Portugal sem Ronaldo Eder abriu caminho para o topo da Europa

Propaganda



Eder garantiu o primeiro título europeu de Portugal com um remate certeiro. Foto: Reuters

acertar no Stade de Franco aos 109 minutos da final da vitória de Portugal sobre a França.

12 anos após a grande decepção no Campeonato da Europa em casa, Portugal jogou pela segunda vez na final e pela primeira vez subiu ao topo da Europa. A partir do minuto 25, ela jogou sem a primeira estrela Cristiano Ronaldo, que se lesionou, mas Fernando Santos voltou a preparar os seus comandados de forma táctica brilhante, fez uma defesa sólida que evitou os ataques franceses, e mais uma vez teve sorte nas substituições e voltou a encontrar o verdadeiro trunfo. Eder, de 28 anos, nascido na Guiné-Bissau, que ganha a vida em França, perto de Lille, balançou as redes com um remate certeiro de mais de 20 metros.

“Ronaldo me disse que eu ia fazer o gol da vitória. Suas palavras me deram força e energia, isso foi decisivo. Foi o gol pelo qual trabalhei desde o primeiro minuto do Campeonato Europeu. É fantástico como fomos pagos por tudo fantástico trabalho para todos os portugueses. Merecíamos.” disse Eder, que disputou três partidas no campeonato, mas apenas 54 minutos no total.

Os franceses não conseguiram passar por Rui Patricia
Antes do campeonato, o português não pertencia ao círculo mais estreito de favoritos. Também não brilharam nas eliminatórias, perdendo três vezes contra a Hungria, e em caso de uma possível derrota, seriam até eliminados. Como a primeira seleção na história dos campeonatos europeus, eles chegaram às eliminatórias sem vencer. Então na prorrogação nas oitavas de final após uma grande batalha tática, eles derrotaram a Croácia, nas quartas de final eliminaram a Polônia nos pênaltis, nas semifinais foram melhores que a maior surpresa do campeonato, País de Gales, com 2 a 0, e finalmente em Paris, eles derrotaram os anfitriões do torneio e pela primeira vez levantaram a Copa Henry Delaunay.

Pela sexta vez, a final do Campeonato da Europa não terminou aos 90 minutos. Os franceses, que já chegaram ao topo do velho continente duas vezes, jogaram a prorrogação pela segunda vez. Se ele teve sorte para eles em 2000, desta vez eles ficaram sem energia na prorrogação. Caso contrário, eles foram mais perigosos durante a partida, mas estavam de muito bom humor Ruija Patrícia no entanto, eles não o encontraram. As maiores chances foram desperdiçadas pelo artilheiro do campeonato Antoine Griezmannque, um bom mês depois da final da Liga dos Campeões, voltou a ser o oitavo colocado na final, Para Andrej-Pierre Gignac mas o gol impediu a alegria. Até agora, os franceses comemoraram duas vezes em seu torneio em casa. Em 1984, sagraram-se campeões europeus em casa e, em 1998, foi no Stade de Franco que alcançaram o maior sucesso da seleção selecionada, ao vencerem o Campeonato do Mundo.

O primeiro tempo foi marcado por uma lesão de Ronaldo. Aos oito minutos, é contra o capitão português Dimitri Payet fez uma largada forte, caso contrário chutou a bola, mas acertou o joelho da perna em pé. Ronaldo saiu de campo, voltou, mas não deu certo e o primeiro craque português saiu do verde aos prantos e de maca, e entrou no seu lugar aos 25 minutos Ricardo Quaresma. Fora isso, os franceses tiveram a vantagem em campo, e várias outras oportunidades, que não aproveitaram. Após a pressão inicial dos anfitriões, ainda era perigoso na frente do gol francês quando Cedrico com uma longa passagem pelo Napel Luís Naniqual é Laurent Koscielny escapou pelas costas, mas acertou a bola mal e chutou para o gol.

No décimo minuto, é depois de um erro Pepeque perdeu a bola, Payet fez um belo passe e Griezmann cabeceou por baixo do travessão, mas Rui Patrício provou-se com um desfile, que também esteve no local após um canto e uma tentativa de cabeça Olivier Giroud. O guarda-redes português fez um excelente passe ainda aos 34 minutos, quando foi o indivíduo mais brincalhão na grande área na primeira parte Moussa Sissoko girou Adriano Silva e depois chutou forte, mas Rui Patrício estava no lugar.

Gignac aos 92 minutos no quadro do gol
Os franceses não conseguiram ultrapassar a disciplinada defesa portuguesa. O jogo galos gaélicos foi muito lento e, apesar da iniciativa e das tentativas de ataque, as chances foram difíceis de surgir. Ele animou um pouco o jogo da França Kingsley Coman, que também criou duas grandes chances para os franceses no segundo tempo. Aos 66 minutos, ele é tão jovem quanto Paul Pogba levou o jogo todo para a esquerda, enviou um modelo na frente da porta onde está Rafael Guerreiro soltou Griezmann e o atacante francês cabeceou por cima do travessão.

Nove minutos depois, Coman exagerou, já caiu no meio, mas se levantou e encontrou Giroud na área, que chutou perigosamente da esquerda, mas Rui Patrício acabou. O fiável guarda-redes português também interveio bem aos 84 minutos, mesmo com um forte remate de longe de Sissoko. É ainda antes disso Hugo Lloris salvou o gol francês quando cruzou para Nana da direita, mas a bola voou para o gol e o capitão francês só conseguiu desviar. Quaresma tentou então com uma tesoura, mas Lloris estava alerta. Aos 92 minutos, Portugal foi defendido pela moldura da baliza. Patrice Evra jogou a bola para o suplente Gignac, que bateu Pepe, e depois mandou a bola para Rui Patrício, mas só acertou no poste e o resultado manteve-se inalterado após o tempo regulamentar.

Portugal mais perigoso no prolongamento
Na primeira prorrogação, o português esteve mais perto de marcar. Aos 103 minutos, Qauresma passou de escanteio e o suplente Eder deu um salto em altura para chutar, mas Lloris acertou em cheio. O português também acertou na baliza. Mark Clattenburg recebeu um tiro livre, embora a mão tenha atingido Eder. De cobrança de falta, Guerreiro tentou, mas sua alegria foi bloqueada pelo travessão. Na ação seguinte, o francês desperdiçou barato a bola que ganhou João Moutinho. Depois de combinar com William Carvalho e Quaresmo passou para Eder, que encontrou um lugar ao lado de Koscielny e puxou da esquerda para o centro, depois disparou no chão a uns bons 20 metros. Lloris foi impotente com um remate certeiro ao poste.

FINAIS, Saint Denis:
PORTUGAL – França 1:0 (0:0, 0:0) – após prolongamento
75.800; Éder 109.

O início de Payet, após o qual Ronaldo teve que deixar o campo


O cabeceamento de Griezmann foi brilhantemente defendido por Rui Patricio


Gignac acertou a trave aos 92 minutos


Guerreiro acertou a barra com cobrança de falta aos 108 minutos



O golo de Eder para vencer Portugal na final



Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.