Papa à CNN Portugal sobre Jornada Mundial da Juventude, oração e abusos na Igreja

O Papa irá à Jornada Mundial da Juventude. Ou Francisco ou João XXIV irão, mas o Papa irá, disse o Santo Padre em entrevista à CNN Portugal. Em conversa com a jornalista Maria João Avillez, ele abordou vários temas, incluindo abusos na Igreja, que descreveu como “monstruosos”.

Andreja Červek – O Vaticano

A Jornada Mundial da Juventude terá lugar em Lisboa em 2023, pelo que o início da entrevista foi dirigido especificamente aos jovens. O Papa Francisco disse que pretende ir a Lisboa, embora tenha acrescentado logo depois: “O Papa irá à Jornada Mundial da Juventude. Ou Francisco ou João XXIV irão, mas o Papa irá.”

Falar aos jovens na linguagem dos jovens

As Jornadas Mundiais da Juventude são importantes porque conectam jovens de diferentes partes do mundo. Segundo o Papa, eles “universalizam a juventude” de certa forma. Também os fortalecem, porque “os jovens dão força uns aos outros, falam por si e sentem-se apoiados”. Embora falem línguas diferentes e venham de culturas diferentes, eles se encontram e descobrem que têm anseios e desejos comuns. A linguagem dos jovens é sempre muito criativa. É necessário aprender as palavras que os jovens inventam para uma determinada situação. “Mas essa criatividade é um sinal de que eles estão ancorados no presente e ao mesmo tempo orientados para o futuro. Ao fazê-lo, ajuda-os a se encontrarem e a se sentirem fortes para o caminho do futuro.”

Como disse o Papa, quem vai a um encontro de jovens deve estar preparado para que os jovens lhe falem em outra língua: “Os jovens têm uma língua própria que vem de sua cultura, porque há uma cultura de jovens. ” falar na “linguagem dos jovens”. “Os jovens têm uma cultura própria e uma linguagem progressista que avança. Você tem que ouvir sua maneira de explicar as coisas e respondê-las de uma maneira que eles entendam. “Não posso responder a um jovem que tem problemas com um velho livro teológico. Quando nos apresentam um problema humano, um problema teológico, devem ser respondidos em uma linguagem que compreendam e de acordo com as experiências que vivem hoje.”

Reconciliação e diálogo

Para que a Jornada Mundial da Juventude em Portugal seja também um momento de reconciliação, é necessário o diálogo, segundo o Papa. Os problemas sempre surgem por causa da distância. “Se estou com raiva de você, eu vou embora, você com sua vida, eu com a minha, e nunca haverá uma reconciliação. Por outro lado, quando as distâncias são reduzidas, quando um se aproxima do outro, há um diálogo, talvez discussões, não importa, mas há um diálogo e podemos “misturar” a reconciliação nele”, explicou Com os jovens, essa aproximação é mais fácil e se dá por meio do esporte, da arte, da música ou do debate, pois os jovens sabem se aproximar muito, são muito mais ousados ​​e livres do que os adultos. juntos por um interesse comum e a Jornada da Juventude é definitivamente um “evento mundial que une os jovens”.

A espontaneidade dos jovens

O Papa destacou a espontaneidade dos jovens e lembrou o encontro que teve há dois meses. Era um grupo de dez jovens vindos de diversos países, alguns deles católicos, outros batizados mas não praticantes da religião. Durante a reunião, todos podiam dizer o que quisessem. Alguns deles eram anticlericais, um deles duramente criticado, mas falavam livremente. Apresentaram-lhe problemas muito grandes, mas o Papa – como disse – não se preocupou tanto em respondê-los, porque é “pink pong”, mas viu a cultura por trás da pessoa que lhe apresentou um problema. Ele ressaltou que respeita muito essa espontaneidade. “O que eu acho muito cansativo no diálogo (principalmente com os adultos, porque os jovens não caem nele) é a linguagem dupla, a linguagem diplomática, quando alguém diz uma coisa e quer dizer outra. Isso é hipocrisia… Nesse grupo de jovens gente, ninguém era hipócrita, todos diziam o que queriam dizer e com o fervor que queriam dizer, mas ninguém me ofendeu. Alguns me atacaram mas não me ofenderam porque foram muito honestos. espaço da pessoa, a honestidade sai. Erros podem acontecer, quem não erra? Você precisa ouvi-los e em qualquer caso falar sobre isso. A espontaneidade dos jovens é um grande trunfo.”

Juventude e raízes

O tema dos jovens está sempre intimamente ligado ao diálogo intergeracional do Papa com os idosos. Frančišek também destacou nesta entrevista que “os jovens devem ter uma visão do futuro e uma visão do passado”: “Os jovens que só olham para o futuro ficam sem apoio. Um jovem deve estar em diálogo com suas raízes como uma árvore. Mas então eu recorro às raízes? Não, porque isso não dá frutos. Mas olhar as raízes, isso só é possível em diálogo com os idosos. Uma forma de não querer ter raízes é se recusar a dialogar com os mais velhos. Isso não significa que você tenha que fazer tudo o que eles fizeram na vida deles, mas você tem que ouvi-los, porque essas são suas raízes, as raízes de sua cultura, sua pátria, seu modo de ser, tudo, sua família. A cultura dos avós é uma das maiores bênçãos quando um jovem avança, olha para o futuro e sabe conversar com os mais velhos.”

A oração do Papa significa estar diante de Deus

Na continuação da entrevista, perguntaram ao Papa Francisco como ele reza. “Não mudei a forma de rezar, mas aprofundei-a”, disse, explicando que reza o terço “como fazia em criança”, reza com as Sagradas Escrituras e medita, reza o breviário todas as dia, ou seja, ele reza de diferentes maneiras. “Coloco-me diante de Deus e às vezes me distraio, mas Ele não se distrai e isso me conforta… Orar é estar na presença de Deus e deixá-lo falar. Sem liberdade não é possível rezar. Isso está claro. Todos devem orar conforme o Espírito Santo os inspira”.

O Espírito Santo fala de várias maneiras: depois de um evento, durante uma leitura, encontrando um pobre na rua ou um doente. Uma pessoa sente algo e é o Espírito Santo que a leva a fazer algo. “O Espírito Santo fala todas as línguas. Pense na manhã de Pentecostes, na confusão que causou. Porque as pessoas não entendiam nada, diziam: ‘Você está bêbado’. Por quê? Porque cada um falava sua própria língua.” O Espírito Santo é “o autor das diferenças”, mas, por outro lado, “com todas essas diferenças ele cria a harmonia, que é outra coisa que não a ordem”. Pode ser organizado quando você chega a um cemitério e tudo está em ordem, mas não há vida nele. Na harmonia há vida e é isso que o Espírito Santo faz. Dá-lhe isto, o outro algo mais, mas tudo em harmonia. Este é o sentido da igreja. Às vezes as pessoas dizem: “Sou muito religiosa, muito religiosa, defendo os valores cristãos”, mas não conseguem viver em harmonia com a Igreja. Eles não têm o Espírito Santo, eles têm uma ideologia religiosa, mas eles não têm o Espírito Santo”.

O abuso é monstruoso

Sobre os abusos na Igreja, que a Igreja em Portugal também enfrenta, o Papa Francisco quis deixar claro: “O abuso de homens e mulheres na Igreja – abuso de autoridade, abuso de poder e abuso sexual – é monstruoso, porque é uma homem ou mulher A Igreja, seja sacerdote, religioso ou leigo, chamada a servir e criar unidade, ajudar a crescer. Mas o abuso sempre destrói. Quero ser muito claro sobre isso. O abuso é uma realidade trágica de todos os tempos, mas também Do nosso Tempo.” Ele enfatizou resolutamente a tolerância zero: “Um padre não pode permanecer padre se comete abusos. Não pode porque é um homem doente ou um criminoso, não sei. Mas no final ele é um homem doente. Isso é humano Um padre existe para levar as pessoas a Deus, não para destruí-las em nome de Deus. Tolerância zero. E sem parar. Cada caso de abuso que surge me machuca! Mas você tem que lidar com isso.”

O Santo Padre alertou que mais de 40 por cento dos abusos ocorrem na família, e uma grande porcentagem também ocorre no campo dos esportes e também nas escolas. Cerca de três por cento deles acontecem na Igreja. A cultura do abuso é generalizada, disse ele, citando pornografia onde menores são abusados ​​e linhas diretas onde as mesmas coisas acontecem. Como ele afirmou, no caso de abuso, é preciso primeiro ter uma “visão geral”, e depois garantir que as coisas não sejam encobertas, pois o abuso em determinados ambientes, por exemplo, na família, tende a ser encoberto. Em terceiro lugar, o Papa destacou que é preciso levar em conta a porcentagem de abusos que preocupam a Igreja e enfrentá-la: “Eu não nego abusos. Mesmo que houvesse apenas um, é monstruoso, porque você , o padre, você, a freira, tem que levar esse menino ou menina a Deus, mas com abuso você arruina a vida dele. É monstruoso e destrói vidas. E aí eles te fazem perguntas como: não é por causa do celibato …? O celibato não tem nada a ver com isso! O abuso é uma coisa destrutiva, humanamente diabólica. Porque não há celibato nas famílias, mas o abuso acontece. É simplesmente a monstruosidade de um homem ou mulher na Igreja que é doente mental ou mal e explora sua posição para gratificação pessoal. É o diabo.’

Egídio Pascoal

"Estudante. Especialista em web. Guru da música. Especialista em bacon. Criador. Organizador. Típico viciado em viagens. Estudioso de café. Explorador."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.