ANEJ DOPLIHAR TRAVELLER TO TOKYO – Notícias sobre esportes e atletas – ANEJ DOPLIHAR TRAVELLER TO TOKYO – Si21

Depois do campeonato mundial de paraciclismo em Portugal, sabe-se que a única quota eslovena de paraciclismo vai para a paraciclista manual de 27 anos, Ane Doplihar. O último resultado em Portugal e a análise dos feitos e a opinião do treinador Luka Kovic foram a base profissional para a decisão de enviar Doplihar para Tóquio. A dupla Aleš Dragar&Jurij Porenta também estava competindo para sair.

Uma partida decisiva
“O último jogo em Portugal foi o mais importante, cronometramos a nossa forma para isso. Competimos tanto na prova de estrada como no contrarrelógio no autódromo de Fórmula 1 do Estoril. Fui 17º no contrarrelógio, queria um pouco mais na corrida de estrada. Larguei bem, estava com um grupo rápido, e apesar de um acidente e uma colisão com um companheiro de equipe, cheguei em 15º lugar. No entanto, foi necessário esperar pela Federação de Esportes Deficientes da Eslovênia-Comitê Paralímpico Esloveno para decidir sobre os passageiros, a dupla Aleš Dragar&Jurij Porenta também esteve na competição, e a opinião do treinador também foi levada em consideração. Essa honra me recaiu, estou imensamente feliz, mal posso acreditar”, disse Doplihar, que já se reunirá amanhã com o técnico Luka Kovic, com quem traçará um plano até o início dos Jogos Paralímpicos, que começam no dia 24 de agosto em Tóquio!

Piloto de motocross
Anej Doplihar é natural de Dornberk, no vale Vipava, formado como reparador de automóveis e técnico mecânico. Rapidamente começou a praticar esportes. Foi piloto de motocross até 2017, mas depois de um acidente começou a praticar paraciclismo. No campeonato mundial passado, Doplihar ficou em 15º lugar no contra-relógio (28 competidores), e foi 17º na corrida de estrada.

esporte paralímpico
O paraciclismo é um esporte paralímpico que pode ser praticado por atletas com uma grande variedade de deficiências. Dependendo de sua habilidade, os ciclistas andam de bicicleta de estrada comum, handbike, triciclo ou tandem. Devido às diversas deficiências físicas, os paraciclistas são classificados em grupos de competição adequados, nomeadamente de acordo com o leque de capacidades competitivas resultantes da sua deficiência. Atletas com lesão medular ou membros inferiores amputados pedalam com hand bikes (H1-H5), atletas com deficiências neurológicas ou lesões na cabeça usam triciclos (T1, T2), atletas com deficiências neurológicas e membros amputados pedalam com bicicletas de estrada adaptadas (C1 – C5 ), e atletas cegos e amblíopes competem junto com seu parceiro em duplas (B). No paraciclismo de estrada, conhecemos corridas de estrada e contra-relógio (cronômetro), enquanto os ciclistas de mão também competem em corridas de revezamento. As corridas no velódromo são limitadas a ciclistas de estrada e tandem que competem em eventos de sprint e resistência.

não me falta nada
Anej Doplihar é também um dos heróis da campanha de alto nível Nada me falta, onde a Federação de Desportos Deficientes da Eslovénia – o Comité Paralímpico Esloveno e o patrocinador de ouro Lidl Eslovénia uniram forças, que juntamente com a federação também está a desenvolver o programa Torne-se um desportista, com o qual pretendemos estabelecer um sistema eficaz a longo prazo para uma maior inclusão dos jovens com deficiência no desporto e, ao mesmo tempo, sensibilizar o público esloveno para a importância do desporto para pessoas com deficiência. Por meio do esporte e da recreação, os jovens desenvolvem suas habilidades, fortalecem sua autoestima e, assim, contribuem significativamente para a qualidade de vida.

Mais Informações

Foto: Pedro Giodani

De volta

Egídio Pascoal

"Estudante. Especialista em web. Guru da música. Especialista em bacon. Criador. Organizador. Típico viciado em viagens. Estudioso de café. Explorador."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *