Aj Vejvej escolheu Portugal para a sua nova casa – e espaço de exposições



Logo na entrada, o visitante é recebido pela instalação Forever Bicycles, de 2015, uma escultura gigante feita com 950 bicicletas de aço inoxidável. Foto: AP

Aj Weiwei é conhecido como um crítico severo do governo chinês.  Em abril de 2011, a polícia chinesa o prendeu no aeroporto de Pequim, de onde seguiria para Hong Kong.  Ele foi solto sem acusações após três meses sob custódia, mas foi acusado de sonegação de impostos e teve US$ 2,4 milhões confiscados e proibido de deixar o país.  Foto: AP
Aj Weiwei é conhecido como um crítico severo do governo chinês. Em abril de 2011, a polícia chinesa o prendeu no aeroporto de Pequim, de onde seguiria para Hong Kong. Ele foi solto sem acusações após três meses sob custódia, mas foi acusado de sonegação de impostos e teve US$ 2,4 milhões confiscados e proibido de deixar o país. Foto: AP

O artista de renome mundial, que foi forçado a deixar a China em 2015, passou os primeiros anos na Alemanha e depois na Inglaterra; há dois anos mudou a sua residência permanente para Portugal, o que acabou por ser a melhor decisão. “Não tenho planos de me mudar para lugar nenhum. Tenho um ótimo pressentimento sobre Portugal”, disse ele em entrevista coletiva um dia antes da inauguração da exposição na sexta-feira.

A fábrica de cordas abandonada vive como um espaço de exposição
Para comparação: quando é ah Uau expôs em São Paulo em 2018, teve mais espaço expositivo à sua disposição do que tem atualmente em Lisboa, mas agora, apesar disso, voltou a colocar tantos trabalhos em exposição. Exibição Êxtase ela encontrou um lugar no longo, baixo halli junto à costa marítima, onde funcionou um moinho de cordas desde o século XVIII; agora vive como um showroom cordoaria Nacional.

A seleção de 85 obras que expôs inclui algumas de suas obras mais famosas exposições do passado, assim como várias novas obras de arte criadas em Portugal. Logo à entrada, o visitante é recebido pela instalação Para todo sempre bicicletas de 2015, gigante escultura de rodas de aço inoxidável 950. Também está em exibição Aev o famoso bote salva-vidas inflável que está lotado de figuras humanas e isso é claro referência à crise dos refugiados.


Nos anos desde que a Europa lidou com a crise dos refugiados, o artista mudou sua crítica para o Ocidente.  A instalação, intitulada The Law of Travel, é dedicada às milhares de pessoas que se afogaram enquanto fugiam pelo Mar Mediterrâneo.  Foto: AP
Nos anos desde que a Europa lidou com a crise dos refugiados, o artista mudou sua crítica para o Ocidente. A instalação, intitulada The Law of Travel, é dedicada às milhares de pessoas que se afogaram enquanto fugiam pelo Mar Mediterrâneo. Foto: AP


“Não tenho pátria porque a China me rejeitou desde que nasci. Quem conhece seu destino não é mais um refugiado. Sou um refugiado”, declarou em 2019 ao deixar a Alemanha. “A Alemanha não é uma sociedade aberta. É uma sociedade que quer ser aberta, mas acima de tudo quer se proteger. A cultura alemã é tão forte que realmente não pode aceitar outras ideias e argumentos.” Foto: EPA

Embora ah exibe muitas instalações conhecidas, trabalhos de vídeofotos e esculturasmas adverte que a maioria desses trabalhos”ela nunca se conheceu“, então agora, pela primeira vez, todos eles são exibidos em um só lugar.

Você provavelmente ainda se lembra: Em 2011, Ai foi preso no aeroporto de Pequim pelas autoridades chinesas e depois detido por 81 dias sem qualquer justificativa; fazia parte de uma campanha mais ampla para reprimir dissidente atividade. Depois de recuperar o passaporte, o artista mudou-se para a Europa.

Uma homenagem à tradição artesanal portuguesa
Durante as suas viagens por Portugal, visitou muitas manufacturas tradicionais que ainda trabalham com métodos e materiais antigos como o mármore, azulejos pintados à mão, cortiça e têxteis. Quando ele começou a experimentar esses novos elementos, eles surgiram auto-retrato uma estátua de cortiça, um mapa-múndi têxtil recortado, um tapete de 40 metros e um cilindro de mármore com quase dois metros de altura.


Em um dos projetos de maior destaque, ele fez cabeças de rato, boi, tigre, coelho, dragão, cobra, cavalo, carneiro, macaco, galo, cachorro e porco e acrescentou bases a elas.  Ao fazê-lo, inspirou-se - seguiu os sete originais preservados, desenhou cinco cabeças de novo - nas cabeças mais pequenas do horóscopo chinês do século XVIII, feitas por dois jesuítas da Europa para a corte da dinastia Qianlong e que outrora decorava a fonte da antiga residência de verão em Pequim.  O poço foi danificado em 1860 pelas tropas francesas e britânicas.  Foto: AP
Em um dos projetos de maior destaque, ele fez cabeças de rato, boi, tigre, coelho, dragão, cobra, cavalo, carneiro, macaco, galo, cachorro e porco e acrescentou bases a elas. Ao fazê-lo, inspirou-se – seguiu os sete originais preservados, desenhou cinco cabeças de novo – nas cabeças mais pequenas do horóscopo chinês do século XVIII, feitas por dois jesuítas da Europa para a corte da dinastia Qianlong e que outrora decorava a fonte da antiga residência de verão em Pequim. O poço foi danificado em 1860 pelas tropas francesas e britânicas. Foto: AP

Mediterrâneo no coração
Curadora da exposição, brasileira Marcelo Dantasele também lembrou na conferência de imprensa que ah aterrissou em Portugal pela primeira vez um dia em 2019, às oito da manhã. Ao meio-dia ele já havia comprado uma casa perto da cidade montemore-o-Novo, cerca de cem quilómetros a sudeste de Lisboa. “Eu sempre tomo decisões com base no meu instinto”, o artista conta sobre isso. “Sinto-me confortável aqui. Foi provavelmente a melhor decisão que já tomei.” Na Península Ibérica, gosta do ritmo de vida relativamente lento, das pessoas que lhe parecem”muito aberto”Comida “muito aceitável” e muito sol.

O período de circulação restrita e encerramento geral devido à epidemia revelou-se “tempo muito produtivo“. No último ano, além de todas as novas obras de arte, realizou ainda três longas-metragens. Ainda este ano, vai publicar um novo livro e abrir mais uma exposição, desta vez no Porto.

Estela Costa

"Leitor freelance. Introvertido premiado. Defensor do café. Especialista incondicional em bacon. Escritor amigável."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *