Espinho de águia de viaduto de futebol no calcanhar de organizações de proteção animal



O sobrevoo da águia é uma tradição de longa data do clube. Foto: EPA

A abolição do costume foi solicitada ao clube por um cliente e uma organização não governamental que defende a proteção da natureza e dos animais, informa o STA. “Os animais selvagens não têm lugar nos esportes, mas na natureza, onde devem viver livremente”, foi crítico Inês Sousa Real, deputado do partido parlamentar português Pessoas, Animais, Natureza (PAN). A águia há muito faz parte do espetáculo do estádio Luz em Lisboa, que acomoda mais de 66.000 fãs. É costume um dos funcionários do clube entrar no elevador com uma águia treinada na mão e depois soltar o pássaro antes do apito do árbitro. Os adeptos supersticiosos acreditam que o Benfica vencerá o jogo se a águia fizer dois voos sobre as bancadas.

Peta também exige a abolição da tradição

O deputado sugeriu que o clube, que tem até uma águia no brasão, substitua o animal vivo por um de pelúcia. Antes do início do campeonato português, a organização não governamental de protecção dos animais, Peta, exigia a abolição da tradição do voo da águia. “As águias são animais solitários que não deveriam estar no ambiente estressante e barulhento de um estádio”, a organização de proteção animal escreveu em uma carta enviada ao clube. “Esses lindos animais voam através vastas extensões e passam a maior parte do tempo em árvores e caçam livremente em grandes áreas. Tal ambiente lhes causa um tremendo estresse”, eles adicionaram na organização. O Benfica terminou em terceiro na tabela classificativa da época passada. Este ano, no entanto, começou com uma vitória de 4 a 0 sobre Arouca na rodada de abertura do campeonato.

Egídio Pascoal

"Estudante. Especialista em web. Guru da música. Especialista em bacon. Criador. Organizador. Típico viciado em viagens. Estudioso de café. Explorador."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.