Brasil é o primeiro favorito segundo a Fifa para o torneio de melhor e mais assistido



A estátua de ouro da luxúria e o louro mais prestigioso do futebol, senão de todo o mundo dos esportes. De 20 de novembro a 18 de dezembro, o Qatar 2022 será palco da luta pelo título mundial. Foto: AP/DPA

A 22ª Copa do Mundo terá início no domingo, às 17h. Será aberta em Al Hor pelos anfitriões Catar e Equador. Quem será o melhor em campo será conhecido no dia 18 de dezembro em Lusail, onde será disputada a grande final. O título de campeão do mundo é defendido pela França, que vai tentar tornar-se na terceira seleção nacional a vencer dois campeonatos consecutivos. A Itália foi a primeira a fazê-lo (1934 e 1938), e o Brasil foi o segundo e último (1958 e 1962).

Os seleccionadores das 32 selecções nacionais já anunciaram as listas finais dos jogadores de futebol que vão mostrar as suas obras-primas aos adeptos do futebol em oito estádios (todos estarão num raio de 50 quilómetros, pelo que os participantes não terão de se deslocar muito) e muitos à frente de telas de televisão e em outras plataformas.

Notícias relacionadas
Que comece o carrossel de emoções, drama, diversão e lágrimas

Infantino acredita em números recordes

presidente da fifa Gianni Infantino disse no Fórum Econômico Mundial em maio que cinco bilhões de pessoas assistirão à primeira Copa do Mundo em solo árabe. Isso melhoraria significativamente o número recorde anterior. O último WC 2018 na Rússia foi assistido por 3,57 bilhões de pessoas.

“Esta Copa do Mundo no Catar será assistida por mais de cinco bilhões de pessoas, o que representa bem mais da metade da população mundial. Todos eles que seguem a mesma paixão, sentem o mesmo e sabem que o futebol tem esse poder unificador”, disse. disse Infantino.

Um monte de críticas, acusações e nuvens negras

Quase todos os decisores futebolísticos sabem enfatizar que o futebol tem um poder unificador. Mas a própria escolha do Catar para sediar o WC 2022 também teve outro aspecto. Alegações de corrupção ou “negócios de fundo” na seleção do Catar, as violações dos direitos dos trabalhadores estrangeiros, incluindo fatalidades durante a construção da infraestrutura, o desrespeito aos direitos humanos e o movimento LGBTQ polarizaram fortemente o mundo em relação ao campeonato em si.

Notícias relacionadas
A Fifa expôs: uma organização mafiosa ou apenas uma vítima dos patrões que mandavam no show e sujavam o jogo?

Muitas organizações de direitos humanos também criticaram os organizadores e a FIFA o tempo todo, incluindo a Anistia Internacional, Human Rights Watch e outras organizações não-governamentais semelhantes, pedindo o pagamento de indenizações às famílias daqueles que morreram durante a construção de infraestrutura no Catar e alertando de problemas, mas a julgar por suas publicações, por enquanto falhou.

Mas Infantino e a Fifa enviaram recentemente uma carta aos participantes pedindo-lhes que se concentrassem no futebol e não se envolvessem com os problemas políticos e outros que atualmente assolam o mundo.

Brasil, Argentina ou França?

Muitos especialistas em futebol, torcedores e apostadores acreditam que chegou a hora de uma comemoração sul-americana, a primeira desde 2002, quando esperava Brasil. Em termos de nome e qualidade, todas as posições de jogo estão bem cobertas e, como nas duas últimas Copas do Mundo, tudo gira em torno da primeira estrela, Neymar.

Desde sua estreia na Copa do Mundo de 2014 em casa, Neymar esteve diretamente envolvido em 42% dos gols do Brasil nas duas últimas Copas do Mundo. Ao mesmo tempo, ele também pode ultrapassar o lendário Pelé no Catar em número de gols pelo Brasil, ele somou 75 em 121 jogos até agora – dois a menos que Pelé.

Notícias relacionadas
Dez jogos do Qatar 2022 a não perder na preparação

Duas das grandes estrelas restantes, que pertencem ao topo dos favoritos com suas seleções nacionais, também são francesas Kylian Mbappé e um argentino Lionel Messi. Os dois jogam no mesmo ataque pelo campeão francês Paris Saint-Germain. A seleção francesa, recheada de jogadores de destaque, caiu do segundo para o terceiro lugar nas casas de apostas após as lesões de Pogba e Kante, enquanto os argentinos, por outro lado, subiram. Ambos estão em busca do tricampeonato, com a França defendendo a estátua de ouro, enquanto a Albiceleste não comemora desde a Copa do Mundo de 1986 e as façanhas de Diego Maradona.

Quem vai atrapalhar o trio exposto?

Os ingleses também estão em alta, que com Harry Kane e companhia vão tentar “trazer o futebol para casa” e acrescentar um asterisco ao único de 1966. Outras potências europeias estão no círculo de favoritos: Espanha, Alemanha, Holanda e Bélgica, Dinamarca avisa a si mesma, anule não vai para os últimos finalistas dos croatas e quem mais. Do resto do mundo, apenas o Uruguai está entre os 15 primeiros candidatos.

Jogadores de futebol em forma, mas times que não jogam

O momento incomum do torneio no final do ano civil pode trazer algumas surpresas. Por um lado, os jogadores de futebol estão em pleno andamento, com apenas um terço da temporada regular para trás. Quem não sofreu nenhuma lesão devido ao calendário condensado de partidas está em sua melhor forma.

Ao mesmo tempo, as seleções nacionais tiveram apenas seis dias disponíveis após o fim das obrigações dos clubes até ao início do campeonato, o que vai fazer sofrer a coordenação das escalações padrão. Os erros nos intervalos e a falta de compostura nos momentos de jogo individual trazem mais oportunidades para flashes individuais, razão pela qual muitos apreciadores esperam um futebol interessante e de qualidade ofensiva, que ficará marcado pelos melhores jogadores da atualidade.


As chances médias de o Brasil vencer a final giram em torno de 5, enquanto nas últimas duas semanas as chances da Argentina caíram para 6,5, enquanto as chances médias da França subiram para 8,5.  Seguido por Espanha (10), Inglaterra (11,5), Alemanha (13), Holanda (15), Portugal (18), Bélgica (20), Dinamarca (34), Uruguai (51) e Croácia (67) como o último com cota abaixo de 100. Foto: EPA
As chances médias de o Brasil vencer a final giram em torno de 5, enquanto nas últimas duas semanas as chances da Argentina caíram para 6,5, enquanto as chances médias da França subiram para 8,5. Seguido por Espanha (10), Inglaterra (11,5), Alemanha (13), Holanda (15), Portugal (18), Bélgica (20), Dinamarca (34), Uruguai (51) e Croácia (67) como o último com cota abaixo de 100. Foto: EPA
O programa Tisoč in en gol vai animar o WC todas as noites

Estela Costa

"Leitor freelance. Introvertido premiado. Defensor do café. Especialista incondicional em bacon. Escritor amigável."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *