Resposta aos referendos: Jogos políticos da oposição não fazem parte da nossa política

Conforme informamos, O SDS coletou assinaturas suficientes – pelo menos 40.000 – para realizar três referendos. Isso também foi confirmado pelo campeão SDS com um tweet hoje Janez Janša. Segundo ele, foram coletadas 52.669 assinaturas certificadas para a convocação de referendo sobre a lei da RTV Eslovênia, 52.182 para a convocação de referendo sobre a lei de assistência de longo prazo e 52.280 para a convocação de referendo sobre a lei sobre o governo.

“Desta vez o SDS quebrou a barreira do som”, afirmou o deputado que acompanhou o SDS após o seu sucesso histórico Branko Grimes em coletiva de imprensa. Descreveu a criação de novos ministérios, que, entre outras coisas, estão previstas nas alterações à Lei do Governo, como sem sentido e sublinhou que o governo não está a tomar as medidas certas – tanto no domínio das finanças, dos impostos como no domínio da política familiar.

“Todos aqueles que acreditaram nas promessas de que iriam dançar, ficaram horrorizados ao saber hoje que vão sim poder dançar, mas à noite, para se aquecerem neste tesouro do frio causado pelo governo com os seus incompetência operacional”, disse. ainda era crítico.

A data dos referendos ainda não é conhecida, e o maior partido da coalizão, Movimento da Liberdade, tem deixado claro até agora que não é a favor da realização de referendos simultaneamente com eleições presidenciais ou locais. É isso que SDS representa. Com maior participação eleitoral, em tese, seria mais fácil atingir o quorum de rejeição, que pressupõe que pelo menos um quinto dos eleitores deva rejeitar a lei.

De acordo com os prazos, parece mais provável – a data é anunciada por decreto da Assembleia Nacional – que o dia do referendo seja 13 de novembro, quando se realizará a segunda volta das eleições presidenciais, ou 27 de novembro, quando não haverá eleições.

Independente da data, segundo Grims, vale a pena o eleitor participar da votação e, assim, mostrar que é contra a pobreza. “Haverá quórum, porque as pessoas sentem em primeira mão a política nociva e destrutiva, a política geradora de pobreza deste governo, e irão votar e votarão três vezes contra”, acrescentou.

Branko Grims chamou o número de assinaturas coletadas de um ponto de virada. FOTO: Jure Eržen/Delo

Os partidos da coalizão já anunciaram que vão aderir à campanha e que almejam a vitória. Em um comunicado de imprensa, os líderes dos movimentos Svoboda, SD e Esquerda pediram apoio para mudanças legislativas. Ouviu-se também que a SDS não pode aceitar a derrota nas eleições e que obviamente será necessário repetir o dia 24 de abril – dia em que se realizaram as eleições parlamentares e em que os cidadãos disseram “não” ao governo de Janez Janša .

A coalizão não quis dizer quando será o dia do referendo, dizendo que também depende de quando a SDS apresentará um pedido de referendo.

Brás Monteiro

"Fanático de TV ao longo da vida. Aficionado de internet irritantemente humilde. Analista. Introvertido dedicado."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *