Política de vistos da UE – Consilium

Por que regras comuns de vistos da UE?

Mais de 400 milhões de cidadãos da UE podem circular livremente no espaço Schengen. Podem viajar, trabalhar e viver em qualquer parte da UE. Cidadãos de países terceiros que residam na UE ou a visitem para fins turísticos, no âmbito de intercâmbios estudantis ou para fins comerciais também podem circular livremente.

Disposições de Schengen:

  • a abolição dos controles nas fronteiras internas da UE, com algumas exceções limitadas
  • um conjunto único de regras de controlo nas fronteiras externas da UE

Por funcionamento eficaz do espaço Schengen sem fronteiras por conseguinte, é necessária uma política comum de vistos da UE, uma vez que facilita a entrada de visitantes na UE e, ao mesmo tempo, reforça a segurança interna.

A UE adotou uma política de vistos para:

  • estada de curta duração planejada no território do país Schengen ou trânsito por ele
  • trânsito pelas áreas de trânsito internacional dos aeroportos dos países Schengen

Uma estadia de curta duração é uma estadia de até 90 dias em qualquer período de 180 dias.

Atualmente Os vistos Schengen são emitidos por 26 países europeus (que são membros do espaço Schengen): 22 dos 27 estados membros da UE, Islândia, Liechtenstein, Noruega e Suíça.

A Bulgária, Croácia, Chipre e Roménia, cujos controlos nas fronteiras internas ainda não foram levantados, bem como a Irlanda (que não faz parte do espaço Schengen) não emitem vistos Schengen, mas apenas nacionais.

Países que emitem vistos Schengen


Suspensão de acordos de visto

A UE pode suspender temporariamente a aplicação do acordo sobre a abolição da obrigação de visto ou sobre a simplificação dos procedimentos de visto, se o país terceiro em questão deixar de preencher as condiçõesdo acordo. Nesse caso, aplicam-se as regras gerais do Código de Vistos da UE.

A rescisão de uso pode ser iniciada por um Estado Membro da UE ou pela Comissão Europeia.

Três acordos estão atualmente em suspensão:

  • Rússia (suspensão de todo o Acordo de Facilitação de Vistos)
  • Bielorrússia (suspensão parcial da implementação do acordo de facilitação de vistos)
  • Vanuatu (suspensão de todo o acordo de isenção de visto)

Regras gerais de visto da UE

Para os viajantes de países terceiros com os quais não existe acordo sobre a abolição da obrigação de visto ou um acordo sobre a simplificação dos procedimentos de visto, o código de visto. Este código define os procedimentos e condições de emissão de vistos para efeitos de estadias de curta duração e escala aeroportuária no espaço Schengen.

Ele também lista todos os países terceiros cujos cidadãos devem ter um visto de escala aeroportuária para cruzar as áreas de trânsito internacional dos aeroportos da UE, bem como alguns procedimentos e condições para a emissão desses vistos.

O Código de Vistos também contribui para a melhoria cooperação com países terceiros na readmissão de imigrantes ilegais através do mecanismo de alavancagem de vistos.

Ao abrigo deste mecanismo, se o país terceiro não cooperar na readmissão, podem ser tomadas medidas restritivas especiais em relação ao tratamento dos pedidos de visto, podendo também ser exigida uma taxa de visto. Até agora, tais medidas restritivas foram tomadas contra a Gâmbia.

No entanto, se um país cooperar com a readmissão, a UE pode decidir reduzir as taxas de visto, encurtar o tempo de tomada de decisão sobre os pedidos de visto ou estender o período de validade dos vistos de entradas múltiplas.

Digitalização de vistos Schengen

Por enquanto, solicitar um visto Schengen significa um processo demorado e com muita “papelada”. Os candidatos devem viajar com frequência para se inscrever e também coletar o visto. Isso é oneroso tanto para eles quanto para os consulados.

Em abril de 2022, a Comissão Europeia apresentou uma proposta sobre a digitalização do procedimento para obtenção de visto Schengen. As novas regras visam:

  • substituir a etiqueta do visto
  • introduzir a possibilidade de apresentar um pedido de visto online em plataforma online para obtenção de visto
  • melhorar os procedimentos de obtenção de vistos
  • reduzir custos e encargos para os países da UE e candidatos

O Conselho está a discutir esta proposta.

Brás Monteiro

"Fanático de TV ao longo da vida. Aficionado de internet irritantemente humilde. Analista. Introvertido dedicado."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *