Os campeões mundiais desembarcaram em sua terra natal

Depois de um longo voo partindo de Doha com escala em Roma, o avião que transportava a seleção masculina da Argentina pousou em Ezeiza às 2h22, horário local.



Os dois Lionels trouxeram a estátua de ouro com o globo para a Argentina. O capitão Messi e o técnico Scaloni foram os primeiros a entrar pela porta do avião. Foto: Reuters

O Airbus A330 da Aerolinas Argentinas carregava a placa “uma equipa, um país, um sonho“, e em sua ala traseira estão pintados os rostos de Messi e Angelo Di Maria, o outro herói da final de domingo, que marcou o segundo gol contra a França.

Eles estavam em um ônibus aberto Lionel Messi e levou o grupo para a vizinha propriedade de futebol da Federação Argentina – Afa Ezeiza, onde pernoitaram o máximo que puderam. Embora os novos campeões mundiais tenham regressado a sua terra natal a meio da noite, milhares de pessoas esperavam por eles no aeroporto e à beira da estrada, o que fez com que a viagem, de apenas quatro quilómetros, durasse quase uma hora e meia. .

Em 1986: seis horas para 30 km

Ao meio-dia (16:00 h portuguesa), está prevista para começar em Buenos Aires a recepção oficial e celebração da conquista do tricampeonato mundial de futebol. Nessa hora, o ônibus aberto e a caravana com os campeões começarão a se deslocar de Ezeiza em direção ao centro da capital argentina. O objetivo da expedição será a fama Obelisco na Avenida 9 de Julho, no centro da cidade.

Quando os argentinos finalmente se sagraram campeões mundiais em 1986, Diego Maradona e o grupo, com cenas semelhantes, precisava de até seis horas para esse tipo de viagem. A rota mais curta da propriedade Afe ao Obelisco é de 30 km.

Já é um hospício à noite quando os argentinos chegam à sua terra natal

Um feriado nacional que não afeta as províncias

Mesmo após a chegada dos campeões, o governo argentino declarou a terça-feira, 20 de dezembro, feriado e não útil, o que gerou oposição da oposição política. Algumas províncias federais anunciaram que não terão um dia de folga porque o anúncio veio tarde demais e prejudica principalmente o funcionamento normal. A celebração central acontecerá em Buenos Aires, enquanto em outras partes do vasto país não há necessidade de suspender os trabalhos, que começarão ao meio-dia.

Nenhum político na recepção dos campeões

Na segunda-feira, o governo ofereceu para os recém-coroados campeões mundiais se divertirem com seus fãs no palácio presidencial, enquanto o presidente do país Alberto Fernández retirou-se e deixou a Casa Rosado inteiramente (casa vermelha) jogadores de futebol. Foi uma tentativa de preservar a tradição de 1986, quando o então primeiro presidente eleito democraticamente após a queda da junta militar, Raul Alfosin, também renunciou, deixando o palco inteiramente para Maradona e os campeões mexicanos.

Resumo do jogo Argentina x França

Mas por causa da crise política (condenações da vice-presidente e ex-presidente Cristina Kirchner por corrupção) e a crescente crise econômica (a taxa de inflação anual se aproxima de 100 por cento), chegou uma mensagem da Associação Argentina de Futebol (Afa) de que os jogadores de futebol querem evitar a política por completo. Eles também não querem comemorar em lugares que o público argentino percebe como espaços políticos, que sem dúvida é a Casa Rosada presidencial e a Plaza de Mayo antes dela. Ao contrário, o Obelisco, na avenida mais larga do mundo, é palco dos torcedores que acompanharam e comemoraram a marcha campeã dos argentinos na Copa do Mundo de 2022.

Brás Monteiro

"Fanático de TV ao longo da vida. Aficionado de internet irritantemente humilde. Analista. Introvertido dedicado."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *