Pesquisa / Metade dos eslovenos acredita que o mundo é governado por sociedades secretas

Em busca do controle

Na época da epidemia, o mundo também foi dominado por uma epidemia de pensamento conspiratório em relação à vacinação
© Luka Dakskobler

O presidente do conselho de programação da Radiotelevision Slovenia, Peter Gregorčič, é um comentarista regular do programa Hour of Power na Planet TV. Ele disse recentemente que “estamos chegando a uma situação – não apenas na Eslovênia, provavelmente também na Europa e além – em que não há mais conflito entre partidos políticos, mas associações de interesse”. Na sua opinião, todas as rédeas na Eslovénia devem estar nas mãos da associação Ona ve, ou seja, a associação de mulheres especialistas de várias áreas, que luta por uma maior representação das mulheres junto do público, do lobby gay e da maçonaria. Segundo ele, seu funcionamento permite dificultar o encontro de conexões visíveis entre as pessoas dessas associações, já que estão conectadas “sob a terra”.

O European Social Survey (ESS) publicado no verão passado revela que até metade dos entrevistados na Eslovênia realmente acredita que o mundo é governado principalmente por grupos secretos e associações de interesse. Quase 40% deles concordaram com a afirmação de que os cientistas estão deliberadamente manipulando e enganando as informações, e 35% que a pandemia da doença do coronavírus foi planejada. Entre os países participantes, nos encontramos junto com países do Leste Europeu e em transição, Eslováquia e Croácia, assim como Bulgária e Macedônia do Norte, responderam de forma semelhante. Algo surpreendente, talvez também em Portugal.

“É uma necessidade humana inerente estar no controle de seu ambiente. E se ele não tem, ele apenas interpreta as coisas de tal forma que sente como se tivesse”, diz Tomaž Grušovnik, um filósofo que pesquisa teorias de conspiração. Segundo ele, podemos apenas especular sobre os motivos pelos quais eles estão aparentemente mais presentes nos países do Leste Europeu e em transição. “No entanto, existe uma correlação entre a crença em teorias da conspiração e uma posição coletiva ou individual – ou seja, distância dos centros de tomada de decisão”. As pessoas que não são detentoras de poder social ou político geralmente são mais propensas a acreditar em conspirações – que existe uma “algo mais” subjacente. O mesmo se aplica aos países da Europa de Leste e em transição, frequentemente colocados em segundo plano na União Europeia. “Outra razão pela qual isso está acontecendo nesses países pode estar relacionada à história. São países onde a polícia secreta já desempenhou um papel importante na criação do estado e do mundo político. Portanto, as pessoas têm a sensação de que ainda existem estruturas semelhantes. Isso faz parte da história real desses países.”

As teorias da conspiração vêm à tona especialmente no período de crises constantes, “novamente porque as pessoas gostam de saber ‘o que está acontecendo’”. Compreensão é controle. E se você entende algo, então você o controla – mesmo que não possa fazer nada a respeito. E quando a situação é complexa, incerta e pouco clara, nós, humanos, gostamos de recorrer a histórias que entendemos. Essas histórias costumam ser teorias da conspiração.” Já no período de incerteza e instabilidade do estado romano, as pessoas recorreram à explicação de eventos sócio-políticos com essas histórias. “Simplesmente porque o que estava acontecendo era muito complexo para entender. Na história sempre fica demonstrado que recorremos a explicações rápidas, principalmente quando a situação é incerta.”

Brás Monteiro

"Fanático de TV ao longo da vida. Aficionado de internet irritantemente humilde. Analista. Introvertido dedicado."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *