Stojković não aguentou no banco: passei os últimos minutos no balneário

É de última hora Dragan Stojkovic passou nas entranhas do estádio Da Luz, em Lisboa, onde a Sérvia está por um golo Aleksandar Mitrovic no início da prorrogação do árbitro, eles lideravam por 2:1. Três pontos garantiram às águias uma qualificação direta para o Mundial do Qatar, mas como Stojković admitiu em entrevista ao canal de YouTube da Federação Sérvia de Futebol, a pressão era demasiado grande para ele aguentar à beira do relvado. Ele disse aos jogadores para se comportarem como uma dama depois de retornarem ao hotel. “Quando você voltar para a Sérvia, faça o que quiser. Eles vão permitir tudo lá. E eles vão entender. Mas aqui eu quero que seja nivelado, cavalheiresco, e mostrar respeito ao grande Portugal”, lembrou o lendário meio-campista. instruções aos jogadores.

Seletor, o que você pode dizer depois de uma noite sem dormir?

Acho que estamos emocionalmente satisfeitos. Tudo o que aconteceu, eu acho, é merecido, e mais uma vez parabenizo aqueles que foram os atores de tudo isso – esses são os atores. Eram eles que carregavam o fardo dessas qualificações, essas qualificações rápidas, por assim dizer. Eles acreditaram desde o primeiro dia e… Este resultado é muito grande, vencer Portugal em campo é algo realmente fantástico. Então – eu me sinto bem, mas estou completamente calmo. Não há espaço para euforia, também não sou do tipo que comemora agora. A vida continua, estou a aproveitar este sol aqui em Lisboa e pronto.

Muitos não acreditaram no início das eliminatórias, mas você sempre foi otimista, rindo e transferindo essa energia para os jogadores. No final, acabou sendo um golaço.

Eu sou alguém que é um otimista natural. Nesse negócio, no esporte, no futebol, você tem que acreditar. Porque a fé lhe dá uma energia especial. Fico feliz se realmente consegui transferir tudo o que imaginei e acreditei para os jogadores. É mais do que óbvio que é verdade que não jogamos areia em nossos olhos… Mas se você é pessimista e está constantemente com medo, se você constantemente tem algum freio – como você acha que terá sucesso você ser um vencedor? Isto é impossível. O sucesso vem como recompensa por um bom trabalho, algo em que você acredita, e foi exatamente isso que aconteceu nessas eliminatórias. Não foi apenas esta partida que mostrou isso.

Do primeiro ao último encontro antes do jogo, os jogadores saíram sorrindo. Se não é segredo – o que você disse a eles que os fez sorrir tanto em um momento tão delicado?

(Longa reflexão) Ok, não sou um desses treinadores que sempre exigem apenas disciplina. Bom, a disciplina deve estar sempre presente… O que eu disse para eles? Em primeiro lugar, que se lembrem do ditado: ‘O que você pode fazer hoje, não deixe para amanhã!’ Isso foi sobre a partida. E então eu disse que quero ver deles o que temos treinado – o jogo de passes curtos, bom posicionamento em nosso sistema de jogo. Que a bola deve circular: ‘Passa, passa, passa!’ Mas se você não tiver para onde ir com a bola, devolva-a para (goleiro Predrag, op. a.) Rajković. Rajković pode então começar a jogar um, outro e assim por diante, me mandando para o hospital. Foi quando começamos a rir. São coisas boas, no final do dia você tem que aliviar de alguma forma o estresse dos jogadores.

Tudo volta no futebol e na vida. Estava escrito algures que o jogador que falhou o penalty contra a Escócia marcaria aos 90 minutos contra Portugal?

Exatamente. Estou feliz por ele porque posso imaginar como ele se sentiu. É muito estressante para um jogador quando algo assim acontece com ele. Mas agora tudo voltou para ele com grande interesse, tanto para seu benefício quanto para o benefício de toda a Sérvia. Quando você trabalha honestamente e quando você tem essa atitude em relação ao jogo, à camisa, ao emblema nacional, ao hino e a essa nação que está assistindo você, tudo é mais fácil e tudo é possível. É verdade, tudo na vida volta.

Ontem, antes da partida, conversamos com o (diretor, op. a.) Emir Kusturica – todas as suas previsões estavam corretas! Que não veremos Cristiano Ronaldo e que nos classificaremos para a Copa do Mundo.

(risos) Ele é um grande artista, filósofo, você escolhe. Eu realmente aprecio ele e não há muitas pessoas que são tão inteligentes. Eu vi sua declaração e ele estava certo – nós não vimos Ronaldo, bem, eu o vi, mas ele não era tão perigoso. Ele também previu corretamente que venceríamos, sim. Mas muita gente estava otimista e acreditava que tínhamos o time, os jogadores, o estilo de jogo… Não foi uma crença aleatória. Alguém que entende de futebol, que entende o que a seleção sérvia está mostrando, pode facilmente tirar algumas conclusões. Emir Kusturica é alguém que mais do que obviamente entende essas coisas.

Ele até disse que estava pensando em um novo filme, sobre Maradona do Oriente.

Sim, como ele já disse – sobre Maradona de Niš? (risos) Bom… ainda estou longe de Maradona.

A história do filme continua no Qatar.

Claro, isso é apenas o começo de algo, recentemente, quando perguntado pelo seu colega o que aconteceria se eventualmente nos classificássemos para o Catar, eu disse: ‘O que eventualmente? Temos que nos qualificar!’ Bem, será uma performance teatral em que temos que atuar da melhor maneira possível.

O interessante é que esses caras têm uma mentalidade vencedora. Há muitas “águias” douradas da Lituânia 2013 e da Nova Zelândia 2015. Você de alguma forma os lembrou de que eles têm aquela sequência de campeões?

E dado que eles se esqueceram disso, alguém teve que lembrá-los disso. Estes são atores e personalidades realmente de alta qualidade. Sinceramente, desde o momento em que assumi o cargo de selecionador, não tive um único problema com eles, o que diz tudo sobre seu caráter e sobre essa grande vontade de se provar e se mostrar. Então esse tipo de química entre nós está em um nível muito alto. Eles são muito, muito talentosos e chegam em certos anos quando você chega a uma certa maturidade como jogador. Então, só agora estou esperando que eles mostrem o que todos nós queremos.

O que significa que eles estão acostumados a vencer Brasil, França e Portugal desde as seleções mais jovens, que agora é quase algo normal para eles mesmo entre os membros?

É definitivamente importante, se você começa sua carreira com vitórias e com essa mentalidade de que não tem medo de ninguém e pode jogar contra qualquer um, então isso é definitivamente uma coisa muito, muito positiva. Vimos como eles mostram isso – eles agora estão continuando e melhorando sua maneira de vencer. Estamos aqui para orientá-los, para lembrá-los de pequenos erros e alguns detalhes que eles precisam corrigir. É isso. Eles entendem e percebem bem, porque são meninos muito inteligentes, o que é muito importante. Quando você tem inteligência, especialmente em um esporte coletivo, tudo fica muito mais fácil. E quando você tem pessoas com a mesma opinião ao seu redor que estão focadas nesse objetivo, é muito mais fácil novamente. Então quem joga mal também joga bem.

Sergej (Milinković Savić) está realmente jogando em alto nível, ele nunca jogou assim pela seleção antes, até sua chegada…

Ele sempre foi um grande talento para mim, um grande ator. Não tenho absolutamente nenhum dilema aqui. Tinha umas histórias dizendo ‘dá um lugar pra ele’, ‘não sabem onde botar ele’… Eu não conseguia entender essas coisas. Mas não me envolvi nisso, porque estava na China na época e nem quis comentar. Mas é impossível não encontrar um lugar para um bom jogador. Mas ele não é um bom ator, é um talento extraordinário e ainda é muito jovem. Só podemos esperar que ele atinja seu zênite quando chegar a hora.

Quando você informou Mitrović que ele não seria titular?

No dia da partida, antes do almoço, caminhamos atrás do hotel em um parque, e quando estávamos voltando para o hotel, conversamos. Eu disse a ele algo que acho que ele entendeu completamente e, claro, aceitou sem objeções. Mesmo que ele tenha dito que estava pronto, eu disse a ele de forma clara e honesta que nesta formação e sistema em particular, é melhor começarmos a partida assim. Eu disse a ele – ele pode confirmar isso se você perguntar a ele – que o primeiro tempo é completamente sem importância e não decide nada e que o segundo tempo é o período que será decisivo. Que deve estar pronto para o segundo semestre, quando confirmaremos nosso visto para o Catar. Alguém ficaria com raiva, mas essa comunicação, não só com ele, mas também com outros jogadores, está em um nível muito alto. Consegui fazer com que acreditassem em mim. (risada)

Não sei se as pessoas notaram nas telas de TV, mas depois do gol de Mitrović você não estava mais no banco…

Sim, depois do gol de Mitrović, quando vi que faltavam quatro minutos, de repente me dei conta: ‘Não posso mais assistir, vou para o vestiário!’ Alguém pode pensar que estou doente ou algo assim. Não, eu simplesmente não podia… Aqueles quatro minutos foram uma eternidade para mim, embora me digam que passaram rapidamente. Bem, talvez para eles, mas para mim é uma eternidade, porque sei o que pode acontecer nesses quatro minutos. No último minuto, VAR, handebol, scrambling, escanteio… Milhares de pequenas coisas que podem custar caro, assim como você marcou um gol contra em Dublin. Então eu saí, e eu estava bem calmo no vestiário. Foi tenso, mas eu estava calmo porque não ouvi nenhum grito da arquibancada. Significava que tudo estava calmo, que tudo estava bem. Eu pensei, ‘Quando isso vai acabar?’ E nesse momento, quando eu disse a mim mesmo que ia sair, aconteça o que acontecer, vi pessoas com marcas portuguesas vindo em minha direção com a cabeça baixa. Ficou então claro para mim que eles tinham perdido. Ao longe, vi as camisas brancas em algum lugar no meio, abraçando-se e pulando. Foi quando eu soube que tinha acabado.

Foi uma loucura e memorável no vestiário, mas você disse aos jogadores para serem civilizados e elegantes quando voltassem ao hotel.

Sempre. É assim que os campeões devem se comportar, é assim que as pessoas do mesmo negócio devem se comportar, mostrar respeito ao adversário e a essas pessoas no hotel. Por isso também disse a eles que deveriam comemorar no vestiário, que não tenho nenhum problema com isso, mas que quando chegarmos ao hotel, deve haver um comportamento completamente cavalheiresco, culto. Sem gritar, sem gritar, sem cantar e derramar champanhe e assim por diante. É apenas parte do negócio que fizemos do jeito que queríamos. E o fim. Quando você voltar para a Sérvia, faça o que quiser. Eles vão permitir-lhe tudo lá. E eles vão entender. Mas aqui quero que seja nivelado, cavalheiresco, e que demonstre respeito ao grande Portugal.

Paulino Leitão

"Especialista em cerveja. Leitor orgulhoso. Especialista em comida profissional. Praticante de zumbis. Explorador."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *