Na Eslovênia, uma em cada seis crianças de 11 anos consome bebidas energéticas



Mare Koren



20 de março de 2023, 11h39

Atualizado: 20 de março de 2023, 11h39

Esta semana, a União dos Consumidores da Eslovênia (ZPS), juntamente com o Ministério da Saúde, profissionais da saúde, nutrição e esportes, em cooperação com organizações não governamentais que lidam com a saúde dos jovens, alertam que as bebidas energéticas não são adequadas para crianças e adolescentes.

A maioria deles é embriagada por jovens. É preocupante que algumas pessoas tenham acesso a eles mesmo na geladeira de casa e que os bebam com o conhecimento dos pais.

A pesquisa do National Institute of Public Health’s Health Behavior at School (HBSC, 2018) descobriu que mais de um terço dos adolescentes bebem bebidas energéticas, incluindo um em cada seis adolescentes de 11 anos e um em cada dois de 15 anos. Segundo estimativas, um jovem esloveno bebe em média 2,5 litros de energéticos por mês, o que coloca a Eslovênia na média europeia, mas o limite de idade para o consumo de energéticos está diminuindo. Uma pesquisa da União de Consumidores da Eslovênia (2021) entre crianças do ensino fundamental em Ljubljana mostrou que até seus pais oferecem bebidas energéticas, pensando que é apenas uma das bebidas não alcoólicas.

Cafeína, açúcar e muito mais

dr. Urška Blaznik do Instituto Nacional de Saúde Pública, portanto, explica que as bebidas energéticas não são refrigerantes comuns: “Eles contêm principalmente cafeína e outros estimulantes, maior proporção de açúcar ou adoçantes, além de corantes e aromas. Algumas dessas substâncias também são encontradas em alimentos comuns, mas em quantidades e doses muito menores do que um indivíduo consome com bebidas energéticas. Devido ao seu menor peso corporal, os efeitos colaterais ocorrem mais rapidamente e com mais intensidade em crianças e adolescentes do que em adultos. Não há dados suficientes disponíveis para determinar a ingestão segura de cafeína para crianças e adolescentes, portanto, o uso de bebidas energéticas para eles é completamente desanimado.”

“Como a cafeína, que é um componente importante dessas bebidas, é bastante amarga, os energéticos costumam conter grandes quantidades de açúcar, o que os torna um produto com alto teor de açúcar. Com uma lata de energético (500 ml) consumida, até a 55 g de açúcar ou 11 sacos (5 g) de açúcar são introduzidos no corpo”, adverte prof. dr. Igor Pravst com o Instituto de Nutrição, onde se dedicam à pesquisa e educação na área de nutrição.

Perigoso para a saúde

“Não há nenhuma boa razão para crianças e jovens beberem bebidas energéticas. É hora de que a informação sobre isso chegue a eles e a seus pais.” Dr. continua. Recepção Marjeta do Ministério da Saúde, que quer que esta mensagem chegue tanto às crianças como aos pais, e acrescenta: “Faz sentido falar com as crianças sobre bebidas energéticas desde muito cedo. A cafeína contida nestas bebidas só tem efeitos negativos para a saúde, tanto a curto como a longo prazo, principalmente porque está presente em concentrações mais elevadas”, acrescentou. está claro.

Paulino Leitão

"Especialista em cerveja. Leitor orgulhoso. Especialista em comida profissional. Praticante de zumbis. Explorador."

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *