Os croatas voaram alto, mas caíram

Lens – Os jogadores croatas voaram alto, mas caíram nas oitavas de final do Campeonato Europeu, na França. Z 1:0 foram eliminados por Portugal, que marcou o golo da vitória no prolongamento, aos 117 minutos o homem da decisão foi suplente Ricardo Quaresma. Ele já tentou finalizar o contra-ataque Cristiano Ronaldomas é sua tentativa Daniel Subasic ainda defendeu, mas apenas chutou para Quaresma, que a colocou no gol vazio sem problemas. Os portugueses vão defrontar os polacos nos quartos-de-final, hoje o galês também garantiu um lugar entre os oito primeiros.

Os espectadores esperavam um deleite de futebol, mas no primeiro tempo eles conseguiram uma canção de ninar completa sem um pingo de emoção. Após o intervalo principal, o jogo melhorou um pouco, mas faltou o toque final. Na parte regular, as equipas, curiosamente, nem remataram na baliza do rival, completamente afastados do jogo e despercebidos, sobretudo o primeiro craque português, Ronaldo. Na prorrogação, os croatas estiveram mais com a posse de bola e mais próximos da vitória, Ivan Perišić ele também acertou o travessão aos 116 minutos, e Quaresma puniu a ineficiência do outro lado com o seu oitavo gol com a camisa do emblema nacional.

Cristiano Ronaldo acordou pouco antes da fase eliminatória. Foto: Francisco Leong/AFP.

PRIMEIRA METADE

treinador português Fernando Santos está no onze inicial para atacar ao lado do superstar Cristiano Ronaldo também colocou o jogador de 29 anos do Fenerbahce Naniaque assim se tornou o quarto português com pelo menos cem jogos com a camisola do emblema nacional – depois de Ronaldo, Luís Figo e Para Fernando Couto. Companheiro de Cristiano Ronaldo no clube campeão europeu Real voltou à seleção croata Luka Modricque teve que perder a partida anterior contra o atual campeão espanhol (2:1).

Os croatas entraram na partida com uma equipe excepcional, pois perderam apenas uma das últimas dez partidas em campeonatos europeus. Ao mesmo tempo, registrou seis vitórias e três empates. Em todos os sentidos, esperava-se que o final do primeiro dia das batalhas de eliminação fosse um deleite futebolístico, mas o início da partida não prometia isso. Na primeira metade do primeiro tempo, nenhum deles atirou na baliza adversária, e os espectadores no estádio Bollaert-Delelis ficaram entediados e assistiram à canção de ninar regular sem um pingo de emoção.

Aos 25 minutos, porém, as arquibancadas foram abaladas por uma paralisação a favor dos portugueses. Adriano Silva ele passou a cobrança de falta para a área de pênalti, ele estava lá Pepe em uma posição proibida, que o árbitro não viu, então o experiente zagueiro do Real, de 33 anos, chutou de cabeça, mas com ousadia por cima do gol. O resultado não mudou no confronto tático entre os dois selecionadores, que não quiseram correr riscos. Depois de exatamente meia hora de jogo, fazia calor na grande área portuguesa, Ivan Perišić disparou em direção ao poste mais próximo, mas acertou apenas a parte de fora da rede.

Os fãs esperavam pelo menos uma pitada de ação em vão, mas seria difícil escrever algo inteligente sobre o primeiro tempo. Nenhuma das equipas teve um único remate à baliza, também não houve muitas quebras (cantos 2:1 a favor da Croácia), apenas a posse de bola – 60% – estava firmemente do lado do lado “cortado”. Então a primeira parte não satisfez os gourmets, foi mediana, mas igual, as equipes não ousaram arriscar.

SEGUNDO TEMPO

As estatísticas mediram que o primeiro médio do português Cristiano Ronaldo só tocou na bola dezenove vezes nos primeiros 45 minutos, mas nenhuma vez na grande área adversária. A segunda parte começou um pouco mais animada, e o técnico Fernando Santos indicou que queria um ataque mais ágil logo na primeira mudança. Em vez de André Gomes a oportunidade foi dada a um jovem de apenas 18 anos Renato Sanchesfilho do Benfica, que vai vestir a camisola do gigante bávaro Bayern na próxima época.

Pela primeira vez, os croatas mostraram os dentes aos 52 minutos, quando rapidamente cobraram um escanteio, a bola chegou Marcelo Brozovic, que correu mais (seis quilômetros de espessura) entre todos os jogadores no primeiro tempo, e disparou desde o primeiro, mas depois de sua tentativa a bola voou para as nuvens. No entanto, são escolhidos pelo ex-técnico do Maribor Antej Čačić, que só unificou as estrelas “cortado”pelo menos indicou como seria possível romper a defesa do rival.

Nos primeiros quinze minutos do segundo tempo, Ronaldo foi completamente afastado do jogo. Os croatas continuaram a tentar pressionar a baliza adversária, voltaram a estar perto de si após o intervalo – um passe de livre encontrou a cabeça Vídeo Domagoj, que errou um pouco e mandou a bola passar pela trave esquerda da baliza portuguesa. Do outro lado, estava quente depois de um cruzamento para a grande área, Nani tentou um cabeceamento, mas os dispositivos de medição não funcionaram bem para ele.

O treinador croata não fez nenhuma alteração até aos 75 minutos, o português ainda manteve três craques no banco, que não encontrou lugar no onze inicial – Ricardo Carvalho, João Moutinho e Vieirinho. O final da temporada regular foi tão chato quanto o primeiro tempo, nada aconteceu nas duas áreas, parecia que as equipes estavam esperando a prorrogação. Os croatas tiveram a última palavra no final do segundo tempo com um escanteio, mas Ronaldo, que estava completamente invisível na sua grande área, interveio. O tempo extra poderia, portanto, começar.

No tempo regulamentar, as equipes não tiveram sequer um chute a gol. Foto: Benoit Tessier/Reuters.

PRIMEIRA EXTRA

Os croatas não conseguiram de forma alguma enfrentar a resistência portuguesa, embora todas as estatísticas estivessem fortemente do seu lado. Eles tinham 59% de posse de bola e uma proporção muito melhor de oportunidades de gol (8:3), cobranças de falta (23:9) e escanteios (4:1), mas o que mais entristeceu os torcedores do Lens foi o fato de que nenhum time acertou o gol do adversário nem uma vez na temporada regular. Se os selecionadores não quisessem arriscar nos primeiros 90 minutos, ficou claro que haveria ainda menos chances de marcar na prorrogação.

Aos 96 minutos, primeira falta de concentração da defesa portuguesa, deixou o lateral sozinho na frente do guarda-redes Rui Patrício encontrou um reservista Nikola Kalinicque anteriormente substituiu Mario Mandžukić, mas falhou na escola primária e com razão agarrou sua cabeça. Mesmo antes de mudar de lado após o final da primeira prorrogação, ele se machucou no plantel de Čačić Vedran ČorlukaA Croácia teve um jogador a menos em campo por alguns momentos/minutos.

SEGUNDO TEMPO ESTENDIDO

Aos 113 minutos, eles “cortado” se encontraram em uma oportunidade excepcional após um passe de canto. A viagem do guarda-redes Rui Patricio terminou no relvado, mas o árbitro espanhol não viu a falta de Kalinic sobre ele. Domagoj Vida tentou um cabeceamento – pela segunda vez na partida – mas novamente não teve a sorte de balançar a rede portuguesa. Foi, pelo menos parecia, uma das últimas tentativas da Croácia de conquistar um bilhete para as quartas de final antes “loteria” tiros de onze metros. Aos 116 minutos, Perišić fez uma bela jogada e passou na frente do gol, mas estava vazio.

O jogo realmente ganhou vida. Na jogada seguinte, Perišić voltou a ter o papel principal, mas em vez da baliza, apenas acertou no poste, e o português levou a bola para um contra-ataque vitorioso. Do outro lado da área, Nani viu Ronaldo, que recebeu lindamente a bola e atirou num relâmpago, o goleiro Daniel Subasic ainda domou sua tentativa, mas o rebote caiu direto no pé do substituto Ricardo Quaresma, que ele simplesmente empurrou sem obstáculos para a rede croata vazia. As esperanças de nossos vizinhos do sul acabaram, embora tenham mostrado os dentes mais algumas vezes até o final, finalmente em seus últimos suspiros, quando Vida errou por pouco o poste certo.

CROÁCIA : PORTUGAL 0:1 (0:0, 0:0, 0:0)

Sagitário: 0:1 – Ricardo Quaresma (Cristiano Ronaldo, 117º).

Croácia (4-2-3-1): Danijel Subašić, Ivan Strinić, Domagoj Vida, Vedran Čorluka, Darijo Srna, Milan Badelj, Luka Modrić, Ivan Perišić, Ivan Rakitić, Marcelo Brozović, Mario Mandžukić. Seletor: Ante Čačić.

Portugal (4-4-2): Rui Patricio, Raphael Guerreiro, José Fonte, Pepe, Cedric Soares, André Gomes, William Carvalho, Adrien Silva, João Mário, Cristiano Ronaldo, Nani. Técnico: Fernando Santos.

Egídio Pascoal

"Estudante. Especialista em web. Guru da música. Especialista em bacon. Criador. Organizador. Típico viciado em viagens. Estudioso de café. Explorador."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.