Os franceses não têm medo de uma atmosfera quente: felizmente, os torcedores não marcam gols

O Marrocos surpreendeu muito apenas por ficar entre os quatro primeiros, o que nenhuma seleção africana conseguiu até agora. Muitos acreditam que sua inclusão na final seria a maior sensação da história da Copa do Mundo, senão da história do futebol.

No acampamento francês, eles estão cientes da qualidade do time da ex-colônia francesa, e sabem que qualquer subestimação pode ser fatal.

“Só podemos respeitar e admirar o que eles conseguiram. Nada é acidental a este nível, por isso devemos levar o seu sucesso extremamente a sério. Se a equipa é capaz de bater Bélgica, Espanha e Portugal, deve ter imensa qualidade, não só em dentro do campo, mas também fora dele. Eles obviamente têm a química certa, estão conectados um ao outro, seu espírito de equipe é de alto nível”, disse o capitão e goleiro da seleção francesa antes da partida Hugo Llorisque jogou um jogo recorde de 143 para o Gaelic Roosters nas quartas-de-final.

Treino de segunda-feira da seleção francesa:

O guarda-redes do Tottenham acredita que o encontro será disputado num ambiente electrificado e pouco amistoso, fruto das más relações políticas entre os dois países. Todo o mundo árabe está agora do lado do Marrocos, então espera também uma enorme superioridade da torcida marroquina nas arquibancadas.

“Conseguimos saber como é o último jogo da fase de grupos contra a Tunísia. Não gosto do termo odioso, mas com certeza os torcedores terão um fervor extra. Vai ser muito barulhento, meus jogadores esperam e se preparam para isso em seus cabeças. Felizmente, não são os torcedores que marcam os gols”, diz o técnico da França Didier Deschampsque, segundo ele, analisou bem o concorrente.

“Enganam-se aqueles que dizem que o Marrocos só tem uma boa defesa, que sofreu apenas um gol até agora no campeonato, e que foi um gol contra. Além de organizado, eles também têm alguns bons atacantes. ou ‘bunker’, não teríamos chegado tão longe”, elogia o treinador francês aos marroquinos.

Regragui: Talvez eu seja um pouco maluco, mas não acho isso ruim

Muitos pensam que ao chegar às meias-finais, Marrocos já atingiu o seu objetivo e que não tem hipóteses contra o atual campeão, mas o seu treinador Walid Regragui não concorda com isso.

“Se você chegar às semifinais e não estiver com fome, isso é um problema. Mas somos famintos, ambiciosos, posso confirmar isso. Mas não sei se isso será suficiente. Não somos favoritos, mas estamos confiantes. Talvez eu seja um pouco louco, mas não acho que isso seja uma coisa ruim. Provavelmente tivemos o caminho mais difícil até a final. Depois de cada jogo, as pessoas pensavam que tínhamos feito nosso trabalho e seríamos rebaixados, mas você vê onde estamos. Seguimos aqui e vamos lutar até o fim”, promete o selecionador, que tem problemas com a composição do time, mas não entra em pânico por conta disso.

“Temos muitas lesões, inclusive um excelente zagueiro Romain Saiss, mas também uma equipe médica fantástica. Teremos que esperar até o último momento para ver quem poderá jogar e quem não. Até agora não sei dizer quem vai entrar em campo e quem não vai”, disse Regragui.

Egídio Pascoal

"Estudante. Especialista em web. Guru da música. Especialista em bacon. Criador. Organizador. Típico viciado em viagens. Estudioso de café. Explorador."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *