão da Roménia e da Bulgária até que sejam efectuados novos controlos sobre o controlo das fronteiras, o funcionamento do Estado de direito e a luta contra a corrupção e o crime organizado em ambos os países.

Brás Monteiro

"Fanático de TV ao longo da vida. Aficionado de internet irritantemente humilde. Analista. Introvertido dedicado."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *