Bruxelas concederia à Ucrânia o status de candidato. A Rússia acusa o Ocidente de manipulação.



Presidente da Comissão Ursula von der Leyen. Foto: EPA

Comissão Europeia aos Estados-Membros “recomenda que seja dada à Ucrânia uma perspectiva europeia e, em segundo lugar, que seja concedido à Ucrânia o estatuto de candidato”disse o presidente da comissão. “A Ucrânia demonstrou claramente seu desejo e compromisso de viver de acordo com os valores e padrões europeus. A Ucrânia já estava no caminho da União Europeia antes da guerra.”

Ela passou a apresentar as conquistas da Ucrânia até agora, ao mesmo tempo em que chamou a atenção para áreas em que o país ainda precisa de reformas, inclusive no campo da justiça, e também deve fortalecer os esforços para erradicar a corrupção generalizada e conter a influência dos oligarcas.

“Muito foi alcançado, mas ainda há um trabalho importante”, ela explicou, acrescentando que já havia discutido isso com o presidente ucraniano Volodymyr Zelenskiy e membros do governo ucraniano. “Todos sabemos que os ucranianos estão prontos para morrer pela perspectiva europeia. Queremos que eles vivam conosco pelo sonho europeu”, afirmou. enfatizou o presidente.

Moscou reagiu criticamente à recomendação de conceder o status de candidato à Ucrânia. Como disse a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia Maria Zakharovao Ocidente há muito vem manipulando o desejo da Ucrânia de ingressar na União Européia.


Foto: BoBo/Klara Bokan
Foto: BoBo/Klara Bokan

Em uma conversa com jornalistas, Zakharova expressou sua crença de que a Ucrânia é vítima de manipulação do Ocidente, porque apesar das promessas, está em um estado cada vez pior. “Por alguma razão, ele não está tendo nenhum tipo de futuro brilhante, mesmo que as promessas estejam ficando mais doces e atraentes”, disse. Zakharova disse sobre a Ucrânia. “Por que isso está acontecendo? Provavelmente é porque é uma mensagem absolutamente falsa que não tem nada a ver com a prática.”

Membros divididos sobre a Ucrânia

A posição da comissão será discutida pelos líderes dos 27 estados membros da UE, que devem decidir sobre ela na próxima quinta e sexta-feira em uma reunião em Bruxelas. Não há, de outra forma, uma posição unificada entre os membros sobre esta questão.

Diz-se que a Dinamarca e Portugal são os mais relutantes. Enquanto isso, outros governos apoiam a concessão do status de candidato à adesão à UE à Ucrânia, com alguns pedindo que sejam estabelecidas condições. Os membros orientais estão do lado que apoiam fortemente a concessão desse status à Ucrânia.

Primeiro-ministro esloveno Robert Dove na reunião de quinta-feira com Ursula von der Leyen, em nome da Eslovénia, manifestou apoio claro para a Ucrânia receber o estatuto de candidato à adesão à UE.

Von der Leyen disse sim depois de encontrar Zelenskiy em Kiev no início deste mês “A UE quer apoiar a Ucrânia no seu caminho europeu”e Zelensky disse que a adesão da Ucrânia à UE seria um símbolo da unidade europeia.

Proposta de estatuto de candidato também para a Moldávia

A Comissão propôs que o estatuto de candidato à adesão à UE fosse também concedido à Moldávia. Ainda sobre esta ex-república soviética, o presidente fez um balanço do que foi alcançado. A Moldávia está nos últimos anos “deu um passo decisivo para as reformas com um mandato claro dos seus cidadãos” e é “no caminho certo de reforma, anticorrupção e europeu”Mas isso é “A Moldávia ainda tem um longo caminho a percorrer”ela avisou.

Maior reticência sobre a Geórgia

Em relação à Geórgia, a comissão foi mais contida. Ela recomendou que fosse atribuído a ela “Perspectiva Europeia”, o que pode levar a uma candidatura à adesão se implementar mais reformas. A Geórgia deve agora se unir politicamente para criar um caminho claro para as reformas estruturais e para a UE, explicou.

Nunca antes foi dado um parecer sobre a concessão da candidatura à adesão à UE em tão pouco tempo. Os três países do Leste Europeu solicitaram a adesão logo após o início da invasão russa da Ucrânia no final de fevereiro.

Todos os três fazem parte da Parceria Oriental da UE, que desde 2009 vem proporcionando uma unificação política e integração econômica mais intensa com os seis países parceiros da Europa Oriental e do Sul do Cáucaso. Eles também têm acordos de associação e de livre comércio com a UE.

A Comissão Europeia propõe que seja concedido à Ucrânia o estatuto de candidato

Egídio Pascoal

"Estudante. Especialista em web. Guru da música. Especialista em bacon. Criador. Organizador. Típico viciado em viagens. Estudioso de café. Explorador."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.