No debate, os eurodeputados apelaram à admissão da Croácia em Schengen

A adesão da Croácia a Schengen foi também apoiada pelo deputado esloveno Matjaž Nemec (S&D/SD), que também apelou à Croácia para respeitar o direito internacional e europeu.

O eurodeputado português Rangel sublinhou que a Croácia está disposta a abolir os controlos nas fronteiras internas, uma vez que passou com sucesso na avaliação mais exaustiva para a adesão.

“Como é possível que depois de todas as avaliações que foram realizadas, todas as medidas que foram tomadas, estejamos falando sobre direitos humanos, como ainda há países no Conselho da UE que têm reservas sobre a entrada da Croácia em Schengen?” perguntou ao relator que preparou o parecer do Parlamento.

Segundo ele, não há mais razões para a Croácia não aderir a Schengen. Ele pediu aos membros do espaço Schengen que aceitem a Romênia e a Bulgária ao mesmo tempo.

Um apelo semelhante foi feito pela vice-presidente da Comissão Europeia, responsável pela promoção do modo de vida europeu, Margaritis Schinas. Em relação à Croácia, salientou que a comissão já avaliou em 2019 que estava pronta para entrar em Schengen.

Em novembro de 2020, a comissão realizou ainda uma visita a este país, no decurso da qual avaliou os requisitos relativos ao controlo da fronteira externa. “Desde então, a Croácia fez um enorme progresso e agora está pronta para entrar em Schengen”, disse Schinas.

O eurodeputado alemão da Eslovénia, que apoiou a entrada da Croácia no espaço Schengen em nome do grupo dos Socialistas e Democratas (S&D), salientou que fez o seu trabalho de casa.

No entanto, tem de lidar com uma “marca negra no respeito pelos direitos humanos na sua fronteira sul”. “Porque entrar em Schengen não isenta o país de respeitar os compromissos e as regras acordadas. Pelo contrário, a Croácia terá que demonstrar com suas ações todos os dias que respeita o direito internacional e europeu”, acrescentou.

A entrada do vizinho meridional da Eslovénia no espaço Schengen foi também saudada por dois deputados da Alemanha. Tanto Jan-Christoph Oetjen, das fileiras dos liberais, quanto Erik Marquardt, do grupo político dos Verdes, enfatizaram que sua entrada tornará ainda mais fácil controlar a possível rejeição violenta de migrantes na fronteira sul.

O eurodeputado croata Karlo Ressler, do Partido Popular Europeu (PPE), enfatizou que a Croácia “provou que é capaz de proteger suas fronteiras ou as europeias de acordo com os mais altos padrões europeus”. Por isso, é importante que o relatório, que será votado pelo Parlamento Europeu na quinta-feira, não deixe questões em aberto sobre a prontidão da Croácia.

O projeto de parecer afirma que não existem obstáculos à entrada da Croácia em Schengen e que o país cumpre todas as disposições da ordem jurídica de Schengen. Já no final de outubro, o parecer foi apoiado pela comissão competente para as liberdades civis, justiça e assuntos internos. Espera-se que o Parlamento peça ao Conselho da UE que adote uma decisão sobre a entrada da Croácia no espaço Schengen, prevista para 1º de janeiro de 2023.

A decisão final sobre a adesão da Croácia a Schengen será tomada pelos ministros dos Estados membros do espaço Schengen, responsáveis ​​pelos assuntos internos, em uma reunião em Bruxelas em 8 de dezembro. Nesta sessão, eles também decidirão sobre a adesão da Romênia e da Bulgária . Assim, todos os três países poderiam entrar em Schengen em 1º de janeiro, praticamente não há mais reservas em relação à Croácia.

Brás Monteiro

"Fanático de TV ao longo da vida. Aficionado de internet irritantemente humilde. Analista. Introvertido dedicado."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *