André Ventura: “A CHEGA não tem medo de reconhecer problemas, mesmo que sejam politicamente incorretos.”

Diz: Álvaro Penas

Entrevista com André Ventura, Presidente do Partido CHEGA. O partido CHEGA, fundado em abril de 2019, tornou-se a terceira maior força política em Portugal em apenas três anos. Nas eleições parlamentares de janeiro de 2022, CHEGA obteve 7,15% dos votos e 12 deputados.

Durante muito tempo se falou de uma “exceção ibérica” ​​devido à ausência de partidos patrióticos nos parlamentos espanhol e português, mas apesar da pressão da mídia e da classe política, VOX e CHEGA acabaram com essa exceção. Qual foi a chave para levar CHEGA ao parlamento?

Os partidos tradicionais do espectro político português deixaram de responder aos problemas reais dos portugueses há muito tempo. Em vez disso, preferem apostar na defesa de lobbies e programas que acabam por sequestrar os interesses e a vontade do cidadão comum português.

Devido à falta de resposta do sistema, surgiu a organização CHEGA. Um partido de direita conservador nos costumes, reformista, liberal na economia e sobretudo defensor da pátria. Um partido que não tem medo de confrontar interesses escusos, que luta contra o vício subsidiado, que propõe justiça mais rápida e eficiente com penas mais duras e até prisão perpétua por crimes graves, que não tem medo de ficar do lado das forças de segurança, militares, juízes , médicos e professores, que defende o campo e os agricultores, que defende a escola sem ideologia, que respeita a família como instituição básica da sociedade e que defende a inviolabilidade da vida humana em todas as suas fases e dimensões.

Assim, não é de estranhar que a CHEGA tenha conquistado a confiança de quase 400.000 portugueses. Atualmente somos a terceira maior força política nacional e subindo nas pesquisas de opinião.

Muitas das áreas ocupadas por CHEGA eram anteriormente áreas da esquerda comunista, a esquerda que CHEGA derrotou nas últimas eleições. Como você interpreta essa transmissão de vozes?

A verdade é que nas várias eleições em que participamos, o número de votos aumentou significativamente em lugares onde as forças de esquerda tradicionalmente têm uma voz importante.

Isso se deve principalmente ao fato de que nesses locais existem problemas de dependência de subsídios, bem como fenômenos de criminalidade, que em muitos casos estão associados a determinados grupos que não estão inseridos na sociedade e vivem à margem da lei, e como Como resultado, está surgindo um sentimento de insegurança na população, para o qual os clientes tradicionais não têm resposta.

Ao contrário desses partidos, CHEGA não tem medo de identificar questões, mesmo que sejam politicamente incorretas, e as pessoas apreciam isso, como evidenciado pelos resultados das eleições.

Quais são as prioridades da CHEGA na Assembleia da República?

Trouxemos ao parlamento medidas que até agora eram consideradas tabus e que queremos que sejam discutidas, embora o presidente da Assembleia da República continue a colocar obstáculos à sua apreciação. O parlamento começou a trabalhar há pouco mais de três meses, e o CHEGA já detectou o bloqueio de três iniciativas, como a proposta de prisão perpétua para crimes particularmente cruéis, especialmente contra crianças, o aumento da pena máxima para 65 anos ou mesmo a abolição da imunidade parlamentar.

No entanto, outras questões também estavam em cima da mesa, como o aumento do subsídio de risco para as forças de segurança ou medidas anticorrupção como a “delação premiada”, o aumento das penas para esses crimes e também o fim dos benefícios fiscais para os partidos políticos.

A CHEGA também apresentará uma revisão da Constituição em setembro, que visa tocar o que o sistema não quer tocar, e que abordará questões como prisão perpétua, redução do número de deputados e funcionários políticos e incompatibilidade vitalícia para ministros que dirigem agências, entre outros. e depois de deixar o cargo eles começam a trabalhar neles.

Na Espanha, o partido VOX chegou a um acordo de governo com o Partido Popular de Castela e Leão. É possível algo semelhante em Portugal com o PSD liberal de centro-direita?

A CHEGA está sempre disponível para uma solução governamental de direita que seja a alternativa real ao socialismo. É por isso que temos repetidamente apelado ao PSD e à Iniciativa Liberal para falarem numa grande conferência e criarem uma alternativa ao espaço socialista em Portugal, para que possamos trilhar um caminho comum respeitando as diferenças. A resposta desses clientes é bem conhecida e até agora sempre foi negativa.

Em todo o caso, nunca deixaremos de afirmar os nossos princípios e valores em todos os acordos governamentais que concluímos, e exigiremos sempre mudanças concretas que respondam às necessidades do país e dos portugueses, como é o caso da região autónoma de os Açores, cujo governo esteve em 2020 dependente do apoio da CHEGA. Nunca seremos o eixo de qualquer solução governamental.

No caso dos Açores, as condições para tal acordo incluem questões fundamentais como a redução do número de deputados regionais, a criação de um gabinete anticorrupção e a redução da dependência muito elevada de subsídios da região. No entanto, muitas coisas ainda estão faltando e faltando. Se as promessas forem cumpridas e o acordo for implementado, não há nada a temer. Se não, vamos ver o que acontece.

Vi a sua intervenção no Viva 21 em Madrid, qual é a sua relação com a VOX e o que associa à festa do Santiago Abascal?

A CHEGA compartilha muitas preocupações com o Vox e, embora pertençamos a diferentes famílias políticas – CHEGA Identity and Democracy e Vox European Conservatives and Reformists – travamos as mesmas batalhas em muitos casos.

Houve vários contactos entre as partes e entre mim e Santiago Abascal, nos quais tivemos a oportunidade de aprofundar a nossa relação. Só podemos vencer se tivermos estratégias comuns para problemas globais que afetam não só Portugal e Espanha, mas também outros países da Europa e do Ocidente. Neste sentido, uma estratégia europeia conjunta também é importante para ambas as partes, para que possamos ser mais ouvidos nas instituições europeias.

Além disso, ambos os países são governados por socialistas, então temos um inimigo comum que está destruindo nosso país e que devemos derrotar o mais rápido possível.

Conhece o sindicato Solidariedade apoiado pela organização VOX e seria possível um sindicato patriótico em Portugal?

Só conheço o sindicato por algumas notícias espanholas que li. Certamente acho errado pensar que existem formas de associação como o sindicalismo que são exclusivas da esquerda e proibidas à direita.

Este erro decorre do facto de a maioria dos sindicatos, como os conhecemos em Portugal e Espanha, estarem maioritariamente ligados à esquerda e na maioria dos casos serem os principais inimigos dos trabalhadores através das medidas que promovem e minam o que afirmam ser o seu missão principal, ou seja, defendê-los.

No entanto, não tem de ser assim, tal como não foi o caso do sindicato polaco “Solidariedade” sob a liderança de Lech Wałęsa, que desempenhou um papel decisivo na queda do comunismo na Polónia e na “Cortina de Ferro” “.

Em Junho esteve em Antuérpia para a reunião do ID, e pouco depois encontrou-se com Claudio Tarzu da festa AUR em Lisboa. Qual a importância das relações com outros clientes europeus para a CHEGA?

A importância da Europa na estratégia de integração internacional de Portugal é extraordinária, pois as instituições da União Europeia moldam e influenciam muitas políticas nacionais e as políticas de vários estados membros.

Neste sentido, é imperativo desenvolver e aprofundar as relações com os partidos políticos europeus que defendem os mesmos objetivos e travam as mesmas batalhas que a CHEGA, e formular estratégias conjuntas para fortalecer a voz destes partidos nos vários fóruns europeus e internacionais.

CHEGA mostrou apoio à Ucrânia diante da invasão russa, você acha que a resposta europeia é suficiente? Qual é a posição da CHEGA sobre esta questão?

CHEGA acredita que a invasão da Ucrânia pela Rússia merece a mais forte condenação pública e política e severas sanções econômicas, ao contrário dos partidos de extrema esquerda em Portugal e em toda a Europa.

De facto, juntamo-nos aos vários pacotes de sanções económicas impostas pela União Europeia e pela maioria dos países do mundo, e acreditamos que a Europa deve investir nas suas forças armadas e ser firme e unida face a uma ameaça cada vez mais perigosa dia e cujas intenções são cada vez mais imprevisíveis.

Fonte: El Correo de España

Egídio Pascoal

"Estudante. Especialista em web. Guru da música. Especialista em bacon. Criador. Organizador. Típico viciado em viagens. Estudioso de café. Explorador."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.