Janša não, Putin sim Jornal 24

Sobre os direitos inalienáveis ​​de todas as pessoas.

Em 6 de janeiro de 1941, quando a Europa já estava nas garras da Segunda Guerra Mundial, o presidente dos então neutros Estados Unidos da América Franklin Delano Roosevelt Em seu discurso anual ao Congresso, ele definiu quatro liberdades que todas as pessoas na terra deveriam desfrutar.

Enquanto ditadores fascistas e outros regimes totalitários controlavam cada vez mais o mundo, era teoricamente necessário estabelecer o outro polo. Por que lutamos contra o fascismo e o totalitarismo, por que defendemos a democracia? As respostas a essas perguntas não eram evidentes na época. Após a bem-sucedida invasão da França pelo Terceiro Reich, o jornal português O Comércio do Porto publicou a manchete “A guerra é má publicidade para a democracia”. O então ditador português Antónia de Oliveira Salazar cultivaram abertamente relações amistosas com Francisco Franco, Adolf Hitler e Benito Mussolini.

E como Roosevelt traçou a linha ideológica? Liberdade de expressão, liberdade de religião, ausência de desejo (material), ausência de medo (perseguição política e militar). Era isso. Quatro liberdades amplamente definidas que se tornaram a base da Carta do Atlântico e das Nações Unidas. O discurso estabeleceu as diretrizes para o desenvolvimento social do Ocidente no plano político. Muitas vezes nos desviamos dessas diretrizes, os direitos foram muitas vezes violados, mas a direção geral permaneceu.

Os eslovenos expressaram repetidamente em que tipo de país queremos viver. No início dos anos noventa, nos tornamos senhores de nossa própria terra e nos voltamos para o Ocidente. Conseguimos isso em 2004 com o apoio maciço da entrada na UE. Naquela época, quando adolescente, votei para me filiar ao sindicato. Eu votaria o mesmo hoje. Porque a UE, embora longe de ser uma união perfeita, é a herdeira dos valores listados.




Épico

Cada vez mais ouço críticas duras ao funcionamento da UE. Tanto por políticos quanto por mortais comuns. As pessoas chamam a atenção para as irregularidades e os erros, que obviamente são muitos: nos domínios administrativo, cultural e económico. Como poderia ser diferente em uma enxurrada de diferentes países e culturas? Mas as vantagens da UE superam, pelo menos para mim. A Europa Unida abre muitas oportunidades educacionais, de carreira, de negócios e outras.

Nos séculos passados, o velho continente foi marcado por guerras entre as maiores potências. Os franceses, ingleses, espanhóis, alemães (em vários países de língua alemã) e outros estavam frequentemente no cabelo um do outro. As razões para a guerra eram políticas, econômicas ou religiosas, mas os motivos eram quase sempre os mesmos – tratava-se de dinheiro e poder. Não houve guerras desde que os países se sentaram à mesa comum, onde milhões e bilhões de dólares em negócios são concluídos. Se alguém pensa que o estado de paz de quase 80 anos entre as maiores nações da Europa é normal, eles não estão familiarizados com a história. Claro que muitas vezes o homenzinho sofre ao fazer os negócios mencionados, mas sofreu ainda mais na luta constante pela supremacia, marcada por conflitos armados e as consequentes fomes e epidemias.

E agora esta infeliz Ucrânia. Este último quer ir para o Ocidente. O país, manchado pela corrupção energética e pelos golpes dos últimos trinta anos, quer novas perspectivas para sua juventude. Ao fazê-lo, colidiu com os interesses da Rússia, que inclui a Ucrânia e a Bielorrússia no seu círculo de influência e rejeita veementemente qualquer reaproximação com a Europa e a NATO. Lembre-se da Geórgia…

Em termos de realpolitik, os russos não estão fazendo nada que as superpotências ocidentais não tenham feito. Exceto que estes últimos “percorreram” o Oriente Médio, a Ásia Central ou o Norte da África e ali fizeram valer seus interesses. E na época, muitos cidadãos europeus comuns (e alguns políticos) o condenaram. Correto na minha opinião. Brincar com a vida das pessoas dos países mais fracos pelo acesso ao petróleo barato ou uma posição estratégica favorável é um ato de desperdício. É o mesmo com a invasão russa da Ucrânia.

Vladimir Putin |  Autor: Epa


Épico

E depois há caráter e trabalho Vladimir Putin. Diz-se que o ex-agente da KGB é faixa-preta em duas artes marciais, caça ursos com arco, monta um cavalo “topless”, toma banho em água gelada, dá uma bronca em diretores desobedientes de empresas públicas na televisão e marca gols contra o maiores estrelas do esporte em jogos de hóquei. Uma imagem verdadeiramente impressionante de um líder todo-poderoso e redentor.

Putin está no poder há duas décadas. Para que ele mantenha o poder, a constituição foi alterada. Os líderes da oposição estão muitas vezes atrás das grades ou operando no exterior. São intermináveis ​​as ações judiciais contra os oligarcas desviantes cuja ascensão o direito possibilitou
regime de Putin. O caso de uma mulher que vive na Ucrânia, cuja mãe que vive na Rússia não acreditava que as forças russas estivessem bombardeando um assentamento urbano, nos mostrou que a Rússia, apesar da Internet e da forte cooperação econômica com a Europa, ainda é bastante limitada em termos de mídia.

Muitos dos meus conhecidos do nosso atual primeiro-ministro Janez Janša não aguento. Eles o veem como um ditador, alguns até fascista, e a Eslovênia com ele no leme como um estado repressivo. Mas, ao mesmo tempo, muitos dos oponentes de Janš descritos têm uma visão positiva de Putin. Ceš, este é um verdadeiro líder. Diante de tais avaliações, que vêm até da boca de cientistas sociais com formação universitária, só podemos sorrir. Um pouco de perspectiva histórica não faria mal…

Talvez uma questão ainda mais urgente do que a Ucrânia do pós-guerra seja o destino da Rússia. É possível manter um país enorme, com grande área de interesse na Ásia Central e no Leste Europeu, juntos de forma “europeia”? Na Rússia, existem mais de uma centena de minorias étnicas, dezenas de religiões diferentes, um monte de áreas com tendências separatistas. Pode um país, cuja economia se baseia na exportação de produtos energéticos e onde certas pessoas se tornaram fabulosamente ricas a esse custo, ser governado por alguém que não seja Putin? A Rússia, como é hoje, pode existir sem uma figura central forte? O que aconteceria se um país com mais de 4.000 ogivas nucleares ativas em seu arsenal entrasse em colapso? E quem pode se colocar no lugar de Putin?

Vladimir Putin |  Autor: Epa


Épico

Hoje, apesar da enxurrada de informações e da multiplicidade de canais de notícias, muitas pessoas não conseguem ou não querem pensar por si mesmas. Eles precisam de vários Vladimirs, Janezes, Roberts, Alenkas, Matejes, Tanjas ou Josipes para lhes dizer como pensar. Seria melhor exigir dos políticos uma gestão eficaz e transparente do meio ambiente, dos recursos e do potencial. E que suas orientações ideológicas, desde que não sejam xenófobas ou discriminatórias, sejam ao menos deixadas de lado.

Não quero viver em um país onde o poder político está concentrado em um indivíduo arbitrário que se agarra ao poder como um bêbado. Onde os jornalistas que não são a favor do presidente e dos oligarcas desaparecem, eles se tornam vítimas de envenenamento ou acidentes de trânsito suspeitos. Onde a atividade da oposição está paralisada, onde o presidente manda seus capangas para os confrontos pré-eleitorais (Putin não participa dos confrontos, ele está “acima” da política cotidiana), onde a grande maioria da riqueza, ainda mais do que é o caso aqui, está nas mãos de um punhado de pessoas influentes. Não quero viver em um país onde o líder político tenha o status de semideus e onde sua vontade seja a medida de tudo. Não quero viver em um país que restringe a liberdade de expressão.

Eu não quero ficar esperto. Os russos devem ter seus próprios líderes de que gostem. O maior país do mundo nunca foi democrático. E por minha causa, ela nunca precisa ser também. Não sou a favor da “importação da democracia” como encenada pelos americanos e seus aliados no Iraque, Afeganistão ou Líbia. O povo da Rússia deve decidir sobre o governo da Rússia. O governo na Ucrânia deve ser decidido pelas pessoas que vivem lá. A governança nos países europeus será decidida pelos europeus. E é justo que defendamos nossos valores e nosso arranjo, nosso modo de vida. Para mim, a UE, pelo menos na estrutura do sistema de saúde e social, é muito mais amigável com seus habitantes do que a maioria dos estados dos EUA. Os sistemas diferem de país para país, é claro, mas se tomarmos a média, a vida na parte mais desenvolvida do velho continente ainda é uma vida decente para uma pessoa.

Temos um super ano eleitoral na Eslovénia. Conheça os candidatos e os programas. Expresse sua vontade. Isso não é algo para ser dado como certo.

sinal


Épico

Egídio Pascoal

"Estudante. Especialista em web. Guru da música. Especialista em bacon. Criador. Organizador. Típico viciado em viagens. Estudioso de café. Explorador."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.