Ronaldo atirou na parede com os companheiros

St. Etienne – A Islândia causou a sua primeira sensação no Campeonato da Europa depois de defrontar Portugal e empatar 1-1. O golo de Nani fez com que os portugueses saíssem em vantagem para o intervalo e, aos 50 minutos, Birkir Bjarnason aproveitou um dos poucos erros da defesa portuguesa para empatar à queima-roupa e conquistar um primeiro ponto histórico nas principais competições.

O velho conhecido esloveno Gylfi Sigurdsson – há três anos em Stožice, marcou dois golos na vitória da Islândia por 2-1 – levantou mais de 20 mil islandeses no estádio aos 3 minutos e avisou os rivais favoritos com duas tentativas. O guarda-redes português Rui Patrício defendeu os dois remates.

Cristiano Ronaldo ainda estava no aquecimento, os companheiros estavam muito mais ativos. O equilíbrio de forças foi rapidamente colocado no lugar certo – os portugueses aumentaram o ritmo de jogo e a pressão, o brincalhão e perigoso português Nani colocou a vantagem na cabeça e o guarda-redes Hannes Halldorsson evitou o golo com bravura intervenção e iniciou sua dança entre os postes. Mesmo que Nani o tenha vencido à queima-roupa após grande passe de Andrea Gomes na segunda tentativa, aos 31 minutos, ele não quebrou. Ele manteve vivos seus compatriotas e manteve viva a esperança de uma reviravolta sensacional. Apesar da combatividade, muitas vezes na fronteira, mas o árbitro turco Cüneyt Çakır permitiu um jogo duro, o segundo golo dos portugueses esteve mais perto do que o primeiro dos islandeses. Mas aos 50 minutos, a parte do estádio onde os nortistas festejavam literalmente explodiu. Johann Gudmundsson cruzou do lado direito da linha um pouco acima da altura da grande área, que passou por Vieirinho. Bjarnason (na foto) de repente se viu em uma oportunidade e, com um chute de 7ms do primeiro, checou o indefeso Ruio Patrício no chão.

Ainda havia tempo mais que suficiente – para uma redefinição da situação real e uma reviravolta completa. Os portugueses naturalmente tomaram a iniciativa, acrescentaram mais risco à pressão, mas sem sucesso. O fanatismo dos islandeses foi simplesmente um enigma insolúvel para os rivais na noite passada. Assim como o goleiro Halldorsson, que domesticou todas as bolas que voavam em sua direção. Ele não foi apenas um milagre na defesa, mas também na montagem, o que facilitou a resolução de muitas situações difíceis. No final, os islandeses tiveram a oportunidade de dar xeque-mate, mas teria sido demais. A questão era mais do que apenas uma recompensa por um jogo vigoroso e de luta.

Grupo F, primeira rodada

Portugal: Islândia 1:1 (1:0)

(Nani 31.; Bjarnason 50.)

Portugal: Rui Patrício; Vieirinha, Carvalho, Pepe, Guerreiro; João (de 76. Quaresma), Danilo, Gomes (de 84. Eder); Moutinho (de 71. Sanches), Nani, Ronaldo.

Islândia: Halldorsson; Sævarsson, R. Sigurdsson, Arnason, Skulason; Gudmundsson (de 90. Bjarnason), Gunnarsson, G. Sigurdsson, Bjarnason; Sigthorsson (de 81. Finnbogason), Boedvarsson.

—————————-

Áustria: Hungria 0:2 (0:0)

(Szalai 62, Stieber 87)

Áustria: Almer, Klein, Dragović, Hinteregger, Fuchs, Arnautović, Alaba, Baumgartlinger, Harnik (77./Schöpf), Junuzović (59./Sabitzer), Janko (65./Okotie).

Hungria: Kiraly, Fiola, Guzmics, Lang, Kadar, Gera, Nemeth (88./Pinter), Nagy, Kleinheisler (80./Stieber), Dzsudzsak, Szalai (69./Priskin).

Escala:

1. Hungria 1 1 0 0 2:0 3 pontos

2. Portugal 1 0 1 0 1:1 1

3. Islândia 1 0 1 0 1:1 1

4. Áustria 1 0 0 1 0:2 0

Egídio Pascoal

"Estudante. Especialista em web. Guru da música. Especialista em bacon. Criador. Organizador. Típico viciado em viagens. Estudioso de café. Explorador."

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *