Um novo golpe para os pais da menina Maddie, que desapareceu misteriosamente há anos (FOTO)

pai da menina britânica Madeleine McCannque desapareceram durante férias familiares em Portugal em 2007, perderam o processo no Tribunal Europeu dos Direitos do Homem (TEDH), que intentaram contra o inspetor português que inicialmente liderou a investigação do caso, devido à alegada violação do seu direito de vida privada e familiar.

O desaparecimento da menina de três anos na época desencadeou várias investigações policiais em toda a Europa, que não renderam uma resposta definitiva, pois a menina ou seu corpo nunca foram encontrados.

Este ano, um alemão foi identificado como o principal suspeito Christian Brücknerque foi condenado no passado pelo estupro de uma turista americana de 72 anos em 2005 na cidade portuguesa da Praia da Luz, onde Maddie também desapareceu dois anos depois.

A polícia inicialmente suspeitou que seus pais a mataram

Madeleine McCann, ou Maddie, desapareceu no dia 3 de maio de 2007 de um apartamento na Praia da Luz, Portugal. FOTO: Reuters

A polícia inicialmente suspeitou que a menina poderia ter morrido em um acidente e que seus pais Gerry McCann e Kate Healy escondeu o corpo e encenou o sequestro.

Em 2008, é inspector português Gonçalo Amaral, que primeiro liderou a investigação sobre o desaparecimento, repetiu essas afirmações em um livro, levando os pais a abrir um processo por difamação contra ele. Eles ganharam o processo, mas foi posteriormente anulado pelo Supremo Tribunal Português, então eles o apresentaram ao TEDH em Estrasburgo.

Os cônjuges, caso contrário, ambos médicos, afirmaram que as acusações de Amaral prejudicaram suas reputações e violaram seu direito à vida privada e familiar, enquanto a decisão do Supremo Tribunal supostamente violou seu direito de serem presumidos inocentes.

No entanto, no acórdão hoje publicado, o TEDH constatou que as denúncias de Amaral constavam de relatórios oficiais da polícia, aos quais os meios de comunicação também tiveram acesso, ainda antes da publicação do livro. O tribunal também observou que o livro só foi publicado depois que a promotoria já havia encerrado o processo relacionado à investigação dos pais por suposta encenação do sequestro.

Eles acreditam que as alegações tiveram um efeito prejudicial na busca

“Mesmo se assumirmos que a reputação dos queixosos foi prejudicada, não foi por causa do argumento apresentado pelo autor do livro, mas por causa das suspeitas que foram expressas contra eles”, afirmou o tribunal na decisão.

Reagindo ao veredicto, os pais disseram que estavam “claro desapontados” e que agiram por um único motivo – por causa das “alegações infundadas” de Amaral que tiveram um “efeito prejudicial na busca por Madeleine”.

Se o público acreditasse que estava envolvido em seu desaparecimento, as pessoas deixariam de prestar atenção a possíveis vestígios e não reportariam informações relevantes às autoridades policiais, informa a agência de notícias francesa AFP.

Renata Saldanha

"Viciado em álcool incondicional. Solucionador de problemas ao longo da vida. Especialista em bacon. Defensor de viagens. Praticante de TV orgulhoso. Explorador freelance. Leitor amador."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *