TikTok está expandindo o sistema de rótulos para mídia sob controle do estado, também para a Eslovênia

A rede social TikTok está expandindo um sistema de rótulos de ‘mídia controlada pelo estado’ para identificar contas “cuja produção editorial ou processo de tomada de decisão é controlado ou influenciado pelo governo”, disse o TikTok. A medida, que foi introduzida no ano passado na Rússia, Ucrânia e Belarus, agora será estendida a outros países, incluindo a Eslovênia.


CINGAPURA
> Com a gravadora, eles querem ajudar os usuários da rede a entender melhor as fontes por trás do conteúdo da rede social, explicou o TikTok em comunicado à imprensa. “Nosso objetivo ao sinalizar a mídia relacionada ao governo é garantir que as pessoas tenham um contexto preciso, transparente e útil quando encontrarem conteúdo de contas de mídia que possam representar uma posição do governo”, escreveram eles.

Eles iniciaram o projeto no ano passado e, em sua preparação, colaboraram com mais de 60 especialistas na área de mídia, ciência política, representantes de organizações internacionais e da sociedade civil da América do Norte e do Sul, África, Europa, Oriente Médio, Ásia e Austrália. Com base nas informações recebidas, a política do TikTok define como mídia controlada pelo estado aquelas entidades nas quais há claro controle editorial e tomada de decisão por membros do estado.

Ao avaliar a independência editorial, eles consideram a missão da organização, as práticas e salvaguardas editoriais, a liderança e o gerenciamento editorial e as decisões editoriais reais. Assuntos que podem depender fortemente de financiamento do Estado, seja diretamente ou por meio de anúncios, empréstimos e subsídios, também são verificados, explicaram.

Eles também estão introduzindo um procedimento de reclamação

Como eles apontaram, eles passaram meses desenvolvendo uma metodologia objetiva que pode ser aplicada de forma consistente pela equipe de confiança e segurança do TikTok, que supervisiona as decisões de rotulagem de mídia relacionadas ao país. “Reconhecendo que sempre há um elemento de contexto que pode levar a erros ocasionais, também estamos introduzindo um processo de reclamação para entidades que acreditam ter sido rotuladas erroneamente como mídia controlada pelo Estado”, afirmaram.

Para uma reclamação, a entidade pode apresentar informação adicional indicando as salvaguardas que asseguram a independência editorial. A rede social avaliará as evidências apresentadas, obterá a opinião de especialistas independentes e removerá a bandeira se determinarem que a entidade não atende aos critérios para mídia ligada ao estado.

Posteriormente, este sistema de marcação também abrangerá Afeganistão, Armênia, Áustria, Azerbaijão, Bélgica, Bulgária, Chipre, República Tcheca, Dinamarca, Estônia, Finlândia, França, Geórgia, Grécia, Croácia, Irlanda, Itália, Japão, Canadá, Cazaquistão, Quirguistão, China, Letônia, Lituânia, Luxemburgo, Hungria, Malta, Moldávia, Mongólia, Alemanha, Holanda, Polônia, Portugal, Romênia, Eslováquia, Eslovênia, Espanha, Suécia, Tadjiquistão, Turcomenistão, Reino Unido, Estados Unidos e Uzbequistão, TikTok explicado para o portal online Mashable.

A rede social costuma ser alvo de críticas

O TikTok, de propriedade da empresa chinesa ByteDance e com sede em Cingapura, é extremamente popular entre os jovens. A rede social costuma ser alvo de críticas em relação à segurança dos dados dos usuários, à segurança cibernética e à disseminação de informações enganosas. O fato de pertencer a uma empresa chinesa levantou preocupações, principalmente no Ocidente, de que Pequim possa usar a rede social para coletar dados sobre usuários ou divulgar informações favoráveis ​​ao governo chinês.


Victória Ramos

"Entusiasta de comida irritantemente humilde. Nerd incurável de café. Especialista em mídia social."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *