Custos trabalhistas aumentaram quase 8% no ano passado

Foto: documentação de Dnevnik

O aumento de quase 8% no custo médio mensal de mão de obra por funcionário no ano passado é seguido por um crescimento de 5% em 2020. Os custos médios de mão de obra têm aumentado constantemente desde o início da série temporal de dados em 2008. A exceção foi 2013, com uma queda mínima.

Os custos laborais incluem salários, férias e outros benefícios e subsídios recebidos pelos empregados, bem como impostos e contribuições sociais sobre pagamentos a empregados e alguns outros custos relacionados com os empregados. A maior parte destes custos é coberta pelos benefícios das pessoas ocupadas, ou seja, representaram 87,1 por cento no ano passado.

Os maiores custos médios mensais com mão de obra por empregado foram no setor de fornecimento de eletricidade, gás e vapor, onde atingiram 3.965 euros. Seguiram-se as atividades financeiras e de seguros (3.788 euros) e as atividades de informação e comunicação (3.705 euros). Por outro lado, foram os mais baixos na restauração (1.716 euros), seguindo-se outras atividades (1.949 euros) e outras atividades empresariais diversas (1.958 euros).

Os custos laborais na UE são os mais elevados na Dinamarca e os mais baixos na Bulgária

De acordo com a metodologia do serviço estatístico europeu Eurostat, que recolhe dados para entidades empresariais com mais de nove trabalhadores para todas as áreas de atividade, exceto agricultura e caça, silvicultura, pescas, administração pública e defesa e segurança social obrigatória, os custos médios do trabalho para o trabalho real realizado foram horárias, as mais elevadas na Dinamarca (46,90 euros), Luxemburgo (43 euros) e Bélgica (41,60 euros), e as mais baixas na Bulgária (7 euros) e Roménia (8,50 euros).

A média para toda a UE foi de 29,10 euros e para a Eslovénia 21,10 euros. Na Eslovénia, os custos laborais foram muito mais elevados do que nos estados membros da Europa Central e Oriental, onde a República Checa liderava com 15,30 euros. O nosso país foi assim incluído no grupo dos membros mediterrânicos e com 21,10 euros por hora, ultrapassou Portugal (16 euros), Grécia (17,20 euros), Malta (17,30 euros) e Chipre (18,30 euros). A Espanha ficou ligeiramente à frente da Eslovénia com 22,90 euros, enquanto a Itália ficou mais distante com 29,30 euros.


Renata Saldanha

"Viciado em álcool incondicional. Solucionador de problemas ao longo da vida. Especialista em bacon. Defensor de viagens. Praticante de TV orgulhoso. Explorador freelance. Leitor amador."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *