MIZŠ continua a política de desencorajar as pessoas da profissão docente

No verão de 2020, o Ministério da Educação, Ciência e Desporto (MIZŠ), então sob a liderança da Dra. Simone Kustec, propôs algumas alterações nas condições de promoção de profissionais da educação a títulos (que não só trazem um salário, mas também a possibilidade de obrigações adicionais de trabalho regular, por exemplo, estagiários de orientação). Com seu jeito constante, o Dr. Na época, Kustec ignorou todos – trabalhadores profissionais, diretores, Sviz… Com a cabeça enfiada na parede, eles apertaram as condições para promoção, provavelmente com o objetivo de que menos pessoas fossem promovidas para o posto mais alto, e o estado gastaria menos dinheiro em salários. A propósito, as estatísticas mostravam na época que apenas cerca de dez por cento de todos os profissionais da educação no país alcançaram o título mais alto, enquanto a parcela de funcionários com o título mais alto na administração estadual era de cerca de 90%. Assim, apesar de haver poucos funcionários no nível mais alto em todo o sistema, eles dificultavam ainda mais a promoção. Neste verão, a história se repete.

dr. Igor Papič (o ministro assinou a proposta do Regimento de Emendas e Suplementos ao Regimento de Promoção de Empregados na Área de Educação e Formação a Títulos) deu um grande passo em frente na tentativa de retardar a promoção de profissionais trabalhadores. O primeiro problema é que, como o ex-ministro, ele fez isso quase às escondidas. É verdade que a proposta é publicada publicamente no portal E-democracia, mas quantos cidadãos “comuns” consultam regularmente este portal? Especialmente durante as férias. Não se observou que anteriormente havia ocorrido qualquer diálogo entre os atores da educação sobre essa proposta. Podemos, portanto, assumir que a data de publicação da proposta em julho é estratégica para minimizar a resposta dos profissionais que estão de férias.

Um problema ainda maior é o conteúdo da proposta. Em anexo está uma carta de apresentação que pretende explicar as mudanças, mas é tão esparsa e geral que dificilmente pode ser chamada de explicação. A verdadeira razão para as mudanças é, portanto, desconhecida para nós. MIZŠ imagina que todos os profissionais (do jardim de infância ao ensino médio) também ganharão pontos de promoção publicando artigos científicos (até agora podíamos fazê-lo com artigos profissionais em revistas pedagógicas), mas as regras do que, na sua opinião, é um artigo científico não está definido em nenhum lugar. Quem e como julgará o que é um profissional e o que é um artigo científico em tal procedimento administrativo? Principalmente na educação, onde se confluem todos os campos científicos com suas especificidades de discurso profissional. Outra grande mudança de conteúdo diz respeito à aquisição de pontos por meio de contribuições em conferências internacionais. A proposta estipula: 4 pontos para uma apresentação independente em língua estrangeira na parte plenária de um congresso ou conferência internacional com trabalho substantivo de pelo menos 6 horas e com a participação de pelo menos um terço dos participantes ativos de pelo menos cinco países estrangeiros ; avalia-se a realização de uma apresentação na parte plenária de um congresso ou conferência individual com duração mínima de 20 minutos e a publicação de toda a apresentação em língua estrangeira nos anais do congresso ou conferência. O MIZŠ interveio nesta parte do livro de regras já em 2020. Mas aparentemente eles não tiveram sucesso com o aperto naquela época, e é por isso que essa parte dificulta ainda mais. Nem mesmo os professores universitários têm uma condição tão “elaborada” quanto às contribuições em conferências internacionais, mas pretendem introduzi-la em toda a vertical da educação e da formação – do jardim de infância ao ensino médio. Aplica-se, portanto, a todos os profissionais que possam avançar para o título, independentemente de seu nível de formação e experiência na redação de artigos científicos.

Os que trabalham na educação vêm notando a falta de alguns funcionários há vários anos. A situação está piorando de ano para ano (para algumas disciplinas praticamente não há novos funcionários), mas o MIZŠ não faz nada a respeito. Eles tentaram reintroduzir essas bolsas de ensino, mas isso dificilmente ajudará o sistema, já que as bolsas foram anunciadas para um número bastante limitado de perfis. O dano pessoal ao sistema educacional já foi causado pelo infame Zujf, e o ministério está apenas colocando lenha na fogueira com medidas como o endurecimento das condições para promoção.

Exortamos o ministro a retirar as alterações propostas e a discutir as alterações das condições de promoção com dirigentes, profissionais liberais e sindicato, ou seja, com quem realmente conhece as especificidades deste trabalho.

Brás Monteiro

"Fanático de TV ao longo da vida. Aficionado de internet irritantemente humilde. Analista. Introvertido dedicado."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *