Denis Malačič: Derrotou o câncer e embarcou em um novo empreendimento

Jornalista de TV popular Denis Malačič ele tem uma longa batalha contra uma doença implacável. A experiência de um longo tratamento em uma clínica de oncologia o levou a ter uma visão diferente da vida. Quatro meses depois de derrotar o insidioso tumor, ele partiu para o Caminho Espanhol de Santiago. Ele também compartilhou suas experiências e pensamentos conosco.

Denis percorreu a rota de peregrinação duas vezes. FOTO: Arquivo pessoal

Atrás de você está a mundialmente famosa rota de peregrinação El Camino, na qual você embarcou pela segunda vez. Por que a primeira vez e por que de novo?

“Fiz o Caminho pela primeira vez quatro meses depois de terminar o tratamento para o cancro testicular. Escolhi a rota portuguesa, que vai do Porto, Portugal a Santiago de Compostela, Espanha e daí até ao cabo no “final de o mundo”, Finisterre. Vivi a viagem com tanta emoção que chorava todos os dias por tudo o que estava a processar e a viver. Depois de oito meses de baixa por doença, que me tiraram do meu ritmo diário, simplesmente precisava desta aventura de vida, e Agradeço todos os 400 quilômetros percorridos, que me firmaram ainda mais e me confirmaram o que é realmente importante na vida. Pensei em voltar para El Camino logo após o término do primeiro percurso. Tinha planejado voltar um ano depois em uma rota francesa mais longa, que também é a mais famosa e cantada, mas foi atingida pela pandemia. Então passei o verão seguinte superando a bela e nova Juliana Trail, um circuito de 270 quilômetros pelos Alpes Julianos, e este agosto eu finalmente voou para a França e de lá parti para uma viagem de 1.100 quilômetros, que terminei cinco semanas depois de iniciar a peregrinação. Uma aventura de vida inesquecível, que, honestamente, ainda não percebo totalmente que realmente consegui.”

A bela natureza assume com sua beleza.  FOTO: Arquivo pessoal

A bela natureza assume com sua beleza. FOTO: Arquivo pessoal

Sofrer de tal doença, combatê-la e eventualmente vencer deixa consequências ou. isso marca você de alguma forma. Como isto afetou você?

Eu nunca na minha vida senti que poderia ter câncer, o que tornou ainda mais chocante quando aconteceu aos meus trinta anos. Simplesmente não há resposta para o motivo pelo qual o câncer testicular ocorre; ele pode ser causado por uma ampla variedade de causas. Quando olho para trás hoje, entendo que trouxe a doença para mim. No período pré-diagnóstico, eu estava perdida, vagando sonhadoramente imaginando o que eu precisava mudar para sair do turbilhão de melancolia e insatisfação. Eu não esperava que isso me parasse tão concretamente. Tudo o que me era familiar se despediu em um instante, e os rostos que eu encontrava diariamente foram substituídos por outros novos e desconhecidos. Eu resisti a essa minha nova realidade por um tempo, mas no final, mais cedo ou mais tarde, ela te destrói a ponto de você simplesmente ceder ao destino e dizer a si mesmo que tudo acontece por uma razão e que tudo é exatamente como deveria ser. . Quando isso acontece, o processo de cura ocorre com mais facilidade, porque você não resiste mais, mas tenta fazer o possível para que esse período desagradável da vida termine com sucesso o mais rápido possível. Levei oito meses, foi a licença médica mais longa da minha vida, e o interessante é que – desde que voltei a trabalhar – não passei um único dia de licença médica. Como a doença me afetou? Então hoje estou bem mais tranquila do que no período anterior ao diagnóstico. Se antes eu tinha que estar cercado de todo tipo de gente o tempo todo, porque simplesmente não sabia ficar sozinho, hoje, depois de um dia inteiro de trabalho, prefiro ficar sozinho à noite, porque estou exausto de tudo o que acontece durante o dia, e à noite eu simplesmente preciso de paz e tempo, que posso dedicar a mim mesmo. Aprendi que é melhor estar sozinho do que na companhia de pessoas que só drenam sua energia ainda mais, em vez de preenchê-lo com ela, como eu mesmo tento transmitir aos outros.”

O descanso veio a calhar em todos os lugares.  FOTO: Arquivo pessoal

O descanso veio a calhar em todos os lugares. FOTO: Arquivo pessoal

Uma rota de peregrinação percorrida duas vezes traz muitos eventos, impressões, lugares maravilhosos e muitas outras coisas. Você vai escrever tudo isso em algum lugar?

“Depois de percorrer dois Caminhos, sou definitivamente da opinião de que um peregrino não pode ser totalmente compreendido por quem nunca embarcou numa aventura de caminhada mais longa. é a única bagagem que você carrega ao longo do dia, e no intervalo você supera dezenas de quilômetros, muita coisa acontece. De encontros que você nunca pensou que aconteceriam, descobrindo belos recantos na natureza que simplesmente o encantam com sua beleza, experimentando locais e também mundiais cozinha, porque à noite costumas cozinhar com peregrinos que vêm de todos os cantos da terra, até aos vários desafios com que se serve o teu caminho. Entre os 400 e os 1.100 quilómetros percorri os dois El Caminos, quase tudo o que era possível aconteceu: das bolhas que são um mal necessário dessas aventuras, às subidas que quase tiram o fôlego, aos incontáveis ​​momentos inesquecíveis de risos, choros, lágrimas de felicidade e tristeza t o todas as outras ampla gama de emoções. Uma pessoa em uma jornada tão longa, quando está sozinha ou na companhia de outros caminhantes, simplesmente pondera sobre os vários eventos da vida que aconteceram com ela e, assim, também se purifica de tudo o que se acumulou nela ao longo de semanas, meses e anos.

Eu certamente poderia escrever um livro sobre tudo, talvez até dois, e como estava constantemente postando minhas anotações e experiências da jornada nas redes sociais, recebi muitas mensagens de incentivo para começar outro livro. Escrever para mim é uma terapia, posso até dizer que é uma espécie de tratamento, comecei quando estava me recuperando de um câncer. Após o término do tratamento, escrevi colunas para uma das revistas eslovenas por dois anos e, com o que escrevi, consegui tal repercussão que as leitoras me contataram por meio de cartas manuscritas. Achei que ninguém mais no século 21 fosse capaz de escrever uma carta manuscrita para alguém que nem conhecesse em resposta às palavras escritas pelo colunista. Com certeza o mais belo elogio e homenagem a todos que tentam atingir os leitores com palavras. Tenho certeza de que escrever um livro requer muita maturidade e, salvo algum bloqueio de escritor ou desvio inesperado, acredito que meu livro será publicado no ano que vem, quando eu fizer 35 anos. o primeiro troço português do Caminho, dois anos depois de ter dado os meus últimos passos no Trilho Juliana e um ano depois de ter percorrido a maior aventura da minha vida até agora, 1100 quilómetros do Caminho Francês. Para todos vocês que estão esperando ansiosamente que o livro seja escrito, posso lançá-lo como ‘Following’.”

160 km antes da linha de chegada.  FOTO: Arquivo pessoal

160 km antes da linha de chegada. FOTO: Arquivo pessoal

Renata Saldanha

"Viciado em álcool incondicional. Solucionador de problemas ao longo da vida. Especialista em bacon. Defensor de viagens. Praticante de TV orgulhoso. Explorador freelance. Leitor amador."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *