Os alemães não acreditavam que tal coisa fosse possível

Cenas que não estamos acostumados em estádios de futebol há muito tempo. No jogo da Liga dos Campeões em Marselha, a pirotecnia voou incontrolavelmente de uma torcida para outra, colocando em risco tanto os torcedores do clube francês quanto o Eintracht de Frankfurt. Embora os alemães estivessem ansiosos por uma vitória apertada por 1 a 0, ninguém realmente venceu desta vez. Além disso, um dos torcedores alemães sofreu ferimentos graves e está sendo tratado no hospital.

“Nós nunca vivemos um dia como este antes e não acreditávamos que fosse possível. A escala de agressão e ódio que nos esperava é insondável, e é claro que houve uma reação. Então não pode haver alegria real, mesmo com uma vitória”, disse um membro da diretoria do Eintracht após a partida Philip Reschke, que culpou os torcedores franceses pela violência e agressão, mas se distanciou drasticamente do indivíduo que fez a saudação nazista. Claro, os fãs alemães também não eram inocentes. No entanto, uma vez que invadiram o campo contra o West Ham United na semifinal da Liga Europa do ano passado e foram punidos apenas condicionalmente, é de se esperar que a UEFA seja muito mais rigorosa desta vez e tenham que jogar pelo menos uma partida pela frente de estandes vazios.

Incidentes também ocorreram após o final da partida entre Porto e Club Brugge. Os belgas festejaram surpreendentemente alto (4:0), e os adeptos portugueses não esconderam o seu mau humor. Alguns chegaram a cruzar a linha do bom gosto, atacando o carro que transportava a mulher e os filhos do técnico do Porto, Sérgio Conceição, após um duelo com pedras. O vidro do carro estava quebrado, e membros da família receberam agressões verbais. Felizmente, não houve ataque físico. O clube condenou o ataque dos torcedores e lamentou que o técnico não tenha recebido a segurança necessária.

Muito mais calmo, pelo menos no que diz respeito aos tumultos de torcedores, foi o jogo entre Bayern e Barcelona, ​​​​que muitos também declararam ser a beleza da rodada. Havia muita coisa acontecendo, as chances vinham de ambos os lados, mas os catalães deixaram Munique de mau humor, depois de desperdiçar um grande número de oportunidades maduras. O técnico do Barcelona, ​​Xavi, também foi um dos mais decepcionados após a derrota por 0:2, convencido de que eles mereciam mais do que foi mostrado. “A maior diferença entre os dois clubes é que eles não cometem erros na frente do gol. O resultado não reflete o que aconteceu em campo. Mas o futebol é um jogo onde essas chances desperdiçadas tendem a custar caro. Tivemos seis ou sete grandes chances, mas fomos a melhor equipe no primeiro tempo. Temos que aprender algo positivo com nossos erros”, ele estava de mau humor Xavi, confiantes de que devem vencer a partida. “Não gosto de perder e não merecemos perder hoje. Fomos melhores e dominamos a maior parte do jogo. Estou muito decepcionado e não acho que o resultado seja justo. Ainda temos muito trabalho a fazer, porque estamos no início de nossa jornada.” A derrota dói ainda mais porque os catalães concentraram todas as suas esperanças no ex-atacante do Bayern Robert Lewendowski (a transferência por 50 milhões de euros ocorreu no verão), que em seis jogos este ano marcou nove gols pelo Barcelona. Mas esta não era a sua noite. x


Egídio Pascoal

"Estudante. Especialista em web. Guru da música. Especialista em bacon. Criador. Organizador. Típico viciado em viagens. Estudioso de café. Explorador."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.