Inspetores de Marinblu encontraram deficiências higiênicas e técnicas

Depois que o Conselho Consultivo dos Trabalhadores, com a ajuda da mídia, chamou a atenção para graves violações dos direitos dos trabalhadores nas empresas Marinblu e Selea de Kozine, e a inspeção do trabalho já havia identificado irregularidades, a Food Safety Administration também realizou uma ação extraordinária inspeção em Marinblu. Entre outras coisas, ela encontrou deficiências higiênicas e técnicas na fábrica.

Nas instalações da empresa Marinblu, que, segundo o site, é “fornecedor de uma vasta gama de peixe vivo, fresco, descongelado, congelado e embalado, mariscos, sapateiras, lulas, polvos, chocos, algas e outros produtos de charcutaria , marinhas e de água doce”, A Administração para Alimentos Seguros, Medicina Veterinária e Proteção de Plantas realizou uma inspeção extraordinária em 9 de junho.

Durante a fiscalização, representantes da administração constataram deficiências higiênicas e técnicas na usina. Entre outras coisas, não foram cumpridos os requisitos relativos à adequação dos vestiários, foram encontradas deficiências quanto à manutenção das instalações e à higiene dos quartos. Eles também encontraram uma deficiência ou implementação inadequada dos procedimentos de controle de pragas e irregularidades na manutenção de registros, explicou a Autoridade de Segurança Alimentar. Acrescentaram que as instalações e equipamentos já haviam sido limpos durante a inspeção. “A fim de eliminar outras irregularidades, o veterinário oficial emitirá uma decisão regulamentar”, explicou a Administração de Segurança Alimentar, Medicina Veterinária e Proteção Vegetal em resposta por escrito.

Na semana passada, com a ajuda da mídia, a consultoria trabalhista revelou graves violações dos direitos dos trabalhadores nas empresas Marinblu e Selea de Kozine, pertencentes à família do ex-secretário de Estado Boris Šuštar. Os responsáveis ​​nas empresas negaram as violações.

Na quinta-feira, 9 de junho, as duas empresas foram submetidas a diversas fiscalizações. Fiscais da área de relações de trabalho e saúde e segurança ocupacional já constataram que o intermediário estrangeiro com quem trabalham não está inscrito no cadastro de corretores de mão de obra, por isso foram proibidos de trabalhar com esses trabalhadores. As duas empresas também foram proibidas de trabalhar em algumas máquinas até que os certificados de segurança relevantes fossem obtidos.

Furs e a polícia também verificaram a situação nas empresas. FOTO: arquivo pessoal

Todos os procedimentos realizados pela Inspeção do Trabalho da República da Eslovênia ainda não foram concluídos, explicou o Inspetor-Chefe do Trabalho nesta quarta-feira Jadranka Grlić. Entre outras coisas, no quadro da cooperação internacional relativa à prestação de trabalho por estrangeiros, a inspecção enviou um inquérito a outras autoridades competentes do país de origem, cujas respostas ainda se aguardam. Na sua resposta escrita, Grlić também apontou que a inspeção do trabalho já havia realizado várias inspeções em ambas as empresas no passado e já havia tomado providências devido às irregularidades identificadas.

Entre outras coisas, nos últimos três anos, a empresa Selea foi proferida uma decisão de contra-ordenação com repreensão à pessoa jurídica e ao responsável pelo não pagamento das férias no prazo legal. A inspecção emitiu ainda uma decisão administrativa à empresa relativa à manutenção de registos de horas de trabalho, pausas e períodos de descanso, e sobre medidas para proteger os trabalhadores de assédio sexual e outros ou maus tratos no local de trabalho. Proferiu ainda uma decisão administrativa à empresa relativa ao pagamento do subsídio de antiguidade.

Nos últimos três anos, a inspecção do trabalho emitiu uma decisão administrativa à empresa Marinbl, obrigando-a a manter registos de horas de trabalho, pausas e períodos de descanso. .

A situação nas empresas também foi verificada pela Furs e pela polícia, e o Conselho dos Trabalhadores entrou com uma denúncia criminal contra as duas empresas no Ministério Público de Koper há alguns dias. “Reino total do terror através da videovigilância. As câmeras monitoram você, não há tempo livre, interferem na sua vida privada com ligações constantes, esses trabalhadores estão fisicamente, psicologicamente, financeiramente, emocionalmente completamente exaustos”, alertou, entre outras coisas Goran Lukič da Consultoria Operária.

Victória Ramos

"Entusiasta de comida irritantemente humilde. Nerd incurável de café. Especialista em mídia social."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *