Vidro Gorenjski | Minha vida portuguesa, parte 1

Hoje não estou tomando café na cozinha de casa, não estou sentado na minha cadeira e uma visão completamente diferente se abre na minha frente através da ampla varanda envidraçada. Os sons da rua não são os mesmos – ninguém liga o cortador de grama ou liga o rádio doméstico o tempo todo. O sol da manhã já bate com toda a força nas janelas, obrigando-me a passar da pequena cozinha para o bicama estofado do hall e olhar com satisfação o novo apartamento, que aluguei meses atrás em um dos plataformas estudantis. Estou em Coimbra. Bem, estamos – com o Nejc, começou um novo período para nós, meio ano ou um semestre letivo, que passaremos num intercâmbio Erasmus numa bela cidade portuguesa.

Coimbra – a cidade dos estudidiantes é a quarta maior cidade de Portugal e situa-se algures entre a cosmopolita Lisboa e o romântico Porto. Um ambiente favorável ao estudante, com muitos benefícios, descontos e variadas atividades extracurriculares é a razão pela qual a mais antiga e maior universidade abriga cerca de vinte mil alunos, dez por cento dos quais são estrangeiros (compõem um mosaico de setenta nacionalidades diferentes). A maioria são espanhóis, seguidos por brasileiros e italianos. Há menos eslovenos, menos de dez, para ser mais preciso, mas em poucos dias já nos conectamos com a ajuda das redes sociais e aliviamos a saudade inicial.

O que diabos é Erasmus, você pode estar se perguntando, para aqueles cujos dias de estudante são apenas uma fugaz e antiga memória de descamação do banco e exames temidos. Estou falando do programa da União Européia que apoia financeiramente jovens em educação, treinamento e esportes no exterior (nos países da União Européia e algumas outras exceções brilhantes). Então, se eu explicar de uma forma mais nativa, este é o programa através do qual me candidatei a um estudo de cinco meses em Portugal, e com uma bolsa mensal me ajuda a cobrir os custos básicos de acomodação e alimentação, e com uma abordagem ponderada, também pode cobrir parcialmente o transporte mensal e algumas viagens nos finais de semana.

É também um programa que tira os alunos do conforto de sua própria casa para enfiar meio ano de suas vidas em uma mala de viagem e ir a capitais mundiais e novos lugares para reunir novos conhecimentos e experiências, onde a princípio vagamos confusos entre estranhos que logo se tornam amigos, vagam na nova cultura que se torna nossa vida cotidiana. Erasmus obriga-nos a sair da nossa caixa e a encontrarmo-nos como conhecemos e sabemos. Sem piedade. E agora estou a integrar-me lentamente na cultura portuguesa, a tentar aprender uma nova língua e a conhecer “heróis” que se parecem comigo, que me ajudam a “flutuar”.


Egídio Pascoal

"Estudante. Especialista em web. Guru da música. Especialista em bacon. Criador. Organizador. Típico viciado em viagens. Estudioso de café. Explorador."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.