Zorman: O avanço é muito grande, mas queríamos mais

Em seis partidas em Katowice e Cracóvia, os handebolistas eslovenos venceram quatro vezes (Arábia Saudita, Polônia, Irã, Montenegro) e perderam duas vezes (França, Espanha). Eles jogaram um total de 73 partidas em dez Copas do Mundo até agora, e seu recorde agora é de 37 vitórias, 31 derrotas e cinco empates. De acordo com o resultado final da competição deste ano, eles igualaram sua melhor classificação na Alemanha 2007: o melhor até então foi terceiro (França 2017), quarto (Espanha 2013), oitavo (Catar 2015) e nono (Egito 2021), enquanto seus pior foi décimo primeiro (Portugal 2003), décimo segundo (Tunísia 2005), 17º (França 2001) e 18º (Islândia 1995).

Na manhã de ontem, a delegação eslovena viajou de autocarro para o seu país natal, tendo também como passageiro o treinador Uroš Zorman, de 43 anos. “Tenho orgulho dos meus meninos e estou feliz por ser o treinador deles. Para mim, eles são os melhores do mundo e mostraram coração e alma dentro e fora do campo, então não tenho nada para culpá-los. .Nos olhos deles volta a brilhar o andebol, devolvemos à equipa o culto à selecção, o patriotismo e o espírito de luta, o desejo, a motivação… São verdadeiros profissionais e dedicados ao seu trabalho. vencedores para mim”, disse o treinador Uroš Zorman.

O gol do selecionador foi uma medalha

Por causa da seleção, muito mais jovem, inexperiente e com até seis estreantes em grandes competições, o público local estava em sua maioria bastante cético antes de partir para a Polônia. “Já no início do meu trabalho com a selecção nacional, havia olhos negros e nuvens negras por cima de nós. Tendo em conta o que aconteceu há um ano no PE da Hungria (16.º classificado na Eslovénia, op. p.), seria utópico esperar uma medalha ou alguma outra conquista mais contundente. Mas, para ser honesto: antes do campeonato, tudo o que queríamos era sobreviver. Mas depois, graças ao nosso jogo e resultados, nos ofereceram assuntos muito maiores e de maior visibilidade. Em no final, caímos entre os dez primeiros, onde – como disse publicamente antes do campeonato – também pertencemos. Bem, com um pouco de sorte, poderíamos subir um degrau”, avaliou Zorman, e entre os estreantes, Aleks Destacou-se Vlah, que com 31 golos foi também o melhor marcador, à frente de Jure Dolenc (26) e Blaž Janec (24).

Zorman teve objetivos (pessoais e de equipe) mais altos na Polônia. “A medalha era o meu objetivo silencioso, porque sou um vencedor de coração. Nos últimos meses, demos um grande passo em frente, incluindo uma grande estreia no WC, mas queríamos mais. Também avançamos para os quartos-de-final, mas não conseguimos. Ainda assim, a classificação é de cinco a mais. Vencemos os jogos que tínhamos que vencer, embora muitos provavelmente pensassem que não conseguiríamos. Contra França e Espanha, estivemos pelo menos empatados por 75 por cento do jogo. Mas cometemos muitos erros técnicos em ambos, o que foi fatal. Ainda temos muitas reservas neste elemento do jogo e em muitos outros “, está convencido de Zorman.

Marche novamente com Montenegro

O seleccionador sabe bem que há muitos jogadores com mais de 30 anos na selecção nacional, pelo que eventualmente será necessário pelo menos um rejuvenescimento parcial. “Certamente será necessário encontrar algumas outras soluções. Alguns jogadores já estão em seus anos e lentamente começarão a se despedir. Portanto, a questão é quanto tempo mais eles jogarão e se eu, como selecionador, verei todos esses retiradas do andebol. Mas por outro lado, o meu lema é claro: não divido os jogadores em velhos e jovens, mas sim em bons e maus. Por isso a selecção nacional vai continuar a ser os melhores, saudáveis ​​e que querem jogar.”

Em março, a Eslovênia segue classificando-se para a Eurocopa 2024, na Alemanha, e nas duas primeiras partidas do Grupo 7, derrotou a Bósnia e Herzegovina em Maribor por 28:20 e Kosovo em Pristina por 29:24. O próximo adversário será Montenegro, que os eslovenos enfrentaram na última partida em Cracóvia. “Tenho certeza de que o futuro do nosso handebol é brilhante, muito mais brilhante do que alguns meses atrás ou no ano passado. o Mundial com uma vitória e quero que continuemos assim. Agora não podemos ficar parados nem regredir, mas temos que continuar trabalhando muito, para competir, o que com certeza vai render muito”, percebe Zorman, que enfrenta os montenegrinos em 9 de março em Podgorica e três dias depois em Koper.


Paulino Leitão

"Especialista em cerveja. Leitor orgulhoso. Especialista em comida profissional. Praticante de zumbis. Explorador."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *