Um grupo de países pede à UE que limite os preços do gás

BRUXELAS, 27 Set (Reuters) – Um grupo de países da União Europeia está pressionando Bruxelas a apresentar planos para limitar os preços da gasolina em todo o bloco nesta semana, de acordo com uma carta vista pela Reuters na terça-feira.

No início deste mês, a UE propôs um pacote de medidas emergenciais para combater o aumento dos preços da energia, mas ficou longe dos tetos dos preços do gás que dividiram os 27 estados membros do bloco.

Os apoiadores aumentaram a pressão sobre Bruxelas com uma carta pedindo à Comissão Europeia que apresente propostas sobre limites de preços do gás para discussão em uma reunião de ministros de energia da UE na sexta-feira, seguida de uma proposta legislativa o mais rápido possível.

Inscreva-se agora para ter acesso gratuito e ilimitado ao Reuters.com

“Reconhecemos os esforços da Comissão e as medidas que tomou para enfrentar a crise, mas ainda precisamos resolver a questão mais premente dos preços do gás natural no atacado”, disse a carta ao comissário de Energia Khatri. Veja Simpson e Reuters.

O documento foi assinado por ministros de 15 países: Bélgica, Bulgária, Croácia, França, Grécia, Itália, Letônia, Lituânia, Malta, Polônia, Portugal, Romênia, Eslováquia, Eslovênia e Espanha.

A carta, vista anteriormente pela Reuters, estabelece um teto de preço para todas as transações de gás no atacado.

Ele disse que limitar os preços do gás ajudaria os países a conter “pressões inflacionárias inaceitáveis” que afetam famílias e empresas e poderia ser projetado para garantir a segurança do abastecimento.

Outros países se opõem a limitar os preços do gás, levantando dúvidas sobre se algum plano da UE ganhará apoio suficiente.

Alemanha, Holanda e Dinamarca dizem que o aumento de preços pode ameaçar a segurança do abastecimento ao minar a capacidade da UE de atrair suprimentos de gás neste inverno.

A Rússia cortou o fornecimento de gás para a Europa desde que o Ocidente impôs sanções a Moscou depois que a Rússia invadiu a Ucrânia, deixando os países lutando por suprimentos alternativos.

Até agora, a Comissão Europeia propôs medidas de emergência da UE, incluindo impostos repentinos sobre os lucros das empresas de energia e reduções no consumo de eletricidade.

Os países da UE estão negociando essas propostas e planejam aprová-las em uma reunião de ministros de energia da UE na sexta-feira.

Inscreva-se agora para ter acesso gratuito e ilimitado ao Reuters.com

Reportagem de Gabriela Pacinska; Escrito por Sabine Siebold; Edição: Jonathan Otis

Nossos padrões: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.

Victória Ramos

"Entusiasta de comida irritantemente humilde. Nerd incurável de café. Especialista em mídia social."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *