Não haverá Ministério para um Futuro Solidário

O Ministério por um Futuro Solidário planejado pelo governo Robert Golobele não vai, ele revelou em uma entrevista para o STA Porto Lua e acrescentou que continuará Ministro do Trabalho, Família, Assuntos Sociais e Igualdade de Oportunidades. As áreas de política habitacional, cuidados continuados e democracia económica serão transferidas para este departamento, anunciou.

Não haverá novo ministério “independente do resultado de um eventual referendo”, enfatizou o ministro e coordenador da Esquerda, Mesec. “Foi o que decidi sozinho e já comuniquei ao primeiro-ministro”, explicou.

O Ministério para um Futuro Solidário está previsto na Lei do Governo alterada, que introduz três novos ministérios, para além dos já referidos, o Ministério do Ensino Superior, Ciência e Inovação e Clima e Energia. A lei ainda não foi implementada porque se espera um referendo legislativo sobre ela. Assinaturas para a convocação do referendo são coletadas em SDS e separadamente por um ativista Vili Kovačič.

Segundo Meščev, faria sentido criar o Ministério para um Futuro Solidário no início do mandato, mas depois de todo esse tempo, ele não vê mais sentido nisso. Caso contrário, a nova alteração exigirá uma nova emenda à Lei do Governo.

No entanto, irão alargar o atual Ministério do Trabalho, Família, Assuntos Sociais e Igualdade de Oportunidades com novos conteúdos, de modo a que este também vigie a política habitacional, a assistência de longa duração e a democracia económica no seu conjunto, ou seja, todas as áreas que de outra forma seriam ser coberto pelo novo ministério.

Simon Maljevacque deveria assumir o Ministério do Trabalho de acordo com o plano original, permanecerá como Secretário de Estado.

Brás Monteiro

"Fanático de TV ao longo da vida. Aficionado de internet irritantemente humilde. Analista. Introvertido dedicado."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *