A empresa de Šuštar, Marinblu, acusada de exploração de trabalhadores, recebeu 1,4 milhões de euros do Estado

Os fiscais e a polícia já visitaram hoje a empresa e impuseram as primeiras medidas

Os trabalhadores indianos, que trabalhavam para a Marinblu através de uma agência portuguesa, dormem no chão do armazém.

consultoria trabalhista

O público esloveno ficou chocado esta semana com a história das condições desumanas em que os funcionários das empresas Marinblu e Selea em Kozina tiveram que trabalhar, que foi noticiado pela primeira vez pela TV Slovenia. De acordo com o depoimento dos trabalhadores, os trabalhadores das referidas empresas, nas quais se ocupam do acondicionamento e venda de pescado, também foram obrigados a trabalhar em turnos de 15 horas, sendo monitorizados permanentemente pela direção da empresa. através de câmeras. Alguns teriam sido forçados a trabalhar continuamente por até 40 horas, sem receber o pagamento acordado, nem foram pagos por horas extras. Entre eles estão doze trabalhadores indianos que dormem em colchões no chão do armazém da empresa. Goran Lukić, o chefe da Consultoria dos Trabalhadores, em que foram divulgados detalhes adicionais do caso, explica que os trabalhadores indianos vieram para a Eslovénia através de uma agência portuguesa, que não está registada na Eslovénia, razão pela qual não deveriam estar a trabalhar de todo . Por suspeita de violação dos direitos dos trabalhadores, também foram ajuizadas ações penais contra as empresas da Consultoria Trabalhista. Além da violação de direitos trabalhistas, também vieram à tona outras supostas irregularidades no trabalho nas instalações da empresa. Assim, entre outras coisas, os peixes anunciados devem ser reembalados e enviados para venda novamente.

Marinblu e Selea são empresas coligadas pertencentes à família do ex-Secretário de Estado do Ministério da Economia Boris Šuštar, que já esteve preso no passado por aceitar subornos. O diretor de ambas as empresas é sua esposa Rozana Šuštarque negou todas as acusações na coletiva de imprensa. “Não é verdade que nossos funcionários trabalham em condições desumanas, que sofrem pressões psicológicas e que não os pagamos de acordo com os acordos… Em dez anos de atividade, as empresas não se atrasaram uma única vez com o pagamento de salários, férias e outros benefícios afins”, diz Šuštarjeva, que aponta que as empresas também não pagaram até agora um único euro de multas devido a operações impróprias. Šuštarjeva também rejeita as alegações sobre o trabalhador que supostamente teve que trabalhar continuamente por mais de 40 horas. Segundo ele, na viagem para a República Tcheca, que o trabalhador fez nesse período, enviaram dois motoristas que se revezaram de acordo com o regulamento.

Brás Monteiro

"Fanático de TV ao longo da vida. Aficionado de internet irritantemente humilde. Analista. Introvertido dedicado."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *