Euro 2020: Portugal e Holanda vão para casa

No derby da noite, a Bélgica, primeira seleção do ranking da Fifa, eliminou o campeão europeu Portugal por 1 a 0 em Sevilha após o Eurogoal de Thorgan Hazard. Na primeira partida do dia, a República Tcheca venceu sensacionalmente a Holanda por 2 a 0 em Budapeste. Os tchecos aproveitaram a vantagem masculina depois que o zagueiro holandês De Ligt foi expulso aos 55 minutos.

Eurogoal de Thorgan Hazard decidiu o Sevilha

O grande derby de Sevilha entre Bélgica e Portugal começou com a grande chance de Portugal, quando Sanches superou a linha completa belga e empregou um único Jot, mas ele reagiu muito devagar e chutou mal. O resto do primeiro tempo foi passado em jogo cauteloso por ambas as equipes, mas houve muitos duelos e algumas jogadas bonitas. Quando os portugueses estavam com o controle total da partida, a Bélgica, que estava agindo completamente inofensiva, inesperadamente assumiu a liderança aos 42 minutos. Thorgan Hazard marcou um gol na Euro de um ataque que não prometeu muito, pois acertou o desprotegido com um chute diagonal de 22 jardas.

O segundo tempo começou para os belgas com a substituição de De Bruyne, que não pôde continuar devido a uma lesão no tornozelo, o técnico português Santos tentou elevar a qualidade do jogo com substituições. Jota teve a primeira grande oportunidade de Portugal aos 58 minutos, mas rematou por cima da baliza após passe de Ronaldo. Três minutos depois, Felix marcou de cabeça. O jogo ficou cada vez mais nervoso e acirrado, o árbitro alemão Brych acalmou as paixões com cartões amarelos, embora Pepe pudesse ter recebido um vermelho após uma cotovelada. No final, os portugueses tiveram um festival de oportunidades desperdiçadas. Aos 82 minutos, o zagueiro Dias chutou direto no goleiro Courtois após escanteio. No minuto seguinte, o gol salvou a Bélgica após chute de Guerreiro à entrada da área. O remate de Ronaldo foi bloqueado por Vermaelen. Com o remate de André Silva, o salvador belga voltou a ser o guarda-redes, e o remate de Felix saiu ao lado da baliza. A Bélgica enfrentará a Itália nas quartas de final na sexta-feira, em Munique.

A República Checa mandou a Holanda para casa

Houve um escândalo antes da partida, pois a mídia holandesa informou que os torcedores holandeses foram despojados de suas bandeiras de arco-íris, que usavam para mostrar apoio à comunidade LGBT. Quando surgiram alegações de que isso foi feito por instruções da Uefa, ela negou veementemente. Ambas as equipes tiveram grande apoio das arquibancadas lotadas da Arena Puskas.

Os holandeses começaram de forma violenta, tiveram a iniciativa e colocaram a defesa checa a duras provas com bolas poderosas, mas os remates das “laranjas” foram imprecisos, ou as suas tentativas foram bloqueadas pelo rival. Aos 20 minutos, os tchecos, que não jogaram o clássico bunker, mas atuaram de maneira organizada e agressiva semelhante aos austríacos contra os italianos, se livraram da pressão, restabeleceram o equilíbrio e criaram melhores chances. Souček foi o primeiro a tentar de cabeça, o remate de Schick foi travado pelo guarda-redes Stekelenburg e, aos 38 minutos, a República Checa aproveitou a oportunidade da primeira parte. Quando Barak, que substituiu o lesionado capitão Darido, estava a cinco metros da baliza tcheca após uma jogada, De Ligt (aos 21 anos e 319 dias tornou-se o jogador mais jovem a disputar 30 jogos pela Holanda) fez uma largada para impedi-lo de marcar e chutou a bola para o canto.

No segundo tempo, o jogo ganhou vida. Os tchecos continuaram corajosos e os holandeses tiveram a chance do jogo aos 52 minutos. Malen atravessou a defesa tcheca, mas quando estava prestes a enviar a bola para a rede, foi parado pelo goleiro do Sevilla, Vaclik, durante a jogada. Já na campanha seguinte, os holandeses ficaram com apenas dez jogadores. De Ligt impediu Schick, o árbitro Karasev da Rússia mostrou-lhe um cartão amarelo, e depois de ver as imagens do VAR, um cartão vermelho, já que o zagueiro holandês foi o último defensor a parar a bola deliberadamente com a mão. Com um jogador a mais, os tchecos construíram pacientemente seus ataques e marcaram o gol de vantagem aos 68 minutos, após um escanteio. Foi executado por Barak, Kalas saltou no segundo poste e devolveu a bola para o primeiro, onde o meio-campista de Praga Slavije Holeš acertou com a cabeça e mandou para a rede, embora houvesse dois zagueiros holandeses na linha. Após o gol sofrido, o jogo dos holandeses desmoronou completamente (em toda a partida eles não chutaram para a baliza adversária nenhuma vez) e os tchecos marcaram o segundo gol aos 80 minutos, dirigido pelo passador Holeš e o remador Schick, que marcou seu quarto gol no Europeu e seu décimo quinto na 30ª partida pela seleção. A República Checa vai defrontar a Dinamarca nos quartos-de-final, em Baku, no sábado, 3 de Julho.

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.