Lei de Intervenção Adotada na Saúde

Na sessão especial de hoje da DZ, com 48 votos a favor e 27 votos contra, os deputados aprovaram a lei sobre medidas de emergência para garantir a estabilidade do sistema de saúde. A proposta foi apoiada pelos deputados do Svoboda e do SD, enquanto os deputados do SDS, a maioria dos deputados do NSi e um deputado de esquerda votaram contra. Miha Kordis. Outros membros da esquerda se abstiveram de votar.

A legislação de intervenção, que o governo submeteu ao procedimento parlamentar em regime de urgência, foi elaborada pelo Ministério da Saúde sob a liderança do Ministro Danijela Bešič Loredan e interfere em diversas legislações na área da saúde.

Entre outras coisas, aborda longos tempos de espera nos cuidados de saúde ou acessibilidade reduzida aos serviços de saúde. Isso também seria abordado com subsídios para maior escopo de trabalho e para condições especiais de trabalho em áreas de municípios menos desenvolvidos. O impacto financeiro da lei é estimado em mais de 200 milhões de euros.

O paciente vem em primeiro lugar

O objetivo da lei é estabilizar o sistema de saúde e fornecer tratamento médico adequado aos pacientes, explicou o secretário de Estado do Ministério da Saúde no início da reunião de hoje Tadej Osterc. O ministério quer obter um instantâneo objetivo da situação até março e colocar o paciente em primeiro lugar.

Entre as principais soluções, além de complementos no nível primário para ampliação do escopo de trabalho, a Osterc também destacou a profissionalização dos conselhos dos institutos, a obrigatoriedade da realização de auditoria interna anual nos institutos públicos de saúde, um novo escritório de controle, qualidade e investimentos em saúde e pagamento de todos os serviços de saúde realizados acima do escopo normal do programa .

Esta medida, ou seja, o pagamento por serviços prestados sem limite máximo, entrará em vigor em 1º de setembro e durará até o final do próximo ano. Em uma entrevista recente ao STA, o ministro Bešič Loredan expressou a expectativa de que, com base na lei, as filas de espera sejam reduzidas pela metade dentro de um ano. O ministro espera os primeiros dados mais realistas sobre filas até 15 de setembro.

Ao mesmo tempo, a lei transfere a competência para realizar o controle administrativo e sistêmico, qualidade e investimentos em saúde e controle de fiscalização na área de listas de espera ou períodos de espera para o Gabinete de Controle, Qualidade e Investimentos em Saúde. O governo nomeou o diretor interino do escritório Aleš Šabedrao ex-ministro da Saúde.

O ministério quer obter um instantâneo objetivo da situação até março e colocar o paciente em primeiro lugar. FOTO: Blaž Samec

Mais críticas às medidas propostas

No debate dos deputados foram ouvidas diversas críticas às medidas propostas. Membro do Parlamento da Esquerda Natasa Sukič por exemplo, ela destacou que a lei de intervenção não segue os compromissos do acordo de coalizão para proteger e fortalecer a saúde pública. No parceiro de coalizão, eles criticam o fato de a lei de intervenção alocar recursos para serviços prestados adicionalmente a concessionárias além de instituições públicas de saúde.

A princípio, anunciaram que se oporiam à aprovação da lei, mas depois apenas Kordiš votou contra, e os demais membros da esquerda se abstiveram de votar, assim como o deputado Meira Quente (SD) e NSi MP Vida Čadonič Špelič e Janez Cigler Kralj.

Membro do SDS Carmen Furman no entanto, criticou as mudanças propostas nos conselhos das instituições públicas de saúde. A DZ abordou as preocupações ao adoptar uma emenda para acrescentar a possibilidade de nomear um representante da comunidade local, ou seja, o município em que a instituição de saúde está sediada, à composição dos conselhos das instituições de saúde, cujo fundador é o estado.

Emendas com esse conteúdo foram submetidas ao SD e Svoboda, bem como ao NSi, mas como o DZ votou primeiro e também votou a emenda das fileiras da coalizão, os deputados não votaram na proposta de emenda do NSi.

Ao mesmo tempo, a DZ rejeitou as alterações propostas na SDS, que, entre outras coisas, diziam respeito à decisão sobre a prorrogação das concessões. A FDS propunha ainda, com um complemento, possibilitar a utilização das faltas ao trabalho por doença sem atestado de falta justificada, que de outra forma é emitido pelo médico pessoal escolhido, até três dias consecutivos de cada vez, ou seja, não mais de uma vez em um ano civil individual. Mas os deputados não votaram a proposta complementar, pois, como se pode verificar no site do Parlamento, a mesma não foi apresentada correctamente.

Paulino Leitão

"Especialista em cerveja. Leitor orgulhoso. Especialista em comida profissional. Praticante de zumbis. Explorador."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *