Eder transformou a França em preto na prorrogação para o primeiro título europeu de Portugal

Saint-Denis – Na final do Campeonato da Europa, a seleção portuguesa de futebol venceu a anfitriã França por 1 a 0 após a prorrogação e conquistou o primeiro título europeu.

O herói português era reservista Ederque aos 109 minutos marcou com precisão a mais de 20 metros e transformou os franceses em preto.

A França foi assim punida por sua ineficácia na regulamentação ao não aproveitar a lesão Cristiano Ronaldo. A primeira estrela de Portugal lesionou-se aos 25 minutos, o que se fez sentir fortemente no jogo da sua seleção. Os donos da casa do campeonato tiveram uma grande vantagem e dispararam mais onze tiros (17:6, no quadro 7:1), mas conseguiram impedir suas tentativas Rui Patrício. Na prorrogação do árbitro do segundo tempo, o reserva fez uma parada perigosa André-Pierre Gignacmas ele acertou a trave.

A decisão sobre o novo campeão foi tomada no segundo tempo da prorrogação, mais precisamente aos 109 minutos, quando Eder marcou de mais de 20 metros no canto inferior esquerdo e conquistou o título para a seleção.

PERCURSO DAS FINAIS

Primeira metade

A partida começou com um jogo agressivo dos franceses, que cobriram os adversários já no seu meio-campo e forçaram alguns erros, mas não houve grandes chances.

A primeira ação significativa foi protagonizada pelos portugueses aos quatro minutos. Nani recebeu um passe profundo na grande área adversária, mas chutou por cima do gol a cerca de doze metros.

Os franceses responderam com forte pressão. é o sexto minuto Moussa Sissoko de vinte metros mandou a bola por cima do gol, e um minuto depois resolveu chutar de novo Antoine Griezmann e z falha do lado esquerdo. O mesmo jogador está no décimo minuto após o passe Dimitri Payet tentei a cabeça, mas deu certo Rui Patrício com um bom passe desviou a bola para o canto. Payet pegou e passou para a grande área, cruzou para o gol Olivier Giroudmas ele atirou em Patricia.

Os adeptos portugueses sustiveram a respiração aos 17 minutos, quando a primeira estrela da seleção nacional caiu Cristiano Ronaldo devido a fortes dores no joelho, ele se deitou no gramado. O motivo foi a dor no joelho esquerdo causada pela colisão com Dimitri Payet. Ronaldo esteve à beira das lágrimas e saiu de campo acompanhado pelos médicos, mas voltou ao relvado aos 21 minutos com um joelho enfaixado. Mas a sua presença na final não durou muito, já aos 24 minutos sentiu que as dores eram muito fortes e mostrou ao banco que precisava de uma mudança. Ele entrou em seu lugar Ricardo Quaresma.

Os franceses ditaram o ritmo no resto do tempo e ganharam a oportunidade seguinte aos 34 minutos. Moussa Sissoko exagerou no lado esquerdo da grande área Adrien Silvae encerrou a ação com um remate a Rui Patrício.

No final da primeira parte, os portugueses mostraram que podem ser perigosos mesmo sem Ronaldo. Entre os minutos 39 e 42, teve à sua disposição dois escanteios, sendo que durante esse tempo teve uma oportunidade concreta, que desperdiçou. José Fonte.

As duas equipes empataram em 0:0 no intervalo principal. Nos remates, foi 7:4 para a França (3:0 no frame), e nos cantos 3:2 para a equipa da casa.

Segundo tempo

Os selecionadores não fizeram nenhuma alteração no intervalo. A segunda parte da partida começou com leve domínio dos franceses, que tiveram apenas uma chance nos dez minutos iniciais, quando Paulo Pogba aos 54 minutos, chutou de longe por cima do gol.

O técnico da casa, Didier Deschamps, fez sua primeira substituição aos 58 minutos, substituindo Dimitri Payet por Kingsley Coman. No mesmo minuto, teve a chance o colega de seleção Griezmann, que mandou direto para Patrício após boa cobertura de Fonte.

Coman e Griezmann então protagonizaram uma ação promissora aos 66 minutos, Coman fez um passe da esquerda na frente do gol, onde Griezmann cabeceou por cima do gol de seis metros.

Os franceses continuaram a ameaçar a baliza portuguesa e fecharam aos 75 minutos por intermédio de Olivier Giroud, cujo remate da esquerda foi travado por Rui Patricio. O atacante francês deixou o campo três minutos depois e cedeu a vaga Para André-Pierre Gignac.

Aos 80 minutos, os portugueses quebraram temporariamente a pressão francesa e criaram duas oportunidades. Primeiro, Nani fez um passe perigoso na frente do gol e Hugo Lloris teve de intervir para que a bola não fosse parar à baliza, tendo o guarda-redes francês também travado um belo remate de Quaresma.

Após quatro minutos de reatamento, voltou a ser perigoso frente à baliza portuguesa. Moussa Sissoko decidiu chutar de longe e disparou no canto esquerdo, mas o confiável goleiro Patricio não se deixou abater.

Os portugueses felizmente mantiveram a rede intacta aos 92 minutos, quando Gignac venceu Patricio a seis metros, mas sua alegria foi bloqueada pelo poste esquerdo. A parte regular terminou sem gols e a prorrogação estava a caminho.

Um cabo de extensão

Nenhuma das equipes marcou na primeira parte da prorrogação. Os portugueses foram mais específicos, com quem fez uma tentativa perigosa com vantagem aos 95 minutos pepemas estava em posição proibida, e na 104ª, outro jogador reserva tentou cabecear Edermas seu chute foi interrompido por Hugo Lloris.

O árbitro Mark Clattenburg cometeu um erro aos 108 minutos que quase resultou em um gol. O atacante português Eder jogou com a mão na entrada da área adversária, Clattenburg recebeu uma bola de handebol Laurent Koscielny. Ele cobrou a falta Rafael Guerreiro e balançou a barra.

Apenas um minuto depois, os portugueses assumiram a liderança. O substituto Eder recebeu a bola a cerca de 25 metros do gol, desviou de Laurent Koscielny e acertou no canto inferior esquerdo (no vídeo abaixo). O placar não mudou até o final da partida e Portugal conquistou o primeiro título europeu.

Campeonato da Europa, final

Portugal – França 1:0 (0:0) * após prolongamento

(Eder 109.)

Portugal: Patricio, Cedric, Pepe, Fonte, Guerreiro, W. Carvalho, Mario, Adrien Silva (66. Moutinho), Renato Sanches (78./Eder), Ronaldo (25./Quaresma), Nani.

França: Lloris, Sagna, Koscielny, Umtiti, Evra, Matuidi, Pogba, Sissoko (110º/Marcial), Griezmann, Payet (58º/Coman), Giroud (78º/Gignac).

Os últimos cinco campeões europeus

2016 – Portugal

2012 – Espanha

2008 – Espanha

2004 – Grécia

2000 – França

Egídio Pascoal

"Estudante. Especialista em web. Guru da música. Especialista em bacon. Criador. Organizador. Típico viciado em viagens. Estudioso de café. Explorador."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *