Nádegas femininas arredondadas e curvas exuberantes são a inspiração da nova coleção Lara Bohinc



A poltrona Derriere é ligeiramente mais baixa e coberta de rosa acinzentado. Sua inspiração foram as curvas femininas. Foto: Estúdio Bohinc

Se foi a inspiração da coleção do ano passado Chá da tarde o isolamento provocado pela epidemia e a celebração do toque humano e da proximidade (assim como os doces vícios) é Lara Bohinc liderou sua nova coleção na direção de celebrar o corpo feminino.

Volumes e proporções exagerados são o que ela estudou.

Brincando com a composição das curvas exuberantes do corpo feminino, padronizadas ou prototipadas, se preferir, por Kim Kardashian nas redes sociais, ou aquela carnalidade primordial como sinal sexual secundário de atratividade suprema que a humanidade celebrou desde a Vênus de Willendorf , se não antes.

Peças monumentais da nova coleção Pêssegosque dão um toque do antigo glamour de Hollywood, com sua elegância e seleção de cores e tecidos, atraíram muita atenção tanto dos visitantes quanto da mídia mundial, que viu os trabalhos de designers industriais de classe mundial nas instalações abandonadas do quartel de Alcova Em milão.

A problematização do papel social da mulher foi esclarecida já em 1969 pelo arquiteto italiano Gaetano Pesce com um encosto listrado em forma de corpo de mulher e uma otomana amarrada como parábola do baile da prisão, como parábola de seu aprisionamento.


Pufe Peachy e poltrona Big Girl.  Foto: Estúdio Bohinc
Pufe Peachy e poltrona Big Girl. Foto: Estúdio Bohinc

Poltrona UP5 ou Big Mom era uma espécie de sinônimo para a mãe italiana carinhosa, que cozinha o dia todo no fogão e cuida da casa, e que é ao mesmo tempo um porto seguro de abraços amorosos para cada criança (que às vezes leva um tapa). Mas ela era apenas isso e nada mais.

Hoje, a peça icônica do design industrial aponta para essa percepção unilateral da mulher, para sua falta de perspectiva e, por último, mas não menos importante, para a posição desigual da mulher “no mundo de um homem”. Em um mundo onde uma mulher era vista, experimentada e vivenciada apenas através de sua aparência física.

O objeto não deve ser um fim em si mesmo.” era a visão de Pesce”,não é suficiente apenas projetar algo macio que as pessoas vão sentar“. Um belo design também deve ter uma ideia, era sua mensagem, que deve se comunicar com o público de maneira sutil, mas tanto no nível ideológico quanto no emocional.

E é isso que Lara Bohinc parece ter feito – entronizar o corpo feminino, que pode ser oprimido, pode ser exagerado, ou simplesmente – é.

Vamos apenas relembrar os influenciadores, músicos e estrelas mundiais que constroem suas carreiras a partir da banalização do próprio corpo, um corpo que também pode ser desfigurado com curvas exageradas artificialmente moldadas – mas não deixa de ser um corpo de mulher. O corpo de uma mulher (no mundo de um homem) para mulheres que querem ser emancipadas (e talvez mostrar que não são).

E mesmo que essa não fosse a intenção de Lara Bohinc, o tema é quente e importante o suficiente, que ela é uma designer britânica recebeu muita atenção da mídia em Milão. Entre outras coisas, um repórter do Wall Street Journal perguntou se ela se atreveria a projetar algo semelhante se fosse um homem.

Uma coleção Pêssegos formando assim uma poltrona menor Derriere (ou bunda, que definitivamente soa mais chique em francês), vestida de rosa pastel.


Lara Bohinc quis enfatizar as partes do corpo feminino que são um pouco mais voluptuosas.  Foto: Estúdio Bohinc
Lara Bohinc quis enfatizar as partes do corpo feminino que são um pouco mais voluptuosas. Foto: Estúdio Bohinc

Rosa como a cor da pele, cor do corpo“, explicou-nos o designer em Milão. E uma grande poltrona Garota Grande (Big Girl) com construção em aço e madeira, revestida em espuma e tecido de lã vermelha.

Vermelho é minha cor favorita“, continua Lara, “e achei adequado para esta poltrona, já que estamos falando das curvas e sensualidade do corpo feminino“. A coleção também tem um pufe menor Pêssegocomo o design é muito divertido e sexy, eu queria que os próprios nomes refletissem esse aspecto do design,” ele diz.

Desta vez, toda a coleção é produzida no Reino Unido e não em Portugal, como a anterior, com a qual a designer quis também realçar a importância da redução da pegada de carbono.


Vaso de porcelana Baby Chicken.  Foto: Estúdio Bohinc
Vaso de porcelana Baby Chicken. Foto: Estúdio Bohinc

Desta vez – alguns chamaram de coleção extremamente lúdica – Lara Bohinc também acrescentou uma linha de vasos de porcelana.na cor do sorvete“, como ela mesma brinca.

Um vaso pintinho (frango) e Bubu (no mundo anglo-saxão um diminutivo para Querido, meu amor), cuja inspiração ela buscou nas sementes das plantas, estão vestidas nas cores cinza morango, roxo, pistache e baunilha. Com eles, ela certamente continua sua paixão pela geometria e arte, como já estávamos acostumados com suas coleções de joias e acessórios de moda.

E, claro, o que Lara disse ao Wall Street Journal? “tenho sorte de ser mulher.”

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.