Potência alemã superou a ludicidade portuguesa

A seleção alemã de futebol sub-21 tornou-se merecidamente a campeã europeia sub-21 no campeonato, que foi organizado conjuntamente pela Hungria e pela Eslovénia. Na final em Stožice diante de 5.000 espectadores, os alemães derrotaram os portugueses por 1:0 (0:0), e o único gol foi marcado por Lukas Nmecha aos 49 minutos, que também se tornou o melhor marcador da competição com quatro metas.

“Eu realmente não me lembro como eu marquei o gol. Eu estava em uma boa posição e Baku me passou a bola. Passei pelo goleiro no meu primeiro toque, e então tudo que eu tinha que fazer era empurrar a bola para a rede. Trabalhamos como uma equipe em que cada um tinha seu próprio papel. Fomos excelentes, o treinador nos deu confiança e os sentimentos após a vitória são ótimos. A força do nosso time é muito coração, trabalho duro e talento”, disse o exultante atacante de 22 anos Lucas Nmechaque tem uma história de vida interessante por trás dele.

Nmecha marcou pela Inglaterra e depois selecionou a Alemanha

Nmecha nasceu em Hamburgo, Alemanha, filho de mãe alemã e pai nigeriano. Já em criança, mudou-se com a família para Inglaterra, onde o seu talento foi rapidamente notado pelos olheiros do Manchester City e das selecções inglesas mais jovens. Ele se tornou campeão europeu com a seleção sub-17 da Inglaterra em 2017, depois de marcar o único gol na semifinal e o vencedor na final. Depois de já ter jogado pela seleção sub-21 da Inglaterra, em março de 2019 ele decidiu jogar pela sua Alemanha natal e fez sua estreia na partida contra a Inglaterra. Na temporada passada, ele jogou pelo Anderlecht por empréstimo do Manchester City e marcou 18 gols em 37 jogos.

A Alemanha, comandada perfeitamente pelo ex-atacante da seleção Stefan Kuntz, jogou na Hungria até a final. Na fase preliminar realizada em março, ela lutou no grupo, onde com uma vitória e dois empates conquistou o segundo lugar atrás da Holanda e à frente da Romênia e da Hungria. Em junho, nas partidas de rebaixamento, derrotou a Dinamarca nos pênaltis nas quartas de final, a Holanda nas semifinais e Portugal na final, sagrando-se campeão europeu pela terceira vez depois de 2009 e 2017.

Na final, a força física alemã, sustentada por uma aptidão física superior, prevaleceu sobre a ludicidade portuguesa e o conhecimento técnico superior. Nas alas de um espírito de equipa excecional, com agressividade e determinação, os alemães desactivaram os portugueses, que se mostraram impotentes sobretudo no meio-campo, onde tinham dominado nos jogos anteriores do campeonato, e na finalização do jogo, eles pareciam um pouco desanimados.

“O público não deu a esta geração muita chance de sucesso. Queríamos provar o contrário, então desafiei os jogadores no vestiário a mostrarem seu talento. Eu disse a eles que eles precisavam do coração de um leão, da cabeça e dos olhos de uma águia e, finalmente, deve haver hienas, que ninguém pode suportar, mas sempre conseguem o que querem no final. No final da partida, o espírito de luta dos meninos me lembrou deles”, disse ele vividamente Stefan Kuntz.


Para consolação do português, o melhor jogador do EP Vitinha

Portugal deixou a melhor impressão especialmente nas eliminatórias com três vitórias contra a Croácia, Inglaterra e Suíça sem sofrer golos, jogou a beleza do campeonato nos quartos-de-final contra a Itália (5:3), com um pouco de sorte eliminou a Espanha em as meias-finais (1 a 0) e foi na final pior que a Alemanha, já que disparou apenas um remate à baliza adversária.

“Eles tiveram algumas chances de gol, e no segundo tempo a Alemanha também, que jogou bem defensivamente. Tentamos, mas não conseguimos marcar. O positivo é que tivemos uma jornada fantástica até a final, da qual podemos estar muito orgulhosos”, disse o zagueiro português decepcionado. Diogo Queiroz. Os portugueses estão aliviados que Vitinha, que impressionou com seu excepcional conhecimento técnico e de jogo, foi escolhido como o melhor jogador do campeonato deste ano.




Egídio Pascoal

"Estudante. Especialista em web. Guru da música. Especialista em bacon. Criador. Organizador. Típico viciado em viagens. Estudioso de café. Explorador."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.