Diário de domingo: Magdalena Grmek, Primorka de Luxemburgo: As pessoas falam cinco línguas

“Os luxemburgueses falam cinco línguas. Em Portugal, as pessoas acharam incrível quantas línguas eu conheço, porque além do esloveno, falo inglês e um pouco de português, o que não é um excesso no Luxemburgo. É interessante ver como as pessoas falam aqui alterna entre os idiomas, para que, como estrangeiro, você não tenha problemas de comunicação. “O luxemburguês é semelhante ao alemão, mas fora isso você pode conversar tranquilamente em inglês, francês ou alemão aqui na loja”, diz Magdalena Grmek, que se mudou para lá depois de um ano a visitar regularmente o Luxemburgo, onde já residia o namorado, ela e o namorado, que é português, anteriormente residiam em Portugal, mas mudaram-se porque ele também queria experiência de trabalho no estrangeiro.

A mudança para outro país não foi um grande empreendimento para a entrevistada por causa de suas experiências anteriores desse tipo. “Estou tão acostumada que para mim é quase como ir a algum lugar no fim de semana. Claro, era mais fácil porque o menino já tinha um apartamento aqui.”

A chegada ao novo ambiente também foi fácil devido à burocracia luxemburguesa. “Isso é rápido e bastante fácil, especialmente em comparação com Portugal, onde, por exemplo, para obter um número de contribuinte é necessário vir ao escritório com alguém que já o tenha. No entanto, fiquei surpreso com o nível bastante baixo de digitalização no administração pública. Você deve ter as certidões em sua maioria impressas”, explica Magdalena Grmek.

Ao mesmo tempo, ele fala sobre outro exemplo de realidade “papel” em Luxemburgo. “Pelo almoço que lhe é devido quando trabalha regularmente em Portugal, recebe um cartão bancário que pode levantar numa loja ou restaurante, enquanto no Luxemburgo recebe vouchers”, diz o entrevistado, que trabalhava num carro empresa em Portugal, mas no Luxemburgo empregada no sector financeiro.

Transporte público gratuito em todo o país

O padrão de vida em Luxemburgo é alto. O salário médio é de 4.900 euros. A maior despesa é o aluguel, que para um apartamento de um quarto é em média de 1.500 a 1.700 euros por mês, Magdalena Grmek descreve a situação, enquanto os preços dos alimentos nas lojas não são muito mais altos. “Se tiveres cuidado, podes comprar maçãs na loja a dois euros o quilo, mas também vendem a cinco euros o quilo. Gasto assim cerca de 35 por cento mais em comida do que em Portugal, enquanto aqui o meu salário é quatro vezes superior. Para almoçar num restaurante no Luxemburgo, paga-se entre 15 e 20 euros.” Uma grande vantagem e especialidade de Luxemburgo é o transporte público gratuito em todo o país.


Um país seguro e pitoresco

Por viver em países diferentes, Magdalena Grmek tem dois pontos de referência quando pensa em viver em seu novo ambiente. Eslovénia e Portugal. Com as suas frequentes regras sociais, o Luxemburgo lembra-lhe a Eslovénia, e nota grandes diferenças no quotidiano português, sobretudo na forma de socializar.

“Em Portugal, é uma cultura as pessoas saírem muito, a restaurantes, o que provavelmente também é influenciado pelos preços bastante favoráveis. de dias tristes, nada te puxa para a cidade e então as pessoas ficam mais em casa.”

É interessante, porém, que entre os mais de 640.000 habitantes do Luxemburgo, existam muitos portugueses, cerca de um sexto. Especialmente entre os jovens portugueses, é popular ir para o estrangeiro para uma experiência que abre os seus horizontes e lhe dá uma visão mais abrangente do seu ambiente nativo.

Caso contrário, a vida no pequeno país rico que faz fronteira com a Bélgica, França e Alemanha é segura. A natureza e o ambiente urbano, em que história e modernidade se entrelaçam, são pitorescos. “Luxemburgo é um país familiar, mas se eu fosse solteiro, não escolheria viver aqui, porque comparado a Londres e Berlim, há muito menos acontecendo aqui. Bem, é claro, nos tempos atuais da coroa, é completamente diferente.”

A proximidade com a natureza – parques na cidade e florestas circundantes – é outra coisa que fala a favor de viver no Luxemburgo, salienta Primorka. O que ela já conhecia bem da Eslovénia e que, juntamente com a segurança social, é para ela um dos critérios de qualidade de vida.




Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.