Tocantes cenas de fuga das presas de fogo

Bombeiros na Espanha continuam a combater vários incêndios florestais. Entre outras coisas, as chamas a cerca de 60 quilômetros da cidade de Alicante, na província de Valência, no sudeste do país, destruíram cerca de 3.500 hectares de floresta desde sábado. Outro grande incêndio está acontecendo perto da cidade de Saragoça, no nordeste da Espanha, onde 1.500 pessoas tiveram que deixar suas casas.

Cerca de 1.000 pessoas foram evacuadas de suas casas devido a um incêndio perto de Alicante. Na zona de Valência, os bombeiros também combatem outros dois pequenos incêndios, informa a televisão nacional RTVE.

Outro grande incêndio está ocorrendo a cerca de 70 quilômetros a oeste da cidade de Saragoça, na província de Aragão. Cerca de 1.500 pessoas foram forçadas a deixar suas casas na área no último fim de semana. O fogo ainda não está controlado e já destruiu 8.000 hectares de terra.

No entanto, a situação acalmou-se um pouco perto da cidade de Múrcia, no sul do país, onde o fogo foi desencadeado por um raio.

O incêndio mais destrutivo desde o início do ano alastrou-se em Espanha a cerca de 270 quilómetros a noroeste de Madrid, perto da cidade de Zamora e perto da fronteira com Portugal. Segundo relatos locais, os bombeiros conseguiram controlá-lo no fim de semana.

Desde 17 de julho, 31.500 hectares de floresta e arbustos foram queimados nele.

Uma seca que já dura meses, um calor intenso que os especialistas atribuem às mudanças climáticas e o ar muito seco contribuíram para o surto e a propagação de incêndios em todo o país. O risco de incêndio permanece extremamente alto em várias regiões, incluindo Andaluzia, Aragão e Catalunha.

Este ano já é o ano mais destrutivo para a Espanha em termos de incêndios florestais desde o início do monitoramento.

Um número recorde de incêndios florestais na Europa este ano

Os incêndios devastaram quase 660.000 hectares de terra na Europa este ano, um recorde para esta parte do ano desde que a coleta de dados começou em 2006, de acordo com o Sistema Europeu de Informação sobre Incêndios Florestais (EFFIS). Devido aos incêndios deste ano, muitos europeus foram forçados a deixar suas casas, e os incêndios destruíram um grande número de edifícios e áreas florestais em países da UE, incluindo Áustria, França, Grécia, Croácia, Itália, Portugal, Espanha, Romênia e Eslovênia.

“2022 já é um ano recorde, logo abaixo de 2017,” disse o coordenador do EFFIS Jesus São Miguel e avisou que a temporada de incêndios ainda está acontecendo. Em 2017, 420.913 hectares de terra foram queimados até 13 de agosto e, no final do ano, o número aumentou para 988.087 hectares.

Embora milhares de bombeiros tenham passado quase duas semanas tentando apagar o maior incêndio florestal da história recente da Eslovênia no Karst esloveno em julho, a Espanha foi a mais afetada pelos incêndios deste ano. Lá, os vaga-lumes destruíram 244.924 hectares de terra até agora este ano, de acordo com dados do EFFIS, com base em dados de satélite do Serviço de Monitoramento Atmosférico Copernicus (CAMS) da UE. Segue-se a Roménia com 150.528 hectares e Portugal com 77.292 hectares.

CONSULTE MAIS INFORMAÇÃO

‘Kras precisa de tempo e paz para se curar’

Desde 2010, especialistas notaram uma tendência crescente no número de incêndios no centro e norte da Europa e em países onde os incêndios florestais não são tão comuns, disse San-Miguel.

A Europa foi atingida este ano por uma série de ondas de calor, uma seca histórica e vários incêndios florestais que, segundo especialistas, são resultado das mudanças climáticas causadas pelo homem. Ao mesmo tempo, há avisos de que as ondas de calor provavelmente serão ainda mais frequentes e mais longas no futuro.

Já na sexta-feira, o CAMS anunciou que 2022 registrou atividade recorde de incêndios no sudoeste da Europa. Eles também destacaram que este ano está em quarto lugar em termos de quantidade de emissões de carbono causadas por incêndios.

Egídio Pascoal

"Estudante. Especialista em web. Guru da música. Especialista em bacon. Criador. Organizador. Típico viciado em viagens. Estudioso de café. Explorador."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.