Al-Tavadi admitiu: Entre 400 e 500 trabalhadores morreram em conexão com a Copa do Mundo



O Catar destinou mais de US$ 200 bilhões para infraestrutura para a Copa do Mundo. Foto: AP

De acordo com dados oficiais anteriores dos organizadores da Copa do Mundo, três pessoas morreram nas obras do estádio no Catar. “A estimativa é de 400, entre 400 e 500. Não tenho um número exato”, Al-Tawadi respondeu quando questionado sobre o número real de trabalhadores migrantes que morreram como resultado de seu trabalho para a Copa do Mundo.

O comitê organizador ainda não forneceu dados oficiais sobre o número total de trabalhadores migrantes que morreram em conexão com a fase final no estado do Golfo. Uma reportagem sensacionalista do British Guardian do início do ano passado falava em mais de 6.500 trabalhadores mortos de cinco países asiáticos em canteiros de obras no Emirado nos últimos dez anos. O Catar sempre negou essa informação.

Na conversa, Al-Tavadi voltou a enfatizar as reformas do Catar, que, segundo ele, melhoraram significativamente as condições dos trabalhadores nos canteiros de obras nos últimos anos. Muitas federações europeias de futebol estão defendendo o estabelecimento de um fundo de compensação para os trabalhadores migrantes no Catar e o estabelecimento de seu centro em Doha.

Egídio Pascoal

"Estudante. Especialista em web. Guru da música. Especialista em bacon. Criador. Organizador. Típico viciado em viagens. Estudioso de café. Explorador."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *