Census England: Mudanças sem precedentes na Europa

Com uma inundação crescente de novos migrantes na Europa, tanto legais quanto ilegais, os resultados do novo censo na Inglaterra e no País de Gales receberam muita atenção nas últimas semanas.

O Reino Unido, do qual os dois países fazem parte, é um dos países de destino mais desejados para migrantes no mundo. Isso também foi demonstrado por novas descobertas, que confirmam as previsões sobre uma Europa Ocidental cada vez mais multicultural e etnicamente misturada e também prevêem mudanças nos próximos anos.

Na ilha, o censo é organizado, assim como aqui, a cada dez anos. Nela, ao contrário da Eslovênia, ainda perguntam sobre dados relativos à identidade étnica e religiosa. Em comparação com os resultados de décadas atrás, o país vive as mudanças demográficas mais radicais, como não via há quase dois mil anos.

Mudanças radicais nas cidades

Em apenas dez anos, a proporção de residentes com raízes na Ilha, para os quais o censo usa o rótulo de “britânicos brancos”, caiu de 82,8 para apenas 74,7. A mudança é ainda mais radical se olharmos uma década para trás, já que desde 2001 a participação caiu cerca de 15 pontos percentuais. Em outras palavras, a parcela da população de raízes não britânicas aumentou de menos de um décimo para mais de um quarto em todo este século.

Na capital inglesa, que é o destino mais procurado pelos migrantes, as mudanças são ainda mais significativas. Nos vinte anos, a participação indígena caiu de uma maioria de 59,8% para pouco mais de um terço de 36,8%, e em trimestres individuais até abaixo de 10%. Em sua própria capital e na sede de sua monarquia, os britânicos estão, portanto, em minoria. Ao contrário de algumas conclusões, isso não significa que as pessoas de origem não européia sejam maioria, já que os migrantes brancos não estão incluídos na parcela dos nativos, que com sua contribuição ajudam a manter uma estreita maioria branca na cidade.

A Londres tradicionalmente mista não é palco das maiores mudanças nas últimas décadas. Na segunda maior cidade, Birmingham, os britânicos nativos caíram de uma forte maioria de 71% para uma minoria de 48,6%, e um dos exemplos mais radicais das consequências da imigração é a cidade de Leicester, no centro da Inglaterra, que é comparável em tamanho a Ljubljana. Na década de 1930, a proporção da população indígena caiu mais da metade, de 96,6% para apenas 40,9%. A cidade é elogiada como um bom exemplo de “diversidade harmoniosa”, mas também como palco de violência e tumultos interétnicos e inter-religiosos, semelhantes à Inglaterra.

Por enquanto, o campo ainda é homogêneo

Como uma espécie de contrapeso às mudanças, o interior inglês permanece, principalmente nas regiões norte e oeste do país, e nas cidades menores que as cercam. A população branca também emigra em boa parte das cidades. O país está, assim, cada vez mais dividido em dois mundos, um multicultural etnicamente misturado que lembra os Estados Unidos ou o Brasil, e um ainda autêntico europeu ou inglês, como é conhecido e ainda pode ser experimentado.

Mudanças profundas na composição religiosa

Mudanças radicais também são visíveis na composição religiosa. Pela primeira vez na história, menos da metade, ou seja, 46,2%, se identificaram como cristãos em um país com uma Igreja estatal da Inglaterra. Estas últimas tendências demográficas, que não são de forma alguma uma garantia, prevêem até um desaparecimento completo em apenas algumas décadas, mas ainda existem muitas outras igrejas e comunidades cristãs.

A queda de cristãos em apenas uma década de 59,3% pode ser atribuída, além da imigração, ao processo de secularização, que continua no nível demográfico. A parcela de pessoas religiosamente indefinidas aumentou de um quarto para 37,2%. Devido aos recém-chegados, a participação de todas as outras religiões também aumentou. O Islã saltou assim um terço em uma década, de 4,9% para 6,5%. O cristianismo é o único que está perdendo no estado. Até os satanistas podem se alegrar com o crescimento de 167% em dez anos.

Mudanças permanentes

É amplamente previsível que as tendências de imigração permaneçam, já que o Partido Conservador de centro-direita, que está no poder há doze anos, defende a migração em massa em seus planos e se opõe apenas a partidos não parlamentares, dos quais não se espera que entrar no parlamento.

O Reino Unido, liderado pela Inglaterra, é assim um dos líderes da Europa, que está aberta às mudanças promissoras para a maior parte da Europa Ocidental. As mudanças que testemunharemos e já experimentamos serão e dificilmente serão comparáveis ​​a qualquer coisa que nós, como civilização, experimentamos em nossa história até agora.

No entanto, pode acontecer que nas próximas décadas não tenhamos dados tão claros sobre o andamento do processo como hoje, pois alguns prevêem que o Reino Unido seguirá países como a Eslovênia, onde a questão da identidade étnica e religiosa será omitido.

O tempo dirá se isso realmente acontecerá, mas não há dúvida de que muitos países europeus como os conhecíamos nunca mais serão.

Brás Monteiro

"Fanático de TV ao longo da vida. Aficionado de internet irritantemente humilde. Analista. Introvertido dedicado."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *