As lágrimas de Ronaldo (não) se encontraram no maior dia de sua carreira

Paris – Embora tenha saído do gramado lesionado após apenas 25 minutos, ele foi Cristiano Ronaldo a figura central da grande final do Campeonato da Europa entre Portugal e França. Uma queda feia e uma lesão no joelho, que o fez cerrar os dentes por um bom tempo, mas depois teve que admitir entre lágrimas que não poderia continuar, marcou a partida já na parte inicial, seu infortúnio meio que tirou a cobrança de o jogo. Mesmo quem não é fã de sua abordagem estrelada simpatizou com ele, pois sabia o quanto era difícil para o capitão naquele momento. Mas a partida virou quando ele é reserva Éder marcou o gol da vitória aos 109 minutos e Ronaldo voltou a chorar – desta vez lágrimas de felicidade.

“Hoje senti uma grande tristeza e uma felicidade extrema. O que posso dizer deste momento mais feliz da minha carreira? Só posso chorar”, disse o português de 31 anos após o jogo, que aparentemente já não sentia dores no joelho em euforia e dançou alegremente com seus companheiros. Ele abraçou especialmente Eder, que revelou após a partida que foram as palavras de Ronaldo ao entrar em campo que o levaram à vitória. “Cristiano me disse que eu ia marcar. Foi a energia dele que me levou ao gol”, disse o atacante do Lilla. Ronaldo também confirmou isso e disse que viu visionariamente um salvador em Eder. “Senti que ele poderia virar o jogo. Não sou mágico nem médium, mas sigo sempre o meu instinto”, disse sobre o reservista, fora isso não poupou muitas palavras aos jornalistas na noite passada.

Ainda não se sabe a gravidade da lesão Dimitri Payet marcou aos oito minutos da partida e escapou do pênalti do juiz Marcos Clattenburg. Isso deixou o seletor bastante irritado Fernando Santos: “Acho que o árbitro deveria mostrar o cartão para ele. Respeito os árbitros, acredito que eles estão trabalhando com o melhor de suas habilidades e intenções, mas acho que deveria ter reagido, e ele nem apitou uma falta dessas. Nosso capitão, por outro lado, fez tudo o que pôde. Por duas vezes ele voltou ao gramado e tentou jogar, mas não conseguiu continuar”.

Tricampeão do prestigioso prêmio de melhor jogador de futebol do ano, vencedor da Liga dos Campeões, campeão inglês e espanhol, campeão mundial de clubes e assim por diante, no final, apesar de tudo, conseguiu completar a obra de sua vida com os louros da seleção nacional nos maiores torneios. Ele também igualou o recorde na França Michel Platini com nove gols em campeonatos europeus. Ele próprio queria muito mais (marcou três vezes), mas os louros finais superaram até mesmo este golo não concretizado. Se até agora sempre foi acusado de ser um grande indivíduo dentro da equipe e que só se preocupa com suas conquistas, ontem (em campo) provou o contrário. No final da partida, ele também se mostrou um verdadeiro auxiliar do treinador, incentivando de todo o coração os companheiros em campo. “Foi muito importante que ele estivesse com os jogadores no vestiário e em campo, foi incrível como ele motivou os companheiros”, disse Santos, que levou o time a um sucesso histórico, o primeiro título do Campeonato Europeu. Foi assim que as lágrimas de Ronaldo de há 12 anos, quando Portugal perdeu na final do Euro em casa, finalmente secaram. Os franceses sofreram esse destino na noite passada, lamentou o Stade de France enquanto os novos campeões erguiam o prestigiado troféu.

É certo que o caminho deles para a grande vitória não foi exatamente animador. Eles não venceram na fase de grupos e só venceram o País de Gales nas semifinais após a temporada regular. Mas (também) isto é futebol. “Talvez tecnicamente não éramos o melhor time em campo, mas trabalhamos em equipe e trabalhamos uns para os outros. Até o selecionador acreditou em nós e nesta vitória desde o início”, comentou Eder após a partida, com o goleiro também entre os mais merecedores da vitória. Rui Patrício e defensor Pepê, que também foi o melhor em campo: “Tínhamos que vencer este jogo, para todos os portugueses do mundo. Escrevemos uma página brilhante na história do nosso futebol. Esta é uma vitória que nunca esquecerei.”

Exausto, Pepe, que até perdeu a partida da semifinal devido a uma lesão no tendão da coxa, também disse após o jogo que, após a lesão de seu companheiro de equipe no Real Madrid, ele disse a seus companheiros para vencerem por ele. “Foi difícil perder o homem principal, aquele que sempre pode fazer a diferença e pode marcar um gol a qualquer momento. Mas também fomos verdadeiros guerreiros em campo. Dissemos que venceríamos por ele, e vencemos.”

Paulino Leitão

"Especialista em cerveja. Leitor orgulhoso. Especialista em comida profissional. Praticante de zumbis. Explorador."

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *