Um recorde de 40 graus Celsius na ilha, a onda de calor na Europa vai durar pelo menos mais uma semana



Temperaturas recordes foram medidas na ilha. Foto: EPA

De acordo com dados provisórios do Serviço Meteorológico Britânico, o mercúrio ultrapassou os 40 graus Celsius pela primeira vez na história do país, nomeadamente no aeroporto de Heathrow, em Londres, onde foram medidos 40,2 graus Celsius às 12h50 O recorde anterior de 38,7 graus Celsius de 2019 ficou aquém do novo recorde de hoje, quando 39,1 graus Celsius foi estabelecido em Chralwood.

O Reino Unido está se preparando para uma onda de calor desde a semana passada, quando uma onda de calor se move para o norte da Europa. Já na segunda-feira, 38,1 graus Celsius foram medidos em Suffolk, no leste da Inglaterra.

As autoridades britânicas emitiram um alerta vermelho há alguns dias, alertas de calor extremo já foram emitidos para o centro, norte e sudeste da Inglaterra.

Por causa do calor intenso, também há problemas no trânsito. Voos e trens foram cancelados no aeroporto de Luton, em Londres, porque parte da pista derreteu ou dobrou devido à alta temperatura, relata a BBC.


Após a noite mais quente da história do Reino Unido, eles também estabeleceram um recorde de temperatura.  Foto: Reuters
Após a noite mais quente da história do Reino Unido, eles também estabeleceram um recorde de temperatura. Foto: Reuters

Onda de calor por mais uma semana

A Organização Meteorológica Mundial (OMM) disse que a onda de calor na Europa pode atingir seu pico hoje, mas até meados da próxima semana as temperaturas permanecerão acima da atual e acima da média, de acordo com estimativas de modelos de computador.

O secretário-geral da OMM, Petteri Taakas, alertou que no futuro esperamos um número muito maior de ondas de calor devido às mudanças climáticas e ao aquecimento global. “No futuro, esses tipos de ondas de calor serão normais e veremos extremos ainda mais fortes”. disse Taalas.

A OMM espera um aumento no número de mortes entre os idosos e aqueles com problemas de saúde existentes devido às altas temperaturas, além de alertar que as ondas de calor contínuas serão um desafio para os sistemas de saúde devido à sobrecarga no futuro.

Um apocalipse de calor na França

Na França, onde já foram medidos 42 graus Celsius na cidade de Nantes na segunda-feira, eles se preparam para um “apocalipse de calor”.

Nos últimos dias, mais de 30.000 pessoas tiveram que deixar suas casas devido aos incêndios florestais no país e agora estão alojadas em abrigos temporários. O Gironde, um departamento turístico popular no sudoeste da França, é particularmente atingido. Até 17.000 hectares de terra foram queimados desde a última terça-feira.

Tudo o que posso pensar é que é um monstro“, o presidente da região descreveu a fúria dos dentes de fogo Jean-Luc Gleyze. “É um monstro como um polvo, cresce e cresce e cresce e se espalha em todas as direções. Devido à (alta) temperatura, vento e falta de umidade no ar, é como um monstro que é muito difícil de combater,” ele adicionou.

Os meteorologistas prevêem que a situação na França se estabilize um pouco nos próximos dias.

Na Holanda, mercúrio até 39 graus Celsius

Na Holanda, na segunda-feira, foi confirmado o dia mais quente do ano, quando Westdorpe no sudoeste do país mediu 33,6 graus Celsius, hoje a temperatura deverá ser seis graus Celsius mais alta.

A onda de calor já se deslocou para o norte do velho continente – são esperados 40 graus Celsius na Bélgica e na Alemanha.

Em Portugal, entretanto, foi medido um recorde de julho, de até 47 graus Celsius. Mais de 300 pessoas foram evacuadas da cidade no norte de Murça devido a incêndios florestais.


Pelo menos 20 incêndios florestais ainda estão ativos na Espanha.  Também está queimando no sul da Bósnia Herzegovina e na França.  Foto: EPA
Pelo menos 20 incêndios florestais ainda estão ativos na Espanha. Também está queimando no sul da Bósnia Herzegovina e na França. Foto: EPA

A União vai comprar aeronaves adicionais para combater os incêndios

A União Europeia iniciou negociações para comprar mais aeronaves de combate a incêndios para lidar com o aumento do risco e a crescente frequência de incêndios florestais graves, disse o comissário europeu para gerenciamento de crises à Reuters na segunda-feira. Janez Lenarčič.

Os aviões serão tecnicamente comprados pelos estados membros, mas serão totalmente financiados pela União Europeia”, explicou o comissário, que não quis revelar quais as empresas que vão fornecer estes aviões, pois as negociações ainda estão em curso.

O Centro de Coordenação de Resposta a Catástrofes, mecanismo de proteção civil da União Europeia, permite atualmente o destacamento de 12 aeronaves e um helicóptero de combate a incêndios da frota conjunta rescEU. Mas com a expectativa de que a necessidade de intervenções só aumente, a UE investirá em aeronaves adicionais para responder a desastres.

Lenarčič disse que este ano já recebeu cinco pedidos de ajuda da frota rescEU, e no ano passado um total de nove em todo o verão, embora a temporada de incêndios possa durar até setembro. Este ano, a UE já enviou aviões de combate a incêndios a Portugal, França e Eslovénia, e enviou 200 bombeiros à Grécia para ajudar as equipas locais.

O ano passado foi a segunda pior temporada de incêndios florestais na UE até agora – mais de meio milhão de hectares de terra queimados. De acordo com as estatísticas, este ano não é melhor.

A UE vai comprar mais aviões de combate a incêndios

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.